""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Disco: “Out Of Love”, Mister Heavenly

Mister Heavenly
Indie/Alternative/Rock
http://misterheavenly.com/

 

Por: Fernanda Blammer

Supergrupos de rock raramente podem ser classificados através de um meio termo. A pratica de unir três ou mais membros originários de bandas distintas em um projeto único teve início na década de 1960 e se estende até os dias atuais, quase cinco décadas de encontros que já presentearam ou trouxeram desconforto aos ouvintes. Entre tantos breves casamentos musicais, algumas parcerias como a gerada entre o The Raconteurs, Them Crooked Vultures e Audioslave trouxeram óbvios benefícios, já outros como Tinted Windows e Velvet Revolver proporcionaram verdadeiros fracassos.

Fazendo parte desse primeiro grupo, o recente Mister Heavenly deve agradar em cheio aos interessados pelo indie rock da primeira metade dos anos 2000. Formada a partir do encontro entre Honus Honus da banda Man Man, Nicholas Thorburn integrante do Islands e da extinta The Unicorns, além de Joe Plummer do Modest Mouse e The Shins, o projeto conta até mesmo com a inusitada presença de Michael Cera (Juno, Scott Pilgrim vs. the World), tocando baixo nas apresentações ao vivo do grupo.

Quem esperava por encontrar apenas uma somatória do que o trio elabora em seus projetos de origem acabará surpreso com o resultado apresentado em Out Of Love (2011, Sub Pop), primeiro lançamento da banda. Além de todo o apanhado de influências vindas de seus respectivos grupos e projetos paralelos, muito do que delimita a sonoridade apresentada ao longo do debut vem diretamente das décadas de 50 e 60, com o trio investindo ativamente no uso ampliado de melodias de vocais e algumas rápidas passagens pelo R&B.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=MUMdFAjD2PE]

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=nhh47gcy3Rs]

No meio de toda a salada musical que corresponde ao disco, a figura de Ryan Hadlock (que já trabalhou com The Gossip e Ra Ra Riot), produtor do registro se apresenta de forma essencial para o bom rendimento da obra. Hadlock surge como o responsável para ligar a música pop lançada há mais de 40 anos com o rock independente do novo século, fazendo com que tais transições funcionem de maneira exata, como se a gigantesca lacuna que separa as duas diferentes gerações nunca existissem.

Diferente de outros trabalhos que seguem por uma linha bem similar, como Slow Down da dupla Hyde & Beast, em Out Of Love a sonoridade proposta flui de maneira agradável e natural. A romântica Charlyne, por exemplo, mantém em seu ritmo uma fluência muito próxima dos sons ressaltados pelo Man Man, enquanto em seus vocais o trabalho se volta para uma ambientação específica dos anos 60, lembrando um Elvis Presley mais jovial. O mesmo resultado vai se estendendo pelo restante do disco, em que faixas como Hold My Hand (uma das melhores) e Reggae Pie mantém constantemente a mistura entre os dois ritmos.

Uma grande viagem no tempo sem abandonar o presente, esta parece ser a melhor definição para  Out Of Love, afinal nos quase 40 minutos de duração do trabalho somos constantemente arremessados para dentro de um apanhado de composições nostálgicas, mas que ainda assim dialogam fortemente com o que há de mais atual no mundo da música. Um tipo de disco que deve agradar tanto aos sessentões que viveram os áureos períodos retratados pelo álbum, como quem cresceu ouvindo o rock alternativo dos anos 2000.

 

Out Of Love (2011, Sub Pop)

 

Nota: 7.3
Para quem gosta de: The Unicorns, Man Man e Modest Mouse
Ouça: Charlyne e Pineapple Girl

[soundcloud url=”http://api.soundcloud.com/playlists/526558″ height=”200″]