"Set My Heart on Fire Immediately"

Ano: 2020
Selo: Matador
Gênero: Art Rock, Pop de Câmara
Para quem gosta de: Fiona Apple e ANOHNI
Ouça: Without You, Jason e Whole Life
Nota: 9.0

Crítica | Perfume Genius: “Set My Heart on Fire Immediately”

Mike Hadreas tinha quase 30 anos quando decidiu largar tudo e se dedicar integralmente à carreira como músico. Na contramão de outros nomes que surgiram no mesmo período, ainda imberbes, o artista residente na região de Seattle acumulava um longo histórico de ameaças de morte sofridas por conta de sua sexualidade, problemas de saúde causados por uma doença inflamatória, crises familiares e um caso de espancamento organizado por um grupo homens no bairro onde morava. Talvez por isso, a voz do cantor e compositor norte-americano se revele de maneira tão carregada logo após o breve respiro dado nos minutos iniciais de Whole Life. “Metade de toda a minha vida se foi“, reflete de forma melancólica, apontando a trilha contemplativa seguida durante toda a execução de Set My Heart on Fire Immediately (2020, Matador).

Quinto e mais recente álbum do músico estadunidense, o sucessor do elogiado No Shape (2017), nasce como uma interpretação de Hadreas sobre diferentes aspectos da própria carreira, relacionamentos e conflitos pessoais. Instantes em que o artista se despe por completo e utiliza do lirismo autobiográfico como forma de dialogar com o ouvinte. “Você pode descrevê-los para mim? / Você pode apenas encontrá-lo para mim?“, clama na delicada Describe, composição em que sufoca pela peso da depressão e problemas de saúde, porém, anseia pela felicidade e a busca por um novo começo, dualidade que se reflete até o último instante da obra, como um passeio pela mente inquieta do cantor.

Exemplo disso ecoa com naturalidade em Without You, terceira faixa do disco. “É o sentimento mais estranho / Desconhecido mesmo / Quase bom … Você sabe que faz tanto tempo, muito tempo / Sem você“, canta em um delicado exercício de autoaceitação, como se o músico, pela primeira vez, estivesse em paz. Parte desse processo de transformação pessoal teve início ainda no último ano, quando Hadreas foi convidado a produzir a trilha participar de um espetáculo da coreógrafa Kate Wallich, The Sun Still Burns Here. Durante o espetáculo, o artista disse ter encontrado “uma quietude sublime“, como revelou em entrevista ao The New Yorker, fazendo do material entregue em músicas como as dançantes Eye In The Wall e Pop Song, um preparativo para o presente álbum.

De fato, poucas vezes antes as canções de Perfume Genius pareceram tão honestas ou minimamente próximas do ouvinte. Mesmo historietas curtas, como em Jason, faixa em que relembra uma noite de amor com um homem hétero, utiliza de uma série de elementos que parecem pensados para dialogar com qualquer público. São canções marcadas por sentimentos universais, conceito que tem sido aprimorado pelo artista em obras como Put Your Back N 2 It (2012) e To Bright (2014), mas que alcança melhor resultado em Set My Heart on Fire Immediately. Um exercício que transcende a simples construção dos versos, como se Hadreas tentasse entender o que há por trás de cada sentimento exposto.

Não por acaso, Blake Mills, parceiro de longa data do artista e produtor do disco, decidiu isolar a voz de Hadreas, valorizando cada verso lançado pelo cantor em Set My Heart on Fire Immediately. Da respiração que abre o disco, na já citada Whole Life, passando pela limpidez em Moonbend, On The Floor e Just a Touch, tudo gira em torno das experiencias sutilmente detalhadas pelo músico. Mesmo a base instrumental do disco se projeta de forma econômica, proposta que muito se assemelha ao trabalho do próprio Mills, no ainda recente Mutable Set (2020). São canções que atravessam o rock atmosférico dos anos 1980 para mergulhar no pop de câmara da década de 1970, como uma interpretação ainda mais econômica do som incorporado em No Shape.

Delicado, como tudo aquilo que define a obra de Perfume Genius desde a estreia com Learning (2010), Set My Heart on Fire Immediately cresce como o produto final de um lento processo de aprimoramento artístico, entrega e realização pessoal de Hadreas. É como se o cantor organizasse em estúdio uma série de elementos que se acumulam desde o primeiro registro autoral. Canções que utilizam de memórias, medos e momentos de doce aceitação de forma sempre intimista, proposta que não apenas reflete o completo domínio do músico em relação à própria obra, como em nenhum momento exclui o ouvinte desse processo, convidado a reinterpretar e mergulhar nas experiências sussurradas pelo artista durante toda a composição do trabalho.