Category Archives: Clipes

Rafael Castro: “Pra Vender Mais, Agradar Mais, Se Falar Mais”

Rafael castro

.

Rafael Castro parece ter tomado gosto pela construção de bons clipes. Depois de surpreender e não poupar nem Jesus Cristo no lançamento de Surdo Mudo – um dos 50 melhores clipes de 2013 -, chega a vez do músico paulistano apresentar seu novo invento: Pra Vender Mais, Agradar Mais, Se Falar Mais. Também retirado do último trabalho em estúdio do cantor, o maduro Lembra? (2012), o vídeo deixa de lado a crítica religiosa para brincar (ou seria perverter?) parte das experiências do sexo.

Com direção dividida entre Filipe Franco e José Menezes, o trabalho traz desde o próprio Castro – em uma estranha versão andrógina -, até pequenas brincadeiras sexuais. São cenas agressivas, ousadas, constrangedoras e deliciosamente fetichistas que crescem de acordo com a métrica quebrada da canção. Sacana, o trabalho pode ser apreciado na íntegra logo abaixo. Assista sozinho. Ou não.

.

Rafael Castro – Pra Vender Mais, Agradar Mais, Se Falar Mais

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , ,

tUnE-yArDs: “Water Fountain”

.

Tune-yards

.

A percussão tribal, as vocalizações quebradas e guitarras repletas de suingue de Water Fountain não escondem: Nikki Nack (2014) chega como uma extensão do elogiado W h o k i l l (2011). Terceiro registro em estúdio da excêntrica Merrill Garbus à frente do tUnE-yArDs, o trabalho encontra na recém-lançada composição mais do que uma continuação do disco lançado há três anos, mas um ambiente de imposição estética da própria artista.

Praticamente uma faixa irmã de músicas como Bizness e Gangsta, Water Fountain encontra no cruzamento entre voz e percussão um imenso universo de possibilidades para Garbus. São experiências que abraçam a sonoridade africana, encontram a essência do Talking Heads e ainda emulam as mais variadas preferências de um típico achado pop. Com todo esse conjunto de possibilidades, Garbus parece ainda mais distante do cenário apresentado em 2009 com BiRd-BrAiNs, trazendo no disco previsto para seis de maio um ponto de consolidação. Abaixo você encontra o coloridíssimo clipe da canção, trabalho dirigido por Joel Kefali.

.

tUnE-yArDs – Water Fountain

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , ,

Neneh Cherry: “Everything”

Neneh Cherry

.

Desde que alcançou os ouvidos do público com o single Blank Project, no último ano, Neneh Cherry fez do quarto álbum solo uma das obras mais aguardadas de 2014. Produzido ao lado de Kieran Hebden (Four Tet), o trabalho é o primeiro grande invento particular da artista sueca desde Man, de 1996. Ainda atenta ao cruzamento de ritmos – Eletrônica, Hip-Hop, Soul e Trip-Hop -, a cantora faz de Everything mais uma representação de tudo o que se esconde nas emanações do novo álbum. Com mais de sete minutos de duração, a nova faixa segue de perto toda a atmosfera dos canções irmãs.

Um pouco mais “tímida”, mas não menos atraente, a canção dança por entre colagens experimentais, vozes que transitam por diferentes esferas, até aportar em um conjunto de reverberações essencialmente hipnóticas e quentes ao final da música. Agora transformada em clipe, a canção usa das imagens em preto e branco assinadas por Jean-Baptiste Mondino como uma extensão da capa do álbum. Abaixo, o extenso vídeo, que usa das danças de Cherry como um estímulo para as imagens.

.

Neneh Cherry – Everything

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , ,

Duck Sauce: “NRG”

NRG

.

Depois de muita expectativa e alguns (bons) anos de espera, chega ao público o primeiro registro em estúdio da dupla norte-americana Duck Sauce: Quack (2014). Mais conhecidos pelo single/clipe Barbra Streisand, Armand Van Helden e A-Trak conseguiram transformar o registro de estreia em uma obra para além de um Hit específico, condensando em músicas como Radio Stereo, Radio Stereo e Ring Me referências que vão da década de 1970 ao presente cenário da música eletrônica.

Naturalmente atentos ao cruzamento entre som e imagem, a dupla está de volta com mais um clipe tão humorado quanto os registros passados. Não tão escrachado quanto a proposta de Big Bad Wolf, o vídeo de NRG transporta a dupla de produtores para um daqueles irritantes comerciais de produtos milagrosos que você encontra na TV. Dirigido por Dugan O’Neal, o cômico vídeo faz de tudo para vender o líquido energético NRG, produto que usa da música do duo como uma ferramenta de estímulo natural. Já comprou?

.

Duck Sauce – NRG

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , ,

Damon Albarn: “Heavy Seas Of Love”

Damon Albarn

.

Se existe um registro que conseguiu deixar o público nervoso/eufórico mesmo meses antes do lançamento, este é Everyday Robot (2014). Estreia definitiva de Damon Albarn em carreira solo, o trabalho apresentado em pequenas doses ao longo dos meses parece ser um objeto de distanciamento em relação aos inventos iniciais do músico. Nada do clima funkeado do Gorillaz, esqueça as guitarras explosivas e o pop despretensioso que moveu o Blur na década de 1990, Albarn, ao que tudo indica, está realmente interessado em construir um ambiente próprio.

Acompanhado de perto por Brian Eno, co-produtor do disco, e contando com a presença de outros nomes da música inglesa, caso de Natasha Khan (Bat For Lashes), Damon vem promovendo um trabalho a ser desvendado lentamente, algo que Heavy Seas Of Love trata como um propósito. Mais novo clipe/canção de trabalho do cantor, a faixa encontra na direção do próprio Albarn e na edição pontual de Matt Cronin um conjunto de imagens assertivas em se tratando das melodias tristes que definem a criação. Everyday Robots estreia oficialmente no dia 29 de abril, mas já circula gratuitamente pela rede.

.

Damon Albarn – Heavy Seas Of Love

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , ,

London Grammar: “Sights”

London Grammar

.

Autores de um dos melhores clipes lançados em 2013 – Nightcall – e autores de um dos grandes registros visuais de 2014 – Hey Now -, os membros do London Grammar resolveram investir um pouco menos na produção do clipe de Sights, pelo menos criativamente. Com direção assinada por Giorgio Testi e imagens captadas no teatro londrino The Troxy, o trabalho se concentra em uma tímida apresentação ao vivo da banda, que usa da plateia (silenciosa) como uma ferramenta essencial para a manipulação das imagens.

Econômica, a canção reflete com acerto toda a orientação musical do trio Dominic ‘Dot’ Major, Hannah Reid e Dan Rothman. Da  mesma forma que os últimos lançamentos do grupo britânico, a canção é parte do bem recebido If You Wait, álbum de estreia da banda e trabalho apresentado oficialmente no último ano.

.

London Grammar – Sights

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , ,

Mazzy Star: “I’m Less Here”

.

De todos os grandes retornos musicais de 2013, a volta do duo Mazzy Star é de longe uma das melhores e mais bem sucedidas. Com o lançamento de Seasons of Your Day, quarto registro em estúdio do casal David Roback e Hope Sandoval, todas as experiências armazenadas em Among My Swan (1996) não apenas foram resgatadas, como reforçaram a boa forma do projeto – capaz de seguir em um ambiente tão familiar quanto inédito aos novos e velhos ouvintes.

Entre as grandes composições que definem a recente fase da banda está I’m Less Here, faixa que parece seguir exatamente de onde a dupla parou há 18 anos, como assume um ponto isolado dentro da presente fase do Dream Pop estadunidense. Conduzida de forma simples, ao som de violões climáticos e a voz ecoada de Sandoval, a canção lançada especialmente para o Record Store Day flutua em emanações pacatas, trazendo melancólico que carrega um evidente objeto de complemento estético.

.

Mazzy Star – I’m Less Here

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , ,

Sky Ferreira: “I Blame Myself”

Sky Ferreira

.

Sky Ferreira sempre teve tudo para se transformar em um novo nome da música pop. Rosto bonito, dinheiro, canções pegajosas e a estranha capacidade em despertar as atenções do público – independente de gênero. Preferiu seguir o caminho oposto. Lançou algumas faixas “estranhas” aqui e ali, explodiu (na medida do possível) com o hit nostálgico Everything Is Embarrassing, em 2012, e transformou o primeiro álbum, Night Time, My Time (2013) em um tratado tão comunicativo com o pop, quanto com a cena alternativa.

Marcado pelas confissões – e a mão firme dos produtores Ariel Rechtshaid e Justin Raisen -, o registro cresce como uma seleção autêntica de hits. Exemplar atrativo desse resultado está escondido nas vozes e melodias de I Blame Myself. Mais novo single de Ferreira, a canção passeia pela década de 1980 sem necessariamente fugir do presente. Lançado agora como clipe, o hit foca no que realmente importa nessa história toda: a própria Sky. Coreografias, caras e bocas, tudo aquilo que os ouvintes esperam da cantora. Por enquanto, assista aqui.

.

Sky Ferreira – I Blame Myself

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , ,

Yuck: “Southern Skies”

Yuck

.

Pelo visto os membros do Yuck não querem tirar férias tão cedo. Poucos meses depois de apresentar o segundo álbum de estúdio, Glow & Behold (2013), e provar que o grupo é capaz de seguir em frente mesmo sem o ex-vocalista Daniel Blumberg, chega a vez de conhecer mais um novo invento da banda. Trata-se do EP Southern Skies, um trabalho que passeia tanto pelas melodias sujas da década de 1990, marca da banda, como por caminhos raros dentro da estética original do projeto.

Exemplo eficaz disso está no interior da própria faixa-título do EP. Com mais de cinco minutos de duração, a música é uma representação de tudo aquilo que o Yuck nunca foi: uma banda pacata. Movida por guitarras tímidas e os vocais quase sussurrados de Max Bloom, a nova música usa da calmaria como uma passagem para pianos, versos tristes e uma bateria quase imperceptível. O melhor talvez seja perceber como isso funciona para o grupo. Abaixo você encontra o vídeo da canção, que conta com assinatura de Jacob Perlmutter.

.

Yuck – Southern Skies

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , ,

Real Estate: “Crime”

Real Estate

.

Atlas (2014), terceiro trabalho em estúdio do Real Estate é o grande disco do ano. Ao menos por enquanto. Sucessor do maduro e também convincente Days, de 2011, o álbum deixa de lado as melodias litorâneas e arranjos pisicodélicos testados na “primeira fase” do grupo para solucionar um jogo de composições simples, marcadas por riffs melódicos e letras entregues aos mais variados públicos. Músicas como Talking Backwards, Primitive e a doce Crime, canção escolhida para se transformar no mais recente (e agora oficial) vídeo do grupo.

Lançado pelo site de humor Funny Or Die, o vídeo conta com direção de ninguém menos do que o humorista norte-americano Tom Scharpling, parceiro de longa data da banda e outros nomes da cena independente, como The New Pornographers e Wild Flag. Com uma extensa apresentação do próprio Scharpling, o vídeo segue uma composição nonsense, trazendo desde performances da banda, até a inclusão de uma gangue adolescente de vampiros. Assista e tire suas próprias conclusões.

.

Real Estate – Crime

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , ,