Category Archives: Singles

TOPS: “Picture You Staring”

.

Doce e simples. Não há definição mais honesta ao trabalho da banda canadense TOPs do que esta. Dois anos depois de ser apresentada ao público pelo disco Tender Opposites (2012), nada mais encantador do que perceber em Picture You Staring (2014), segundo registro da carreira do grupo de Montreal a mesma postura e sonoridade. Doze composições detalhadas por vozes e arranjos sempre econômicos, mas que em nenhum momento ocultam a grandeza evidente na obra do coletivo.

Também lançado pelo selo Arbutus Records – casa de Sean Nicholas Savage, Braids e outros projetos queridos aqui no Miojo Indie -, o novo álbum mantém firma a relação com a década de 1980 sem necessariamente parecer um registro datado. Referências que vão do Soft Rock ao Indie Pop canadense em meio a faixas já conhecidas, como Way to be Loved, e todo um pequeno arsenal de músicas inéditas.

.

TOPS – Picture You Staring

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , ,

SOHN: “The Chase”

.

Ainda que Tremors (2014) não tenha superado toda a expectativa gerada com os primeiros singles de Christopher Taylor, não há como negar que o registro conseguiu representar de forma assertiva toda a sonoridade lançada pelo produtor. Registro de estreia do SOHN, o álbum é uma seleção de temas melancólicos, confessionais e abastecidos pela letargia do R&B. Preferência registrada não apenas no interior do trabalho, mas em composições que (infelizemente) acabaram de fora dele.

É o caso de The Chase, delicada tradução da presente fase do produtor austríaco/britânico, mas que foi riscada da seleção oficial da obra. Muito mais “comercial” que grande parte das faixas lançadas no registro, a inédita criação soa como um misto de How To Dress Well e Frank Ocean, referências aproximadas na trama eletrônica lentamente conduzida pelo artista.

.

SOHN – The Chase

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , ,

Christopher Owens: “Never Wanna See That Look Again”

.

Como Nothing More Than Everything To Me já havia comprovado há poucas semanas, Christopher Owens finalmente parece ter “se encontrado” desde o encerramento das atividades do Girls, sua antiga banda. Livre da sonoridade bucólica/tímida anunciada no primeiro registro solo – Lysandre (2013) -, o cantor e compositor norte-americano estreita novamente a relação com as guitarras, melodias pegajosas e versos carregados pelo romantismo exagerado que somente ele parece controlar, premissa para a recém-lançada Never Wanna See That Look Again.

Mais novo exemplar do ainda inédito A New Testament, a presente composição arrasta o ouvinte por efêmeros dois minutos de puro acerto e brilho pop. Na trilha das canções mais descompromissadas do clássico Album, de 2009, a faixa é a pista que faltava para que o cantor aumentar a expectativa e preparar de vez o terreno para o disco – previsto para o dia 30 de setembro. Acima, a capa do trabalho.

.

Christopher Owens – Never Wanna See That Look Again

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , ,

Lowell: “LGBT”

.

Desde que comentei pela primeira vez sobre o trabalho de Lowell no começo de junho, durante a divulgação do single 88, que as melodias lançadas pela artista canadense parecem ter amadurecido ainda mais. O que antes era encarado em um esforço cíclico e aprazíveis melodias pop, agora evolui a cada nova curva ou refrão pegajoso, postura ressaltada na temática séria (e ainda doce) da nova música da cantora: LGBT.

Ainda que o título da faixa seja encarado como uma criação destinado ao público homossexual, bastam os versos iniciais e o ritmo ascendente para perceber a grandeza da música. Em poucos versos Lowell fala sobre amor, respeito, inclusão e igualdade ao mesmo tempo em que cria morada nos ouvidos do espectador. Ruídos, vozes em coro e a versatilidade da artista em brincar com o pop. Como grande parte das músicas lançadas pela artista nos últimos meses, LGBT é parte do inédito We Loved Her Dearly, estreia da canadense e obra prevista para ser lançada no dia 16 de setembro.

.

Lowell – LGBT

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Russo Passapusso: “Paraíso da Miragem”

.

Em meados de maio, quando Russo Passapusso apresentou as primeiras canções em carreira solo – Flor De Plástico e Paraquedas -, grande parte experiências reservadas ao então inédito Paraíso da Miragem (2014) pareciam prontamente anunciadas ao ouvinte. Ledo engano. Bastam alguns segundos no interior do trabalho para perceber quão amplo é o universo que passa a ser explorado pelo cantor – até então, mais conhecido pelo trabalho com o Baiana System.

Disponível para download gratuito no próprio site de Passapusso, o registro de 12 faixas é um verdadeiro agregado de sons, referências, versos e colaboradores. Com Curumin, Zé Nigro e Lucas Martins na produção, o trabalho carrega ainda a presença de BNegão, Anelis Assumpção, Marcelo Jeneci e Edgard Scandurra, responsáveis pelas rimas, vozes e sons que recheiam a obra. Abaixo é possível ouvir Anjo e Relógio, algumas das canções presentes no álbum. Acima, a capa do disco.

.

Russo Passapusso – Relógio

.

Russo Passapusso – Anjo

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , ,

QT: “Hey QT”

.

A estrutura sempre inexata do trabalho de SOPHIE parece feita para perturbar os sentidos do ouvinte. Desde que foi “apresentado” no single BIPP, o produtor inglês assume em cada nova criação um espaço de desconstrução para o pop tradicional. Em constante produção – há poucos dias foi apresentado o single Lemonade / Hard – Sophie aparece agora ao lado do também estranho A. G. Cook – autor da ótima Beautiful – para apresentar mais um novo projeto e, consequentemente, uma nova música: QT.

Apresentado pelo selo XL – de FKA Twigs, Adele e SBTRKT -, a canção intitulada Hey QT é um resumo acessível de tudo aquilo que os dois produtores vem desenvolvendo há tempos. Ainda que encaixada no mesmo universo do selo PC Music e outros projetos locais, a canção usa do maior recheio instrumental como uma forma de distanciamento, sendo o trabalho mais “comercial” da dupla até o momento.

.

QT – Hey QT

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , ,

Giancarlo Rufatto: “Cancioneiro”

.

Desde que apresentou ao público o álbum Machismo, em 2010, que Giancarlo Rufatto continua a expandir a atmosfera romântica/brega do próprio trabalho. Matéria-prima para o exercício expandido no single Alfredo / Enseada, ou mesmo dentro do álbum de versões lançado há pouco tempo, a mesma estrutura serve de base para o novo projeto solo do músico curitibano: Cancioneiro (2014).

Detalhado pela mesma composição Lo-Fi dos registros passados, o novo álbum concentra dez faixas marcadas pela melancolia e o jogo confessional dos versos, premissa para o exercício triste que começa na já conhecida Enseada e estaciona somente na densa Gospel. Disponível para audição gratuita logo abaixo, na página do cantor é possível folhear o encarte do novo disco, ou mesmo baixar os antigos projetos de Rufatto.

.

Giancarlo Rufatto – Cancioneiro

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , ,

Merely: “Princess Hervor”

.

A sonoridade mágica da cantora Merely parece longe de se limitar ao exercício doce detalhado em Forever. Último lançamento da artista, a canção etéreo-eletrônica acaba de ter os mesmos elementos replicados no interior de Princess Hervor, mais novo invento inédito da sueca. Pouco mais de três minutos em que sintetizadores atmosféricos, batidas controladas e samples à la jj ecoam delicadamente por todas as partes, seduzindo o ouvinte.

Com lançamento pelo selo Sincerely Yours - Ceo e jj -, a canção desacelera em relação aos últimos inventos da cantora, antecipando parte da sonoridade reservada para Nirvana (2014), registro de estreia reservado para o dia três de setembro. Quem se interessou pela sonoridade de Merely pode buscar por outras músicas no soundcloud do selo, ou acompanhar o trabalho da artista no próprio Facebook.

.

Merely – Princess Hervor

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

How To Dress Well: “So Easy For Pleasure”

.

Como Let U Know, faixa lançada há poucas semanas, conseguiu identificar, o material desenvolvido por Tom Krell para o novo álbum do How To Dress Well está longe de ser resumido ao conteúdo da obra. Também deixada de fora de “What Is This Heart?” (2014), So Easy For Pleasure resume em pouco menos de três minutos grande parte da estrutura musical e melancolia que recheia o interior da obra.

Movida por arranjos acústicos, pianos tímidos, além dos tradicionais falsetes de Krell, a composição segue a trilha dolorosa de todo o restante da obra, sendo um exemplar seguro da presente fase do cantor. Lembrando e muito o trabalho do The Antlers no também recente Familiars (2014), a faixa será oficialmente lançada na versão deluxe do novo álbum do How To Dress Well, condensando ainda algumas das canções que acabaram de fora da edição original do registro.

.

How To Dress Well – So Easy For Pleasure

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , ,