""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Disco: “Eclipse”, Twin Shadow

Twin Shadow
Alternative/Electronic/Electropop
http://www.twinshadow.net/

 

Poucos artistas parecem entender tão bem o som explorado na década de 1980 quanto George Lewis Jr. Aos comandos do Twin Shadow, o produtor de origem dominicana e residente em Nova York, fez do projeto de versos confessionais um passeio voluntário por diferentes campos da música lançada na época; marca explícita no pós-punk-eletrônico-e-sujo incorporado em Forget, registro de estreia apresentado em 2010, e, posteriormente, na imposição pegajosa/melancólica exaltada no synthpop de Confess, registro entregue ao público dois anos mais tarde.

Com a chegada de Eclipse (2015), terceiro e mais recente álbum solo do produtor, uma nova visita aos conceitos e temas incorporados há mais de três décadas. Diferente dos últimos registros, Lewis Jr. encontra no presente trabalho um mecanismo de transição. Longe das maquinações pop-chiclete ou mesmo ambientações densas típicas da referencial década, cada peça do trabalho encaminha o som de Twin Shadow para um novo cenário, proposta que sobrevive (e ainda tropeça) nas mesmas referências “brega” que apontaram a direção da música pós-1985.

Preferência indicado logo nos primeiros instantes do álbum, assim que os pianos e voz forte ocupam toda a extensão de Flatliners, em Eclipse, a busca de Lewis Jr. não se concentra apenas no uso de sintetizadores e temas de natureza pulsantes da New Wave, mas na melancolia (quase caricata) que sustenta o R&B há mais de duas décadas. Não por acaso o cantor parece flertar a todo o instante com a obra de veteranos como Lionel Richie, Michael Jackson e Prince, este último, referência explicita em faixas de forte apelo sentimental, caso dos singles To The Top e Turn Me Up.

A mesma aproximação com a música negra parece reforçar o inevitável florescimento de pequenos duetos e parcerias ao longo da obra, algo raro nos últimos trabalhos de Twin Shadow. Enquanto Old Love / New Love amplia a parceria de Lewis Jr. com o produtor D’Angelo Lacy – colaborador na faixa Lost You, lançada em 2014 pelo duo canadense Zeds Dead -, a delicada Alone cresce como um dos momentos mais comoventes do registro. Inicialmente inaugurada pela voz amarga do cantor, a canção que mais parece resgatada do álbum Confess logo cria espaço para a convidada Lily Elise, revelando um dos pontos de maior acerto do disco.

Mesmo encarado como obra “de transição”, Eclipse está longe de ocultar instantes típicos da essência de Twin Shadow. Basta se concentrar na estrutura montada para faixas como I’m Ready, To The Top e Watch Me Go, resquícios da sonoridade vintage lançada por Lewis Jr. desde o primeiro registro em estúdio. A diferença talvez esteja na busca do cantor por uma série de novas referências musicais, como Depeche Mode, Simple Minds e U2, grande parte delas inicialmente “testadas” na série UNDER THE CVRS, projeto desenvolvido pelo músico desde 2013.

Parte desse cruzamento de referências e sons adaptados, acessíveis ao grande público, nascem como efeito do próprio método de lançamento e distribuição de Eclipse. Trata-se do primeiro disco do Twin Shadow apresentado por um grande selo, neste caso, a Warner Bros. Uma interpretação talvez simplista, montada de forma a atingir uma parcela ainda maior do público, porém, não menos convincente e sentimentalmente honesta quanto os últimos discos do cantor.

 

Eclipse (2015, Warner Bros)

Nota: 6.0
Para quem gosta de: Future Islands, Chairlift e U2
Ouça: Alone, I’m Ready e Turn Me Up

Veja também:


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Send this to friend