Category Archives: Singles

Plano B lança videoclipe da música A.D.O

planopromo

 O mc paulistano Plano B lançou essa semana seu novo trabalho audiovisual. Integrante do grupo Hó Mon Tchain, fundado em 2009, o grupo conhecido como HMT lançou seu primeiro álbum no ano de 2012. Com seus 27 anos de idade, Plano B é um dos principais membros do coletivo, com diversas canções de sua autoria e com sua voz peculiar. Em 2014, Rodrigo lançou seu disco solo, intitulado “Montanha-Russa”. O álbum tem esse nome devido aos altos e baixos da vida do cantor, com coisas boas e ruins que ele passou.

Contendo 17 faixas, o debut do rapper conta muito sobre a história e o cotidiano do Plano B. A faixa “A.D.O” (que usa frases que termina com “-ado”) surgiu de um Freestyle em cima da música Little Young do Masta Ace & Edo. G. Produzida pelo produtor MUD, que também faz parte do grupo Hó Mon Tchain, a faixa traduz de forma eficaz a ideia de ambos. Já o videoclipe foi dirigido por Johnny Germano, responsável pela gravação, ilustração e edição do vídeo. O promissor videomaker deu vida à música, e dessa forma o resultado, mesmo que simples e intimista, consegue surpreender a todos pela qualidade e integridade do trabalho. O segundo disco do Hó Mon Tchain será lançado no segundo semestre de 2015, além disso em breve será lançado um novo clipe do grupo.

 

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , ,

London O’Connor: “Nobody Hangs Out Anymore”

.

Se você pesquisar sobre o trabalho de London O’Connor no Google, adianto: pouco será encontrado. Salve informações aleatórias em sites como StereogumPigeons & Planes, além, claro, de uma conta pouco abastecida no Soundcloud, a sensação repassada é a de que o rapper/cantor de 24 vive em um universo próprio. Um “isolamento” que se reflete não apenas pela rede, mas em músicas como OATMEAL, Love Song e, principalmente, com a recém-lançada Nobody Hangs Out Anymore.

Ancorado em um propositadamente torto cruzamento entre canto e rima, a nova criação do artista incorpora tanto o Hip-Hop despojado do coletivo Odd Future – principalmente nos primeiros trabalhos de Frank Ocean e Earl Sweatshirt – ao mesmo tempo em que um doce coro de vozes transportam o ouvinte para o final dos anos 1960, emulando conceitos típicos de veteranos como The Velvet Undergrond. Lembra uma versão menos “obscura” de King Krule e até Thom Yorke, como o canto abafado de OATMEAL parece reforçar. Pequenas comparações e apoios, mas nada que interfira de fato no som particular de O’Connor.

.


London O’Connor – Nobody Hangs Out Anymore

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , ,

Christopher Owens: “Chrissybaby Forever”

.

Surpresa! Passados poucos meses desde o lançamento do último trabalho em estúdio, A New Testament (2014), o ex-vocalista e guitarrista do Girls, Christopher Owens segue em carreira solo com um novo álbum de inéditas. Intitulado Chrissybaby Forever (2015), o registro produzido de forma independente e, por enquanto, disponível apenas no Bandcamp entrega ao ouvinte 15 composições inéditas e uma temática completamente distinta em relação ao resultado “mediano” do disco anterior.

Como um diálogo involuntário com o registro de estreia do Girls, o excelente Album, de 2009, Owens investe de forma inteligente no uso de arranjos ensolarados e guitarras diretas, base para o vocal sempre “arrastado” e dramático do artista. São faixas sustentadas por temas românticos, melancolia ou mesmo aspectos simples do cotidiano. Mesmo sem previsão de lançamento em formato físico (vinil), o disco pode ser apreciado na íntegra logo abaixo:

.

Christopher Owens – Chrissybaby Forever

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , ,

Neon Indian: “Annie”

.

A julgar pelos temas e conceitos “obscuros” lançados em 2011 com Era Extraña, seria mais do que natural que Alan Palomo assumisse uma direção cada vez menos ensolarada em relação ao debut com o Neon Indian, Psychic Chasms (2009). Entretanto, curioso perceber em Annie, primeiro single do terceiro e ainda inédito álbum do projeto, um completa ruptura desse resultado, passagem para que o músico texano se aproxime do mesmo som “regueiro” e leve do conterrâneo Washed Out.

Mesmo apontando para a referencial década de 1980, mergulhado em uma piscina de sons e experiências nostálgicas, Palomo mantém firme a própria essência, carregando na utilização de sintetizadores e pequenos atos ambientais – principalmente na segunda metade da faixa – a própria identidade. Com versos acessíveis, pegajosos, e um ritmo tão dançante quanto o “clássico” Coco Jambo do grupo Mr. President, o clima festivo parece ser o caminho escolhido pelo músico para o terceiro registro da carreira.

.

Neon Indian – Annie

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Holly Waxwing: “Vibe”

.

Casa de artistas como Yumi Zouma, Korallraven, Kisses e Lemonade, o selo Cascine Records também é o responsável por divulgar o delicado obra de Holly Waxwing. Nome escolhido para representar o trabalho do produtor Garrett Crosby, o projeto que utiliza da colagem de sons minimalistas e pueris soa como a passagem para um mundo fantástico e colorido, base para a mais nova composição assinada pelo artista, a encantadora Vibe.

Diferente de Chalant e até mesmo dos remixes assinados pelo produtor – caso de U Touch Me, da dupla Teengirl Fantasy -, Crosby em nenhum momento se distancia da concepção frágil dos temas apresentados logo na abertura da faixa, mantendo o ouvinte “confortável” dentro desse universo até o último segundo da canção. Nitidamente influenciada pelo trabalho de SOPHIE, A. G. Cook e demais representantes do selo PC Music, a recente criação aponta um novo caminho transformado dentro da ainda curta trajetória do produtor. Experimente:

.


Holly Waxwing – Vibe

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , ,

Disclosure: “Holding On” (Feat. Gregory Porter)

.

Depois de reforçar as batidas, sintetizadores frenéticos e brincar de forma versátil com um antigo sample na inédita Bang That, já estava na hora do Disclosure presentear o público uma composição de fato marcada pela voz. Atendendo a pedidos e ainda preparando o terreno para o segundo registro de inéditas, Guy e Howard Lawrence sustentam na recém-lançada Holding On a mesma soma de acertos, boas melodias e refrão pegajoso testado em faixas como You & Me, White Noise ou F For You do álbum Settle (2013)

De um lado, o ritmo eufórico, consistente diálogo com a eletrônica britânica e toda a somatória de elementos que transportam o ouvinte diretamente para as pistas; no outro oposto, a voz precisa do convidado Gregory Porter, uma das grandes vozes do Jazz norte-americano e responsável por completar as pequenas lacunas da dupla. Difícil não lembrar da parceria da dupla britânica com a cantora Mary J. Blige no último ano.

Holding On (o single) conta com lançamento previsto para o dia 17/07. Nenhum informação sobre o novo trabalho do Disclosure ainda foi divulgada oficialmente.

.

Disclosure – Holding On (Feat. Gregory Porter)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Baio: “Brainwash yyrr Face”

.

Enquanto o Vampire Weekend parece cada vez mais distante do som “tropical” reforçado nos dois primeiros álbuns de estúdio – vide Modern Vampires Of The City (2013) -, em carreira solo, Chris Baio, baixista da banda, parece assumir a responsabilidade por toda essa herança musical. Depois da sequência de singles e também do EP Sunburn, apresentado em maio de 2012, Baio reserva para o dia 18 de setembro o primeiro trabalho em carreira solo, The Names (2015), a sequência da mesma temática.

Escolhida para apresentar (e abrir) o novo trabalho, Brainwash yyrr Face explode em meio a cores e arranjos descompromissados do baixista/produtor. Sem necessariamente fugir da mesma atmosfera sustentada em Sunburn EP, elementos da recente obra de bandas como Lemonade, Poolside ou veteranos como Air France surgem a todo instante, reforçando a leveza instalada tanto nos vocais como nas bases (eletrônicas) da canção.

.

 


Baio – Brainwash yyrr Face

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , ,

Icona Pop: “Emergency”

.

Caroline Hjelt e Aino Jawo estão pouco interessadas em repetir a mesma sonoridade frenética do primeiro álbum como Icona Pop, This Is… Icona Pop, de 2013. Longe das batidas aceleradas, gritos plásticos – “I Love It” – e toda a matemática comercial de hits como All Night, GirlfriendReady for the Weekend, em Emergency, mais recente lançamento do duo sueco depois do single Get Lost, a busca por novas possibilidades reforça o amadurecimento do projeto.

Acompanhadas do parceiro sueco Erik Hassle e sem medo de parecer “brega”, Hjelt e Jawo resgatam uma série de conceitos inspirados no pop dos anos 1980/1990, brincando com o uso de saxofones, colagens de ritmos e outros elementos inusitados dentro dos trabalhos iniciais do Icona Pop. Difícil não sentir a influência de artistas como Miley Cyrus e Katy Perry, com quem a dupla colaborou em diferentes turnês desde o último ano.

.


Icona Pop – Emergency

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Destroyer: “Dream Lover”

.

Quem acompanha o trabalho de Dan Bejar com o Destroyer sabe que o tempo flui de maneira particular, sem pressa ou possíveis prazos para o lançamento de um novo álbum de inéditas. Melhor exemplo disso está no intervalo de quatro anos que separa o hoje clássico Kaputt (2011) e o ainda inédito Poison Season (2015). Previsto para estrear em agosto de 2015, o décimo registro em estúdio da banda canadense parece seguir em uma direção contrária ao arsenal exposto no antecessor, transformação reforçada nas guitarras, vozes e certa dose de urgência de Bejar dentro da inédita Dream Lover.

Primeiro single do novo trabalho, a canção resgata os mesmos elementos incorporados no disco de 2011, entretanto, de forma bagunçada, suja e tumultuada até o último acorde. Antes sedutoras, as guitarras se comportam de forma a “agredir” o ouvinte, estabelecendo as regras do ambiente caótico da canção, lentamente completo pela inclusão de metais, batidas e, claro, a voz tradicionalmente macia de Bejar. Em recente entrevista ao site da Pitchfork, o músico mais uma reforça o fascínio da banda pelos sons da década de 1970 – principalmente Soft Rock -, citando ainda nomes como Frank Sinatra e Van Morrison.

Poison Season (2015) será lançado no dia 28 de agosto pelos selos Marge e Dead Oceans.

.

Destroyer – Dream Lover

 

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , ,

MXMS: “Rx”

.

Pianos soturnos, vocal sempre preciso e um ritmo que cresce lentamente. Em RX, mais recente single da dupla MXMS, toda a temática obscura apresentada no single OMG não apenas ganha ritmo, como ainda transporta a sonoridade do casal para um novo ambiente, ainda mais intenso e sombrio. Lado B do novo single assinado por Ariel Levitan (voz) e Jeremy Dawson (pianos/produção), a canção reforça o amadurecimento na composição dos versos e arranjos, resultando em um dos projetos mais curiosos da nova safra estadunidense.

Soando como um encontro entre Lana del Rey e The XX – em versão acelerada, claro -, RX se afasta dos vícios da década de 1980 para dialogar de forma expressiva com o presente cenário – principalmente o norte-americano. Ainda que seja possível tropeçar em elementos típicos da obra de Owen Pallet e Chelsea Wolf – “culpa” dos pianos -, a sonoridade explorada na recente faixa comprova a identidade da dupla, hoje “representante” de gêneros curiosos (e divertidos) como o Funeral Pop e Dead Western… Só faltou o Gótico Suave.

.

MXMS – RX

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,