"Outer Peace"

Ano: 2019
Selo: Carpark Records
Gênero: Eletrônica, R&B, Chillwave
Para quem gosta de: Washed Out e Neon Indian
Ouça: Freelance e Ordinary Pleasure
Nota: 7.7

Crítica: “Outer Peace”, Toro Y Moi

Chaz Bear (ex-Bundick) passou os últimos cinco anos mergulhado em uma sequência de obras marcadas pela psicodelia. Do uso de melodias nostálgicas, em What For? (2015), passando pela performance ao vivo no meio do deserto do Mojave, em Live From Trona (2015), até alcançar o pop empoeirado de Boo Boo (2017), cada novo registro entregue pelo Toro Y Moi parecia distanciar o artista norte-americana da atmosfera eletrônica incorporada aos iniciais Causers of This (2010), Underneath the Pine (2011) e Anything in Return (2013).

Curioso perceber nas canções de Outer Peace (2019, Carpark Records), sexto e mais recente álbum de estúdio do Toro Y Moi, um parcial regresso ao mesmo universo temático inaugurado no início da presente década. Da abertura do disco, em Fading, até alcançar a derradeira 50-50, colaboração com o também produtor Instupendo, são colagens minimalistas, ruídos eletrônicos e sintetizadores que sutilmente orientam a experiência do ouvinte.

Não por acaso, Bear escolheu a dançante Freelance como primeiro single do álbum. Entregue ao público em outubro do último ano, a faixa não apenas preserva a essência eletrônica do Toro Y Moi, como passeia por diferentes ritmos e possibilidades dentro de estúdio. Difícil não lembrar do Daft Punk, em Discovery (2000), referência exaltada na linha de baixo pulsante e sintetizadores cíclicos, conceito também reforçado em músicas como Who Am I e Laws of Universe, essa última, composição que parece resgatada do álbum Underneath the Pine.

Interessante notar que mesmo próximo dos antigos trabalhos do Toro Y Moi, Outer Peace carrega na força das batidas, colagens eletrônicas e elementos percussivos sua própria identidade. Prova disso está em Ordinary Pleasure, música que parece apontar para o final dos anos 1980, como um diálogo com o techno-house do período. Em Fading, música de abertura do álbum, vozes sampleadas, sintetizadores e batidas rápidas que fazem lembrar o trabalho de Bear no projeto paralelo Les Sins.

Entre uma composição dançante e outra, surgem ainda pequenos exercícios criativos como a delicada Miss Me. Trata-se de um encontro entre Bear e a cantora ABRA, colaboração que naturalmente transporta o ouvinte para o mesmo R&B empoeirado que embala os trabalhos da convidada. A mesma leveza acaba se repetindo em Monte Carlo, encontro com os nova-iorquinos do WET e um regresso ao mesmo soul eletrônico que embala as canções de Anything in Return (2013). Mesmo Baby Drive It Down, assumida individualmente pelo cantor, se projeta como uma fuga do núcleo central da obra.

Versátil, Outer Peace revela ao público desde músicas essencialmente sensíveis, como 50-50 e Miss Me, até composições que rapidamente arrastam o ouvinte para as pistas, caso de Freelance e Ordinary Pleasure. São frações instrumentais e poéticas que resgatam uma série de elementos originalmente testados em diferentes projetos assinados por Chaz Bear, porém, sempre mirando no frescor das melodias e evidente desejo do produtor em se reinventar musicalmente.



Send this to friend