Apeles: “Reflexo Turvo”


Quem esperava por uma possível continuação do pop rock econômico detalhado em Rio do Tempo (2017), álbum de estreia de Eduardo Praça como Apeles, deve esbarrar em uma obra completamente diferente no no sucessor Crux (2019). Dois anos após a entrega do primeiro registro de inéditas pós-Quarto Negro, o músico paulistano vem se aventurando na composição de um material cada vez mais sombrio e torto, mudança de direção reforçada durante a divulgação de A Alegria dos Dias Dorme no Calor dos Teus Braços, apresentada há poucas semanas.

Parte do novo disco, a inédita Reflexo Turvo preserva a essência do material entregue na canção anterior, porém, mergulha o trabalho de Praça em um som ainda menos previsível e, consequentemente, ruidoso. “E a resistência é um mal que te devora / O medo é um revolver pra quem vive pra sonhar / Me solta, sou tijolo, sou um feto, sou defeito / Ferido o bastante pra pensar em batalhar“, canta em meio a guitarras que ora apontam para o trabalho de David Bowie, em “Heroes” (1977), ora fazem lembrar a boa fase de grupos como Pixies na segunda metade da década de 1980.

Crux (2019) será lançado em 6/8 via Balaclava Records.


Apeles – Reflexo Turvo