"Cid Moreira On The Dancefloor"

Ano: 2010
Selo: Independente
Gênero: Eletrônica, Dance, Mashup
Para quem gosta de: João Brasil e Raphael Bertazi
Ouça: Lisztomania e Johnathan
Nota: 8.0

Crítica | André Paste: “Cid Moreira On The Dancefloor”

Pouco mais de oito minutos. Esse é o tempo necessário para que André Paste convide o ouvinte a se perder pelas pistas dos anos 1970, passe pelas batidas do Furacão 2000 e ainda apresente uma inusitada combinação que vai de Lisztomania, do grupo francês Phoenix, ao pop eletrônico da dupla romena Edward Maya e Vika Jigulina. Um misto de funk carioca, versos bíblicos narrados por Cid Moreira, trance e fragmentos da identidade musical que define a produção do final dos anos 2000. Ideias que se entrelaçam sem ordem aparente, sempre regidas pelo bom humor e mixagem precisa do produtor capixaba, estrutura que faz de Cid Moreira On The Dancefloor (2010) um dos registros mais divertidos e musicalmente versáteis da última década.

Produto final de uma série de mashups e remixes que o produtor havia testado anteriormente, Cid Moreira On The Dancefloor abriria passagem para uma sequência de grandes lançamentos assinados pelo artista. É o caso de Mezenga & Berdinazzi Mixtape (2012), Gangsta Brega (2012) e reinterpretações para o trabalho de outros artistas, como VCR, do The xx, Heartbreaker, da dupla MSTRKRFT, e a cômica combinação entre Gaiola das Popozudas com Coldplay. Quatro anos mais tarde, Paste ainda lançaria o primeiro trabalho de estúdio da carreira, o ótimo Shuffle (2014), registro que contou com a colaboração de nomes como Silva, Mozine (Mukeka di Rato), João Brasil e Holger.



Este texto faz parte da nossa lista com Os 100 Melhores Discos Brasileiros dos Anos 2010 que será publicada ao longo das próximas semanas. São revisões mais curtas ou críticas reescritas de alguns dos trabalhos apresentados ao público na última década.