Angel Olsen: “Whole New Mess”


Entre orquestrações suntuosas, camadas de sintetizadores e vozes fortes, Angel Olsen fez de All Mirrors – 4º colocado em nossa lista com Os 50 Melhores Discos Internacionais de 2019 –, um dos trabalhos mais importantes e grandiosos da própria carreira. Poucos meses após o lançamento da obra, a cantora e compositora norte-americana decidiu revisitar parte do repertório apresentado ao longo do disco, porém, de forma solitária e utilizando apenas de uma guitarra. O resultado desse processo será apreciado em agosto, canções de Whole New Mess (2020).

Originalmente gravado em outubro de 2018, no The Unknown, uma igreja localizada em Anacortes, Washington, mas que se transformou em um estúdio dirigido por Phil Elverum (Mount Eerie) e Nicholas Wilbur, o álbum apresenta versões intimistas de várias músicas que foram apresentadas em All Mirrors, além, claro, de outras criações inéditas. É o caso da recém-lançada Whole New Mess, faixa-título do disco. Pouco menos de quatro minutos em que Olsen traz de volta a atmosfera intimista e captações sujas do introdutório Half Way Home (2012), registro de estreia da cantora.


Whole New Mess

01 Whole New Mess
02 Too Easy (Bigger Than Us)
03 (New Love) Cassette
04 (We Are All Mirrors)
05 (Summer Song)
06 Waving, Smiling
07 Tonight (Without You)
08 Lark Song
09 Impasse (Workin’ For The Name)
10 Chance (Forever Love)
11 What It Is (What It Is)

Whole New Mess (2020) será lançado em 28/8 via Jagjaguwar 



Angel Olsen – Whole New Mess

Jornalista, criador do Miojo Indie e integrante do podcast Vamos Falar Sobre Música. Já passou por diferentes publicações de Editora Abril, foi editor de Cultura e Entretenimento no Huffington Post Brasil, colaborou com a Folha de S. Paulo e trabalhou com Brand Experience e Creative Copywriter em marcas como Itaú e QuintoAndar. Pai do Pudim, “ataca de DJ” nas horas vagas e adora ganhar discos de vinil de presente.