""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Disco: “Sympathy”, GABI

GABI
Experimental/Chamber Pop/Ambient
https://www.facebook.com/officialGABI
http://www.gabi-music.com/

A voz parece ser o principal instrumento de Gabrielle Herbst. Mesmo com formação erudita em piano e clarinete, são os atentos coros de vozes, sobreposições delicadas e pequenas manipulações orquestrais que garantem vida, movimento e beleza ao ambiente criado para o primeiro disco solo da compositora nova-iorquina, Sympathy (2015, Software).

Filha do musicólogo Edward Herbst, interessada em ópera, dança balinesa e  profunda conhecedora da música de câmara, Herbst, aqui apresentada pelo nome de GABI, parece brincar com a própria formação musical – familiar ou acadêmia. Em uma montagem precisa, essencialmente detalhista, cada composição assume um conceito específico, revelando desde elementos da música sacra (Hymn), como referências extraídas do trabalho de Kate Bush (Falling), Björk (Da Void) e demais representantes do Art Pop .

Mesmo dominado pelas vozes e sentimentos entristecidos da musicista, Sympathy está longe de parecer uma obra hermética, fruto do total isolamento de Herbst. Com produção de Daniel Lopatin (Oneohtrix Point Never) e Paul Corley (Tim Hecker, Ben Frost), o álbum lentamente se entrega ao domínio e parcial interferência do seleto time de colaboradores formado por Matthew O’Koren (percussão), Rick Quantz (viola), Josh Henderson (violino) e Aaron Roche (guitarras, trombone).

Perceba como os sintetizadores de Lopatin crescem ao fundo da obra. Um fino tecido sonoro, quase imperceptível, porém, essencial para a composição do ambiente sombrio que define Sympathy. Aaron Roche é outro que interfere ativamente na formação do disco. Para ocupar as pequenas lacunas de voz deixadas pela cantora, o guitarrista espalha imensos blocos de ruídos, pilares para o fortalecimento de faixas extensas como Home.

São essas mesmas interferências, ruidosas e sujas, que distanciam GABI de outras representantes dos mesmos conceitos musicais. Ainda que seja possível relacionar o trabalho da musicista nova-iorquina de álbuns produzidos por Julianna Barwick, Julia Holter e Holly Herndon, o caminho assumido em Sympathy é outro, nitidamente esquivo da música pop e até mesmo “difícil” de ser absorvido em canções como Mud, uma das canções mais complexas de Herbst.

De fato, é necessário tempo até digerir em essência o trabalho de GABI. Não existem brechas ou mesmo um caminho seguro para o ouvinte desatento, em busca de uma obra imediata, urgente. Dentro de cada composição, um universo de referências, experimentos e colagens instrumentais que mesmo próximas do ouvinte, parecem desmontadas e reconstruídas a todo o instante.

Sympathy (2015, Software)

Nota: 8.0
Para quem gosta de: Julia Holter, Holly Herndon e Björk
Ouça: Mud, Falling e Hymn