""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Disco: “ANTI”, Rihanna

Rihanna
Pop/R&B/Hip-Hop
http://www.rihannanow.com/

 

O refrão explosivo de Bitch Better Have My Money, a melodia pop de FourFiveSeconds – parceria com Paul McCartney e Kanye West -, a base dançante de Only Girl (In The World) ou a pegajosa letra de We Found Love. Nada disso faz parte do arsenal que abastece ANTI (2016, Roc Nation / Westbury Road). De fato, é muito mais fácil montar uma lista com todas as canções, parcerias e temas que foram abandonadas por Rihanna nos últimos meses do que levantar todos os elementos que pareciam garantidos dentro do oitavo registro de inéditas da cantora – vide a série de colaborações previamente estabelecidas com Sia, Calvin Harris, Kiesza e Charli XCX.

ANTI, como o próprio título indica, é uma obra de ruptura e oposição. Da imagem de capa, um trabalho assinado pelo artista gráfico Roy Nachum, passando pela parcial ausência de hits e versos comerciais, além da fuga de temas descomplicados, típicos da EDM, Rihanna estabelece um trabalho em que busca perverter a própria imagem – mesmo que temporariamente. Nada parece acessível. Todas canções se movimentam de forma particular, como se a cantora (e o ouvinte) trocassem segredos em um cenário essencialmente restrito, intimista e sombrio.

Logo nos instantes iniciais, a batida seca, levemente distorcida de Consideration, um trampolim para um dos versos mais poderosos da obra: “Me deixe cobrir sua merda com glitter / Posso transformá-la em ouro”. Longe do catálogo de temas óbvios e bases acessíveis que abasteceram os ótimos Good Girl Gone Bad (2007) e Loud (2010), Rihanna e os parceiros de produção – entre eles, Timbaland, DJ Mustard, Hit-Boy e Travis Scott – criam uma obra tão frágil quanto complexa. Um turbilhão sentimental que arrasta o ouvinte para dentro de músicas como Desperado e a Work, esta última, parceria com o rapper Drake.

Principal componente do trabalho, a voz limpa da cantora parece apontar a direção melancólica seguida até a chegada da derradeira Close To You. Livre do som robótico e vozes carregadas de auto-tune que tanto marcam os antecessores Talk That Talk (2011) e Unapologetic (2012), Rihanna ocupa cada espaço da obra com extrema delicadeza. Ainda que faltem “hits”, sobram peças sensíveis como a psicodélica Same Ol’ Mistakes, uma adaptação de New Person, Same Old Mistakes do grupo australiano Tame Impala, ou mesmo a acústica Never Ending. Nada que se compare ao evidente cuidado da cantora em Higher.

Este uísque faz eu me sentir bonita / Então, perdoe se eu sou indelicada / Eu realmente preciso de você aqui comigo”, canta Rihanna em um grito desesperado marcado pelo completo drama. Um meio termo entre as voz machucada de Amy Winehouse e os instantes épicos de Beyoncé dentro do álbum lançado em 2013. Posicionada próxima ao encerramento da obra, a canção surge como um resumo involuntário de toda a carga emocional que rege o disco, servindo como o ápice da dolorosa sequência que amarra as sentimentais Never Ending e Love On The Brain.

Difícil não lembrar de álbuns como 4 (2011) da Beyoncé, The Pinkprint (2014) de Nicki Minaj e outras obras de transição no recente cardápio da música pop. Diversos conceitos – como o uso das batidas e vozes -, parecem testados por Cassie em RockByeBaby (2013) e replicados aqui. Longe de parecer um registro completo, ANTI sobrevive como um ato isolado dentro da carreira de Rihanna. Um provocante exercício criativo que instantaneamente atiça a curiosidade do ouvinte para o que ainda está por vir.

 

ANTI (2016, Roc Nation / Westbury Road)

Nota: 7.5
Para quem gosta de: Beyoncé, Drake e Ciara
Ouça: Higher, Never Ending e Love On The Brain


2 thoughts on “Disco: “ANTI”, Rihanna

Comments are closed.