""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Disco: “Mr Twin Sister”, Mr Twin Sister

Mr Twin Sister
Indie Pop/Dream Pop/Electronic
http://mrtwinsister.com/

Por: Cleber Facchi

A mudança de nome do coletivo nova-iorquino Twin Sister para Mr. Twin Sister está longe de ser apenas “estética”. Basta regressar ao ambiente empoeirado de Daniel, Bad Street e demais faixas instaladas no debut In Heaven, de 2011, para perceber a completa alteração de estrutura em torno da autointitulada e mais recente obra do grupo. Orquestrada pelas voz doce de Andrea Estella, o grupo, antes instalado na década de 1980, agora brinca com todo um novo acervo musical, flutuando por entre décadas sem necessariamente assumir qualquer apego específico.

Tão voltado aos suspiros finais da Disco Music (In The House Of Yes), como de elementos típicos do Soft Rock (Sensitive), o álbum sustentado por apenas oito faixas é um emular constante de novas experiências. Um exercício lento de adaptação, como se cada nota, voz ou verso efêmero proclamado ao longo da obra fosse tratado com nítida parcimônia, convidando o ouvinte a saborear todas as sensações (agora) encaradas pela banda.

Ainda que instalado no mesmo ambiente temático de Kill For Love (2012) Chromatics, Anything In Return (2013) de Toro Y Moi e outras obras musicalmente próximas – todas consumidas pela nostalgia não vivenciada -, a reestreia do coletivo de Nova York segue de forma evidente em uma medida de tempo própria, desacelerada. Da mesma forma que cada porção do registro merece ser degustada pelo espectador, não diferente é o ritmo solucionado pelo quinteto, sereno mesmo nos instantes mais “acelerados” – vide a dançante Out Of Dark.

Dentro dessa estrutura ponderada, sóbria, é evidente como o colorido grupo montado por Gabe D’Amico hoje tenta esconder suas formas musicais. Um contínuo espalhar de experiências e peças, deixando que elas sejam montadas na cabeça do ouvinte. Canções como Sensitive e Twelve Angels, atos precisos de quase sete minutos e solucionados em um loop preciso, dançando em uma atmosfera de segredos e lentos encaixes instrumentais. A julgar pela explícita relação com a década de 1970, o novo álbum do Mr.TS talvez seja uma interpretação menos óbvia para o material lançado pelo Daft Punk em Random Access Memories (2013).

Cercado pelas sensações, durante a obra o espectador caminha em um ambiente de puro mistério, como desvendar a essência e pequenos sorrisos de um alvo do outro lado da pista de dança. Mesmo a lenta imposição do álbum não afasta o ouvinte de canções abertas comercialmente. De volta ao palco temático da década de 1980, Rude Boy talvez seja a peça que mais se aproxima do trabalho lançado pela banda em 2011, acomodando o ouvinte entre vocalizações plásticas, acertos melódicos e típicos lampejos pop do grupo.

Passo além em relação ao que o quinteto já havia experimentado com In Heaven, ao pisar no espaço do novo álbum parece explícito o quanto a banda ainda pode crescer musicalmente. Mais do que uma obra de reposicionamento, vide a transposição dos temas espalhados em todo o trabalho, faixas como In The House Of Yes e Out Of Dark reforçam a postura curiosa do quinteto, capaz de transformar arranjos tão sutis em blocos instrumentais de plena grandeza.

 

Mr. Twin Sister (2014, Infinite Best / Twin Group)

Nota: 8.0
Para quem gosta de: Toro Y Moi, Chromatics e Blouse
Ouça: In The House Of Yes, Rude Boy e Out Of Dark


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Send this to friend