""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Disco: “Sunbathing Animal”, Parquet Courts

Parquet Courts
Indie Rock/Garage Rock/Alternative
https://www.facebook.com/pages/Parquet-Courts/

Por: Cleber Facchi

É difícil encarar Light Up Gold (2012), obra que apresentou a nova-iorquina Parquet Courts, como um registro conceitualmente próximo do recém-lançado Sunbathing Animal (2014, What’s Your Rupture?). Se há dois anos Andrew Savage e os parceiros de banda pareciam inclinados a promover um álbum raivoso musicalmente, ainda que descompromissado em sua poesia, hoje pouco dessa atmosfera parece ter sobrevivido. Talvez apenas o desapego lírico e os versos bêbados/nonsenses prevaleçam ao longo da obra, que se espalha pelo tempo sem saber ao certo se está em 1977 ou idos de 1991.

Libertador e atento, o presente álbum é a passagem de Savage – além do trio Austin Brown, Sean Yeaton e Max Savage – para a consolidação de um universo próprio da banda, ainda iniciante e em busca de um público cativo. Livre do caráter tolo que vinha guiando o outro projeto do vocalista/guitarrista, o Fergus & Geronimo, Savage presenteia o ouvinte com uma obra decididamente madura, mesmo bem-humorada. Capaz de encontrar graça no lado mais sóbrio do cotidiano, o músico contorce o tédio (Into The Garden), fala de amor (Dear Ramona) ou quer apenas se divertir como qualquer jovem de 20 e poucos anos (Always Back In Town). Canções para ouvir a qualquer hora do dia, sem que necessariamente o ouvinte precise desvendar uma solução filosófica com o passar dos versos.

Guiado pela leveza, Sunbathing Animal é um passeio atento por qualquer centro urbano – principalmente Nova York – e as experiências que guiam seus indivíduos. Como os arranjos de Bodies Made Of tingem logo na abertura do álbum, nada ecoa dentro de uma atmosfera forçada e cerebral, transformando faixas “aleatórias” em um retrato honesto sobre pessoas (She’s Rolling) ou sentimentos (Instant Disassembly). Se há quatro décadas Lou Reed e os membros do The Velvet Underground cantava sobre uma cidade tomada por drogas, sexo e prostitutas, hoje Savage apresenta indivíduos vazios, nonsenses em alguns aspectos, mas não menos honestos e encantadores.

Por falar na relação com a veterana do rock nova-iorquino, muito do que guia as experiências do novo álbum descende do clássico de 1967, The Velvet Underground & Nico. Basta perceber como os arranjos sujos de She’s Rolling casam com as guitarras esquizofrências de John Cale e toda a produção da época. Entretanto, a essência do grupo não está apenas na curta discografia da banda-influência, mas em suas diversas crias. Television (Black and White), Talking Heads (What Color Is Blood) e até artistas além-mar como Wire (Always Back In Town) passeiam livremente pelo disco. A mesma fórmula encontrada pelo The Strokes no começo da década passada, porém, em uma versão rústica, honesta e coerente com as próprias bases.

Mesmo apontado para uma direção específica, Sunbathing Animal está longe de resumir as experiências do Parquet Courts como parte de um único período de tempo ou tendência. Da mesma forma que Light Up Gold dançou pelas diferentes atmosferas do Punk Rock, o novo álbum pesca a obra do Pavemant (Dear Ramona), olha para o rock clássico (Raw Milk) e ainda brinca com o “autoplágio” (Ducking and Dodging) sem tropeçar. Diferentes bandas dissolvidas em um único álbum.

Cópia deslavada? Obra “referencial”? Não importa. Assim como o registro passado e seus próprios integrantes, o presente álbum não deve ser levado a sério. Na contramão de grande parte dos supostos “salvadores do rock”, o segundo disco do Parquet Courts é apenas uma obra para ouvir enquanto você bebe uma cerveja, joga sinuca com os amigos ou caminha sem compromisso pelo centro de uma metrópole. Um conjunto de composições avulsas e acordes tortos que crescem ou diminuem durante todo o tempo. Alguns discos são feitos apenas para você possa se divertir, sem pensar ou encontrar algum tipo de resposta profunda. Sunbathing Animal é exatamente assim.

 

Sunbathing Animal (2014, What’s Your Rupture?)

Nota: 8.5
Para quem gosta de: Ought, Speedy Ortiz e Iceage
Ouça: She’s Rollin, Instant Disassembly e Black and White

Veja também:


One thought on “Disco: “Sunbathing Animal”, Parquet Courts

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Send this to friend