Category Archives: Singles

Toro Y Moi: “Empty Nesters”

.

A rápida passagem de Chazwick Bundick pelo território eletrônico de Michal (2014) – primeiro álbum à frente do Les Sins – em nada parece ter afetado a sonoridade melódica exposta pelo músico com o Toro Y Moi. Dois anos depois de abandonar (parcialmente) a Chillwave para flertar com elementos da música Disco, Funk, R&B e Hip-Hop em Anything in Return (2013), o norte-americano assume na pegajosa Empty Nesters uma espécie de regresso ao ambiente psicodélico apresentado nos primeiros anos de estúdio.

Primeiro exemplar de What For? (2015), quarto álbum de inéditas de Toro Y Moi, a canção talvez seja a peça mais acessível de toda a carreira de Bundick. Ainda que os temas explorados no último disco sejam preservadas – como a relação musical com a década de 1970 -, durante toda a construção da faixa, guitarras, vozes e sintetizadores entusiasmados trazem de volta o mesmo tempero pop aprimorado em Freaking Out EP, de 2011.

Com distribuição pelo selo Carpark Records, casa do projeto desde o debut Causers of This (2010), o novo álbum conta com lançamento previsto para o dia sete de abril.

.

Toro Y Moi – Empty Nesters

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , , , ,

Mew: “Satellites”

.

Desde a estreia com A Triumph for Man, em 1997, a banda dinamarquesa Mew sempre soube como equilibrar arranjos marcados pelo experimento e versos íntimos do pop. Hoje, com duas décadas de experiência e cinco trabalhos de peso na bagagem, o quarteto de Hellerup não apenas mantém a boa forma, como mantém uma dose de surpresa a cada novo lançamento, marca explícita na recém-lançada Satellites.

Na trilha de outros “hits” da banda, caso de Special e Am I Wry? No, a composição parece crescer sem dificuldades, dosando arranjos distorcidos e boas melodias dentro de uma estrutura própria do grupo. Faixa de abertura de + - (lê-se “plus minus”), sexto álbum de estúdio do Mew, a canção também marca o fim do hiato de quase seis anos canções inéditas da banda – o último trabalho do grupo foi a coletânea Eggs Are Funny (2010). Com dez composições, o novo álbum está previsto para o dia 27 de abril.

.

Mew – Satellites

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , ,

Strausz: “Não Deixe De Alimentar” (ft. Ledjane Motta & Maria Pia)

.

Ex-guitarrista da falecida banda R. Sigma, Diogo Strausz passou os últimos meses envolvido em uma série de projetos da cena (alternativa) carioca. Da bem sucedida estreia do parceiro Castello Branco – em Serviço (2013) -, passando pelo recente álbum de Alice Caymmi – Rainha dos Raios (2014) -, até a breve colaboração com Mahmundi – em Habitat -, cada projeto em que se envolveu como produtor, Strausz se concentra em reforçar a diversidade da própria essência – tão atual, como alimentada de forma assertiva pelo passado.

Em Não Deixe de Alimentar, composição assumida pelas vozes das convidadas Ledjane Motta e Maria Pia, Strausz lentamente se despede dos bastidores para solucionar o primeiro registro em carreira solo, Spectrum Vol.1 (2015). Com previsão de lançamento para o dia 27 de janeiro, o trabalho ainda conta com a participação de Kassin, Apollo, Bonde do Rolê, Alice Caymmi e Leno, pai do guitarrista e um dos principais “personagens” da Jovem Guarda. Em entrevista ao site da Rolling Stone Brasil, Strausz comentou o processo de produção do disco e até mesmo a bem-humorada capa do trabalho.

.

Strausz – Não Deixe De Alimentar (ft. Ledjane Motta & Maria Pia)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , ,

Purity Ring: “Begin Again”

.

Com o lançamento da inédita Push Pull, em dezembro do último ano, Corin Roddick e Megan James entregaram ao público as primeiras pistas em relação ao sucessor de Shrines (2012), elogiado registro de estreia da dupla como Purity Ring. Poucas semanas depois, a também inédita Begin Again reforça o novo compromisso do casal canadense, cada vez mais inclinado ao uso de melodias pop, porém, ainda imersos no ambiente onírico de vozes e batidas flutuantes testadas durante o primeiro disco.

Ao mesmo tempo em que a voz de James se espalha confortável em meio a arranjos típicos do R&B e pop dos anos 1990, Roddick continua a explorar diferentes fórmulas, esbarrando vez ou outra no mesmo ambiente de Clams Casino e outros artistas próximos da mesma cena Instrumental Hip-Hop. Instantes de leveza alternados com beats grandiosos, premissa testada no single anterior, porém, aprimorada somente agora.

Assim como o último lançamento, Begin Again é parte do novo álbum de estúdio da dupla, Another Eternity (2015), registro de 10 faixas que conta com distribuição pelo selo 4AD e lançamento previsto para o dia três de março.

.

Purity Ring – Begin Again

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , ,

The Decemberists: “A Beginning Song”

.

Um misto de simplicidade e detalhamento parece direcionar o trabalho de Colin Meloy dentro do novo álbum do The Decemberists. Como explícito em Make You Better e Lake Song, toda a estrutura orquestral testada nos primeiros anos da banda parece substituída por um acervo de versos diretos e arranjos suavizados, estrutura também reforçada em A Beginning Song, uma das 14 composições que integram o material reservado para What a Terrible World, What a Beautiful World (2015).

Enquanto a voz de Meloy parece ter alcançado um novo estágio de limpidez, o bom direcionamento dos versos resulta em uma espécie de “canção de autoajuda”, um hino involuntário para quem precisa recomeçar ou carece de um estímulo depois de qualquer situação adversa. Assertivamente posicionada no encerramento do novo álbum – previsto para 20 de janeiro pelos selos Rough Trade e Capitol -, a faixa aparece agora em um lyric video/apresentação, seguindo a linha dos últimos lançamentos da banda.

.

The Decemberists – A Beginning Song

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Glue Trip: “A New Place To Start”

.

Para uma música lançada na primeira semana de 2015, a banda paraibana Glue Trip não poderia ter encontrado um título melhor: A New Place To Start. Ainda que o título da recente criação – dividida entre Lucas Moura e Gouveia Phill – pareça dialogar de forma subjetiva com a passagem para o novo ano, em se tratando dos arranjos, toda a estrutura testada no decorrer da composição revela uma sonoridade parcialmente distinta em relação ao debut/EP Just Trippin’ (2013).

Ao mesmo tempo em que o detalhismo dos instrumentos esbarre no mesmo universo de Old Blood e outras faixas mais recentes do projeto, a leveza dos vocais e lento crescimento dos temas acústicos reforça um descompromisso ainda maior. Cinco minutos em que a mente facilmente se transporta de qualquer centro urbano para a frente de uma praia, reverberando temas psicodélicos e um tempero praiano que invade a mesma fórmula de Animal Collective, Tame Impala e outros gigantes recentes. Um doce delírio.

.

Glue Trip – A New Place To Start

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Lxury: “Let Down”

.

Entre um experimento eletrônico e outro, o produtor britânico Lxury involuntariamente acaba presenteando o ouvinte com alguma nova composição essencialmente dançante e provocativa. Depois de aparecer com as ótimas Never Love e Company, dois exemplos do lado mais acessível do artista, chega a vez de conhecer Let Down. Contrário ao que o título “radioheadniano” possa indicar, nada de melancolia, e, sim, quase quatro minutos de vocalizações sobrepostas que imediatamente convidam o ouvinte para um terreno descompromissado, íntimo das pistas inglesas.

Replicando uma série de conceitos encontrados no primeiro álbum do Disclosure, Settle (2013), Lxury garante uma faixa dinâmica, pegajosa e, ainda assim, marcada por pequenas doses de experimento (vocais) testados nos primeiros trabalhos. Com lançamento no programa da conterrânea Annie Mac pela BBC Radio, a canção “Lo-Fi” já pode ser apreciada na íntegra logo abaixo, sendo parte do próximo EP do artista: Into The Everywhere.

.

Lxury – Let Down

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Death Grips: “Fashion Week”

.

Os membros do Death Grips podem até ter encerrado as atividades do grupo, entretanto, o lançamento de composições inéditas e novos registros continua tão frenético quando no passado recente do projeto. Além da segunda parte de The Powers That B (2015), Jenny Death, prevista para estrear no dia 10 de fevereiro, o ex-coletivo de Sacramento, Califórnia acaba de presentear o público com mais um novo registro de canções inéditas e instrumentais: Fashion Week (2015).

Na trilha do material incorporado desde Government Plates, em 2013, o novo trabalho passeia por elementos da IDM, Instrumental Hip-Hop e Industrial, reforçando a atuação de uma banda tão viva que torna a história do término cada vez mais confusa e duvidosa. Iniciando com Runway J, cada faixa é acompanhada de uma nova letra, formando ao final a frase JENNY DEATH WHEN. Com download gratuito, o registro pode ser baixado diretamente no site do Death Grips.

.

Death Grips – Fashion Week

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , ,

Jens Lekman: “Postcard #1″

.

Você também é apaixonado pelas melodias delicadas de Jens Lekman? Então é bom celebrar. Enquanto trabalha na produção do quarto registro em estúdio, o músico sueco resolveu presentear o público com uma série de canções semanais inéditas. Intitulada Postcards, a série deve presentear o ouvinte semanalmente com uma sequência de recortes melancólicos e harmonias instrumentais típicas de Lekman, ainda próximo do mesmo material lançado pelo compositor em I Know What Love Isn’t, de 2012.

Primeiro fragmento da série, Postcards #1 sobrevive a partir de pequenas melodias de piano, vozes comportadas e delicadeza, matéria típica do artista. Se tudo der certo, ao final do ano, os ouvintes devem contabilizar um material composto por 52 faixas inéditas. Como explicou no texto de apresentação do projeto, nenhuma das novas composições devem ultrapassar os dois ou três minutos de duração. “Pense nestas pequenas canções como cartões postais”, disse Lekman.

.

Jens Lekman – Postcard #1

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , ,

MØ: “New Year’s Eve”

.

A boa recepção do público e crítica em relação ao primeiro disco solo - No Mythologies to Follow (2014) -, músicas em parceria com Elliphant e Iggy Azalea, agenda lotada e apresentações nos quatro cantos do planeta. Sem dúvidas, o ano de 2014 foi extremamente positivo para a cantora dinamarquesa MØ. E qual a melhor forma de celebrar todas as realizações conquistadas e ainda preparar o terreno para 2015 se não apresentando uma nova composição?

Intitulada New Year’s Eve, a inédita criação pode até se afastar dos últimos inventos assinados pela artista, entretanto, reforça a mesma delicadeza e autoral interpretação do pop explorada desde as primeiras músicas de MØ. Acomodada em arranjos econômicos e vozes melancólicas, a cantora logo invade o mesmo território de nomes como Lykke Li e Lana Del Rey, reforçando uma sonoridade melódica, ainda que empoeirada e doce. Utilizando do recorte de diversos filmes e cenas em preto e branco, Anne Sofie Skaaring assina o vídeo que acompanha a canção.

.


MØ – New Year’s Eve

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , ,