Baths: “Wistful (Fata Morgana)”


Desde o início da carreira, Will Wiesenfeld sempre soube como dosar entre a melancolia dos próprios sentimentos e a produção de faixas ensolaradas. O resultado desse criativo direcionamento temático está na entrega de obras como Cerulean (2010) e Obsidian (2013), registros em que o cantor e compositor norte-americano parece jogar com a percepção do público, indo de um extremo a outro de forma sempre sensível, cuidado que se reflete em algumas das faixas entregues pelo artista em mais de uma década de carreira, caso de de Aminals, Miasma Sky e a densa Ocean Death.

Dois anos após a entrega do delicado Romaplasm (2017), trabalho que reflete a capacidade do artista em lidar com a produção de melodias ensolaradas, Wiesenfeld brinca com os instantes na recém-lançada Wistful (Fata Morgana). Marcada pelo minimalismo das batidas, sintetizadores e vozes, a faixa naturalmente reflete algumas das principais referências criativas do músico. São ruídos e sobreposições eletrônicas que vão da obra de Aphex Twin ao clássico Give-Up (2003), parceria entre Ben Gibbar (Death Cab For Cutie) e Jimmy Tamborello (Dntel) no projeto The Postal Service.


Baths – Wistful (Fata Morgana)

Jornalista, criador do Miojo Indie e integrante do podcast Vamos Falar Sobre Música. Já passou por diferentes publicações de Editora Abril, foi editor de Cultura e Entretenimento no Huffington Post Brasil, colaborou com a Folha de S. Paulo e trabalhou com Brand Experience e Creative Copywriter em marcas como Itaú e QuintoAndar. Pai do Pudim, “ataca de DJ” nas horas vagas e adora ganhar discos de vinil de presente.