""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Disco: “Soundies!”, Sants

Sants
Brazilian/Hip-Hop/Electronic
http://sants.bandcamp.com/

Por: Cleber Facchi
Fotos: Michel Salviano

Sants

A viralização de Harlem Shake do produtor  Baauer talvez seja o caminho mais fácil para apresentar ao grande público a nova safra de artistas relacionados ao Hip-Hop/Eletrônica estadunidense. Se por um lado a composição e a série de vídeos parece minimizar a proposta da faixa em um plano totalmente nonsense, por outro lado a canção serve de abertura para indicar o que TNGHT, AraabMuzik, Clams Casino, S-Type e tantos outros produtores vêm desenvolvendo. Mais do que isso, a ampla absorção da faixa de batidas volumosas talvez sirva para reforçar o recente fascínio do público pelo rap nacional e outros artistas imersos no mesmo cenário. Caso do paulistano Diego Santos, o Sants, que sem fugir de uma sonoridade própria, estreita os laços entre o que é produzido aqui e lá fora.

Assim como o “Canal Laranja” de Frank Ocean funciona como uma válvula de escape para todos os sonhos e melancolias de seu realizador, Sants utiliza do recente Soundies! (2013, Independente) como um passeio nostálgico por uma infinidade de colagens sonoras e até mesmo visuais. Marcas que acumulam mais de duas décadas de manifestações culturais distintas em um só ponto. “Nickelodeon, Spacejam, Kenan & Kel, Street Fighter, Papa Léguas” são algumas das experiências que flutuam durante a transmissão do canal imaginário comandado pelo produtor, um vislumbre soturno de um jovem adulto que converte partidas de videogame, maratonas de desenhos e experiências banais em música. A mesma incorporação sonora que transformou Steven Ellison (Flying Lotus) e Willian Beavan (Burial) em alguns dos mais influentes produtores da última década, porém adequadas ao cotidiano jovial de Sants.

Por falar no trabalho de Beavan, e mais especificamente na obra-prima do UK Garage, Untrue (2007), Santos parece se divertir com várias referências trabalhadas ao longo da obra. Contudo, enquanto o produtor inglês se concentra em acumular camadas de sons de forma diminuta, com um acabamento quase sempre voltado ao ambiental, Sants estende as mãos para o que marca o Hip-Hop e a eletrônica recentes, incorporando um som que cresce de forma ilimitada. Alone, por exemplo, utiliza dos mesmos samples de One Wish. Composição originalmente assinada pelo rapper Ray J, a faixa é a raíz do verso “Cause, (We couldn’t be alone)”, parte de Archangel, uma das principais composições do Burial e um ponto de aproximação com o trabalho do paulistano.

Sants

A obra do jovem produtor, entretanto, segue além do que parece funcionar como uma soma de referências e memórias nostálgicas, envolvendo aspectos não apenas relacionados com a música. Parte natural da capacidade de Sants em desenvolver um som de realces totalmente próprios está carimbado logo na faixa de abertura do disco, Intro: Retorno. Sem a coleção de samples que se dissolvem no decorrer da obra, a faixa possibilita o crescimento de uma temática de realces autorais, marca bem desenvolvida na execução das batidas em contraste às camadas distintas de ruídos que percorrem o fundo da composição. Algo como um encontro entre a sujeira atmosférica de Clams Casino com a sonoridade exagerada que envolve os trabalhos de AraabMuzik.

Sants, como bem anuncia no título de cada composição, é um aficionado por referências e pequenas homenagens às séries animadas de diferentes épocas. Enquanto a dançante Acme Batman Outfits traduz em música o que parece ser uma perseguição explosiva entre Coiote e Papa-Léguas, Cartoon Network amarra de forma experimental anos de clássicos animados em uma tradução que se relaciona abertamente com o Hip-Hop. É como se dentro desse universo de batidas esparsas e composições não óbvias Sants arquitetasse as bases para uma infinidade de discos e canções voltadas ao rap nacional recente. Faixas que esperam ansiosamente pelo uso adequado de versos tão cativantes quanto a formatação instrumental que escorre em cada música.

Por se tratar de um trabalho construído ao longo de meses e orientado por diferentes propostas instrumentais, Soundies! trilha um percurso de natureza irregular. Cada faixa se materializa como um princípio de um novo álbum, um caminho de possibilidades tão amplas quanto a variedade de sons que se instalam na execução de cada nova faixa. Longe de se manifestar como um agregado sintético de preferências eletrônicas, o álbum cresce em sentimentos, atravessando estágios melancólicos (Alone), introspectivos (Cartoon Network) e festivos (Nick at Nite). Um mergulho experimental na diversidade da música recente e o princípio de um novo cenário para os sons nacionais.


Soundies! DOWNLOAD
Soundies! (2013, Independente)

Nota: 8.3
Para quem gosta de: Flying Lotus, AraabMuzik e TNGHT
Ouça: Alone, Acme Batman Outfits e Nick at Nite

[soundcloud url=”http://api.soundcloud.com/tracks/76433420″ params=”” width=” 100%” height=”166″ iframe=”true” /]

[soundcloud url=”http://api.soundcloud.com/tracks/76433422″ params=”” width=” 100%” height=”166″ iframe=”true” /]


14 thoughts on “Disco: “Soundies!”, Sants

Comments are closed.