""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Disco: “Body Talk”, Robyn

Robyn
Swedish/Electronic/Pop
http://www.myspace.com/robynmyspace
http://www.robyn.com/

A ambição de Robyn em lançar três discos em um mesmo ano gerou sem dúvida um dos projetos mais memoráveis de 2010. A sueca que desde a década de 1990 vem desenvolvendo uma série de bons trabalhos (apesar de só despontar mesmo em 2005) soube trabalhar a música pop com boas doses de electro e canções que serviram para animar as pistas do mundo todo.

Denominado Body Talk o projeto se divide em três discos lançados no decorrer de 2010. O primeiro, Body Talk Pt.1 é sem dúvidas o ganhou maior destaque dos três álbuns. Concentrando canções como “Don’t Fucking Tell Me What To Do”, “Fembot” e “Dancing Own My Own” o álbum soa mais como coletânea de canções pop. Durante seus trinta minutos de duração o disco preza por batidas bem produzidas, camadas de sintetizadores e a voz forte de Robyn que embala as canções. Há ainda a obscura “None Of Dem” produzida pelo duo norueguês Röyksopp com uma levada de synthpop menos dançante sem que isso prejudique o restante do álbum.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=CcNo07Xp8aQ]

Se no primeiro disco Robyn esbanja qualidade, na segunda parte do projeto o mesmo sucesso não consegue se repetir. Body Talk Pt.2 parece mais um disco de sobras. Claro que há bons momentos no álbum, como nas faixas “Hang With Me” (pronta para as pistas) e na parceria com Snoop Dog “U Should Know Better”. Nem a tentativa de lançar uma versão acústica de “Indestructible” (como fez com “Hang With Me” em Pt.1) conseguiu um bom desfecho para o trabalho.

Com Body Talk Pt.3 Robyn parece voltar aos eixos, parte disse se dá pelo fato do disco agregar as principais canções dos dois trabalhos anteriores. O álbum conta ainda com as inéditas “Time Machine”, “Call Your Girlfriend”, “Get Myself Together”, “Stars 4-Ever” além da versão original de “Indestructible”.

Em um ano onde experimentalismos e gravações lo-fi caracterizam os principais lançamentos de 2010, Robyn surge de maneira categórica com sua sonoridade acessível e polida, livre de modismos e que surge com o único propósito de divertir. A prova de que muitas vezes o que falta é a boa e velha musica pop.

Body Talk Pt.1 (2010)
1. Don’t Fucking Tell Me What To Do
2. Fembot
3. Dancing On My Own
4. Cry When You Get Older
5. Dance Hall Queen (produced by Diplo)
6. None Of Dem
7. Hang With Me (acoustic)
8. Jag Vet En Dejlig Rosa

Nota: 8.2
Para quem gosta de: I Blame Coco, Marina and The Diamonds e M.I.A.
Ouça: Fembot, Dancing On My Own e Dance Hall Queen


Body Talk Pt.2 (2010)
1. In My Eyes
2. Include Me Out
3. Hang With Me
4. Love Kills
5. We Dance to the Beat
6. Criminal Intent
7. U Should Know Better (Ft. Snoop Dogg)
8. Indestructible (acoustic version)

Nota: 7.5
Para quem gosta de: I Blame Coco, Marina and The Diamonds e M.I.A.
Ouça: Hang With Me e U Should Know


Body Talk Pt.2 (2010)
1. Dancing on My Own
2. Fembot
3. Don’t Fucking Tell Me What to Do
4. Indestructible
5. Time Machine
6. Love Kills
7. Hang With Me
8. Call Your Girlfriend
9. None of Dem (ft. Röyksopp)
10. We Dance to the Beat
11. U Should Know Better (ft. Snoop Dogg)
12. Dancehall Queen
13. Get Myself Together
14. In My Eyes
15. Stars 4-Ever

Nota: 8.6
Para quem gosta de: I Blame Coco, Marina and The Diamonds e M.I.A.
Ouça: Indestructible e Time Machine

Criador do Miojo Indie, trabalhou como coordenador de Mídias Sociais na Editora Abril, editor de entretenimento e cultura no Huffington Post, editor de conteúdo no Itaú. Pai do Pudim, “ataca de DJ” nas horas vagas e adora ganhar discos de vinil de presente.