""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Disco: “1000 Forms of Fear”, Sia

Sia
Pop/Electronic/Female Vocalists
http://siamusic.net/

Por: Cleber Facchi

Sia

Não importa o gosto ou provável tendência musical do espectador: todo mundo já ouviu alguma música de Sia pelo menos uma vez na vida. De faixas lançadas por grandes nomes da música pop, como Britney Spears, Beyoncé e Rihanna, passando por artistas da cena alternativa, caso de Birdy, Oh Land e até o veterano Beck, basta olhar o encarte do trabalho para notar a assinatura da australiana – talvez a maior fabricante de hits da última década. Curioso perceber que em 1000 Forms of Fear (2014, RCA), sexto álbum solo da cantora, tudo o que Sia não quer é ser notada pelo público.

Reflexo de uma série de transtornos recentes na vida da compositora, incluindo problemas com remédios, depressão e constantes ataques de pânico, o presente disco é uma obra que sobrevive do isolamento de sua criadora. Real ou fabricada, não importa, a temática que recheia o disco – e cresce em faixas como Eye Of The Neddle (“E eu não estou pronta/ Eu aguentarei firme“) – é a passagem para um registro de honestidade evidente. Livre do sofrimento fabricado da música pop – incluindo o dela própria -, Sia se converte com acerto na matéria-prima do trabalho, trazendo nas próprias confissões um personagem cotidiano e melancólico, assimilável por qualquer ouvinte.

Tal qual Adele em 21 (2011) ou Lykke Li no recente I Never Lern (2014), 1000 Forms of Fear entrega em cada música um fragmento triste da voz que a representa. A diferença em relação ao novo trabalho da australiana está na forma esquizofrênica em que arranjos e vozes entram em atrito durante todo o tempo, pervertendo um possível caráter essencialmente comercial da obra. Trata-se do registro mais “experimental” da cantora, que abandona o colorido efusivo do álbum We Are Born (2010) para mergulhar em território sombrio. Uma representação natural da mente perturbada de Sia.

Ainda que convincente em se tratando dos versos e temas que o definem, 1000 Forms of Fear pouco inova em se tratando dos arranjos. Basta observar Free The Animal, uma reciclagem das bases lançadas por Ariel Rechtshaid nos últimos discos do Haim (Days Are Gone) e Sky Ferreira (Night Time, My Time), ou mesmo Elastic Heart, parceria com o canadense Abel Tesfaye (The Weeknd) e faixa que mais parece uma adaptação de Exodus, colaboração entre o próprio Tesfaye com a cantora M.I.A. em Matangi (2013). Mesmo a poderosíssima Chandelier, uma das candidatas a música do ano, falsifica inovação. Ouça XXX 88, da dinamarquesa Mø, para notar as pequenas doses de autoplágio assinadas por Diplo, produtor responsável pelas duas músicas.

Todavia, muito se engana quem pensa que sexto álbum de Sia perde seu valor ao investir em elementos já lançados por outros artistas. Mais do que uma representação de sua autora, o registro cresce como uma coesa apresentação de diversos conceitos antes limitados ao cenário/público alternativo, porém, agora entregues ao grande público. Das guitarras mecânicas de Nick Valensi (The Strokes) em Hostage, aos experimentos eletrônicos de Fair Game, passando pelo dramalhão pop de Big Girls Cry – no melhor estilo Kelly Clarkson -, todos os elementos do álbum convergem de forma harmônica, encarados sem bloqueios por diferentes públicos.

Imensa síntese, 1000 Forms of Fear carrega tanto a letargia suja de Lana Del Rey (Cellophane), como a fluidez plástica de Demi Lovato (Fire Meet Gasoline), se convertendo em um imenso resumo de tudo o que caracteriza a música – pop ou alternativa – na atual fase. Logo, o segredo para o equilíbrio da obra e o mecanismo de convergência para todos estes elementos está na lírica sensível de Sia, personagem real de um universo tão restrito e confuso, quanto aberto ao espectador.

1000 Forms of Fear (2014, RCA)

Nota: 7.7
Para quem gosta de: MØ, Sky Ferreira e Ellie Goulding
Ouça: Chandelier, Free The Animal e Eye Of The Neddle


2 thoughts on “Disco: “1000 Forms of Fear”, Sia

Comments are closed.