""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Disco: “Encarnado”, Juçara Marçal

Juçara Marçal
Brazilian/Female Vocalists/Experimental
http://www.jucaramarcal.com/

Por: Cleber Facchi

Vida e morte se entrelaçam no universo em formação de Encarnado (2014, Independente). Primeiro trabalho solo da cantora paulistana Juçara Marçal, o registro desconstrói a performance lançada pela artista desde o começo dos anos 1990, renascendo para o novo público com uma completa iniciante. Ainda que protegida pelas cinzas da própria discografia – incluem quatro discos com o grupo Vésper, dois com o A Barca, Padê (2007) ao lado de Kiko Dinucci e mais dois com o Metá Meta, parceria entre ela, Dinucci e Thiago França -, é no embrião sombrio do novo disco que Marçal se revela de fato, brincando com a morte e estabelecendo de vez o próprio território.

Pontuado pela aura de retrospecto, o disco vai além de um condensado sóbrio de versões ou mesmo músicas que nasceram da interferência vocal da cantora. Trata-se de um disco que revela Marçal em essência, uma aficionada pela Vanguarda Paulista e uma mente inclinada a perverter o conforto tradicional da velha MPB. Ruídos, caos, desordem e imposição, tudo funciona como com combustível para o motor cênico esbanjado pela cantora, que atravessa de forma inteligente o mesmo cenário instável  lançado há dois anos, em Metal Metal (2014).

Não diga que estamos morrendo/ Hoje não”. Tendo na inaugural Velho Amarelo, faixa assinada por Rodrigo Campos, o princípio de composição para o restante da obra, Marçal visita um conjunto de temas que encontra na morte e nos elementos ao redor dela o principal suplemento do trabalho. São criações esquizofrênicas, caso de E o Quico? – de Itamar Assumpção, lançada em 1983 no disco Sampa Midnight -, e Não Tenha Ódio No Verão – do baiano Tom Zé, registrada no álbum Tropicália, Lixo Lógico, de 2012 – que simplesmente se curvam perante a execução vocal da paulistana. Faixas como A Velha Da Capa Preta, de Siba, e João Carranca, do parceiro Dinucci, que deixam de ser deles, para se converter em um fruto original dela.

Se por um lado a imposição torta dos arranjos reforça a comunicação imediata com o Metá Metá, por outro lado a parcial ausência de hermetismo trata de aproximar a cantora do “grande público”. Lidando com os artifício da música popular à sua maneira, claro, Marçal aproxima a própria voz de um conjunto amplo de possibilidades harmônicas. São composições como Não Tenha Ódio No Verão, que parece atender às exigências daqueles que louvam as grandes interpretes da música nacional, ou mesmo a própria faixa de abertura, que posiciona Marçal em um palco iluminado, pronta para os ouvidos mais “convencionais”. Instantes de fantasia para o universo de tendências perturbadoras costuradas aos poucos por Marçal.

Anárquica em essência, Juçara perverte durante todo o disco a lógica compacta de qualquer intérprete padrão. Basta mergulhar nas emanações provocativas de Presente de Casamento, ou na incerteza de E o Quico? para perceber a transformação vocal da artista em um instrumento louco. O mesmo exercício se repete em Ciranda do Aborto, composição assinada por Dinucci e faixa que reflete toda a grandeza do álbum. Ascendente, a música praticamente força as possibilidades de Marçal, que ao alcançar o bloco final dos versos – “Mas o chão te engoliu/ Toda a lida findou/ Pra você descansar no meu braço” -, arrasta o ouvinte para junto de um bloco de ruídos consumidos pela dor.

Sempre próximos da cantora, Thomas Rohrer (rabeca), Rodrigo Campos (guitarra, cavaquinho) e Kiko Dinucci (guitarra) parecem minuciosamente orquestrados, como se cada fagulha vocal se transformasse em um palco livre para os parceiros. Com uma voracidade transformadora, Marçal converte desde composições “insignificantes”, como Canção Pra Ninar Oxum, até criações imensas, caso de Queimando a Língua, em verdadeiros objetos de atenção para o ouvinte. Uma obra em que a incerteza das formas, tramas e sons quebrados se converte na única garantia para o visitante.

rp_tumblr_n17zppwmZ81r9ykrko1_500.jpg

Encarnado (2014, Independente)

Nota: 9.0
Para quem gosta de: Metá Metá, Rodrigo Campos e Passo Torto
Ouça: Ciranda do Aborto, A Velha Da Capa Preta e E o Quico?


2 thoughts on “Disco: “Encarnado”, Juçara Marçal

Comments are closed.