""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Disco: “Submarine EP”, Alex Turner

Alex Turner
British/Indie/Alternative

 

E quem esperava por um dia ver Alex Turner em carreira solo, livre dos comparsas do Arctic Monkeys e longe do parceiro Miles Kane do The Last Shadow Puppets essa é a oportunidade. Compondo a trilha sonora do filme Submarine, as canções criadas ainda em 2010 chegam agora a todos aqueles que almejam apreciar Turner rodeado por uma instrumentação acústica e intimista.

Richard Ayoade (um dos caras da excelente série The IT Crowd) que já havia trabalhado com os macacos do ártico em alguns de seus clipes convidou o roqueiro britânico para que este fosse responsável pela sentimental trilha sonora de sua película. O resultado fica visível nas seis minúsculas composições de Submarine EP (2011). Desde que o músico aprendeu de fato a cantar no segundo disco de sua banda – Favourite Worst Nightmare (2007) – Turner tem nos presenteado com boas canções, feito que se intensifica, mesmo que de maneira curtinha nesse novo álbum.

Quem for atrás desse álbum esperando o mesmo Alex de Humbug (2009) terá uma surpresa, e pra melhor. Delicado e dono de uma sonoridade aconchegante, o músico vai nos preparando para o clima crescente do disco com pequenos afagos sonoros. O que começa suave com a minúscula Stuck on The Puzzle (praticamente uma vinheta com seus 50 segundos), logo acaba ganhando acordes mais sofisticados, sendo recheado por adornos acústicos que se enaltecem através da voz meio bêbada de Turner.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=4IVFfiv6wpY]

Hiding Tonight mostra o músico em um bom momento de inspiração. Alex surge como uma espécie de cantor de boteco, munido apenas de um violão e que estranhamente consegue nos agradar tocando alguma música de nosso gosto. Ainda mais climática, Glass In The Park conta com o acréscimo de alguns pedais o que contribui para a sonoridade mais sombria da canção. Mais uma vez os vocais de Turner chegam reverberando carinhosamente, quase como se ele cantasse (olha o clichê) exclusivamente para o ouvinte.

Quando você pensa que a fórmula eficiente do disco terá fim, eis que entra Its Hard to Get Around the Wind. Um pouco mais limpa que as faixas anteriores, a canção segue com o músico arranhando o violão e mais uma vez fomentando um som confessional e sincero. Embora pouco se reinvente ao longo do pequeno registro a aura verdadeira das composições não cansam os ouvidos, parecendo novas a cada audição.

Puxando o som para perto de uma temática próxima de seu trabalho com Miles Kane, Stuck on the Puzzle conta com bateria, teclados e um ritmo grandioso se comparado com as primeiras faixas do álbum. O feito perpetua com Piledriver Waltz, fazendo com que o músico antes solitário e contando apenas com seu parceiro violão viesse agora repleto de novas nuances. E assim encerra a pequena saga de Alex Turner em “carreira solo”. Se de onde veio essas beldades existirem muitas mais no mesmo nível, Turner encontrou um excelente passatempo para as férias do Arctic Monkeys.

 

Submarine EP (2011)

 

Nota: 7.3
Para quem gosta de: Arctic Monkeys, The Last Shadow Puppets e Miles Kane
Ouça: Stuck on the Puzzle

Jornalista, criador do Miojo Indie e integrante do podcast Vamos Falar Sobre Música. Já passou por diferentes publicações de Editora Abril, foi editor de Cultura e Entretenimento no Huffington Post Brasil, colaborou com a Folha de S. Paulo e trabalhou com Brand Experience e Creative Copywriter em marcas como Itaú e QuintoAndar. Pai do Pudim, “ataca de DJ” nas horas vagas e adora ganhar discos de vinil de presente.