""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Disco: “Cosmic Logic”, Peaking Lights

Peaking Lights
Psychedelic Pop/Indie/Alternative
http://peakinglights.com/

Por: Cleber Facchi

As guitarras sujas e voz firme em Infinite Trips, faixa de abertura do recém-lançado Cosmic Logic (2014, Weird World) confirmam: o som incorporado pelo Peaking Lights está longe de ser o mesmo dos outros álbuns. Ainda que o casal Aaron Coyes e Indra Dunis tenha explorado uma sonoridade menos “artesanal” desde o antecessor Lucifer, de 2012, bastam os minutos iniciais do presente disco para notar a completa mudança na estrutura incorporada pela dupla.

Se por um lado os temas psicodélicos, variações do Dub e uso apurado de sintetizadores mergulham o ouvinte no mesmo contexto dos últimos discos, ao isolar os arranjos e vozes de cada composição, a proposta é outra. Como evidente desde o lançamento de Breakdown, em meados de agosto, Coyes e Dunis exploram agora um som cada vez mais pop, raspando de leve em um resultado comercial. De certo modo, uma interpretação ainda mais polida do material exposto em 936 (2011), obra que apresentou o trabalho do duo californiano ao mundo.

Naturalmente dinâmico, Cosmic Logic é uma fuga dos excessos incorporados de forma assertiva pelo casal nos últimos dois discos. Longe de reproduzir peças extensas, caso de Marshmellow Yellow, LO HI e Birds of Paradise, Coyes se concentra em desenvolver canções rápidas, esquivas de bases climáticas e totalmente moldadas aos vocais da esposa. De fato, se há pouco tempo Dunis atuava como uma espécie de instrumento musical, emulando vocalizações típicas do dub, hoje a cantora é a grande engrenagem do trabalho.

Com exceção das últimas faixas do disco – New Grrrls, Breakdown e Tell Me Your Song -, todo o acervo do presente álbum é de composições essencialmente rápidas, efêmeras. Três ou quatro minutos de versos plásticos, arranjos coesos e até certa dose de urgência. Quem foi seduzido pelas massas densas de 936 ou variações psicodélicas do trabalho passado, talvez encontre em Cosmic Logic um universo estranho. Uma completa ruptura em se tratando dos conceitos que definiram a curta obra do Peaking Lights.

Todavia, o novo enquadramento dado ao projeto em nada afasta o casal dos primeiros anos em estúdio. Em busca de composições climáticas e mais lentas? Comece por Hypnotic Hustle ou Little Light. Sente falta dos vocais de Indra Dunis trabalhados de forma menos acelerada? Ora, os quatro minutos de Eyes to Sea, a canção “mais eletrônica” da obra talvez satisfaça esse desejo. Como dito, a matéria-prima da banda ainda é a mesma, a diferença está na forma como essa essência é dissolvida e entregue ao ouvinte.

Ponto de maior transformação e grande acerto do álbum, as melodias orientam as canções em um passeio doce, revelando ao ouvinte versos talvez inaudíveis até o último disco. Evidente obra de apresentação, Cosmic Logic parece gravado de forma a abraçar uma nova parcela do público, mudança que altera a inicial letargia da banda, mas em nada prejudica o rendimento e coerência do trabalho.

 

Cosmic Logic (2014, Weird World)

Nota: 7.5
para quem gosta de: High Places, Sun Araw e Maria Minerva
Ouça: Breakdown, Everyone and Us e Hypnotic Hustle