Disco: “Vigília”, Terno Rei

Categories Melhores Discos, Resenhas

Terno Rei
Dream Pop/Lo-Fi/Experimental
https://soundcloud.com/ternorei/

Por: Cleber Facchi
Fotos: Fabio Ayrosa

Vigília
s.f. Privação (voluntária ou involuntária) do sono durante a noite: longas noites de vigília prejudicam a saúde. / Estado de quem se conserva desperto durante a noite. / Véspera de dia festivo.

É preciso tempo até ser inteiramente seduzido pelo ambiente instável que a paulistana Terno Rei sustenta em Vigília (2014, Balaclava). E não é por menos. Do momento em que lisérgica Manga Rosa abre o registro, até a chegada de Saudade, composição escolhida para o encerramento da obra, cada faixa, voz, ritmo e sentimento expresso pelo quinteto – Bruno Rodrigues (Guitarra), Gregui Vinha (Guitarra), Luis Cardoso (Bateria), Victor Souza (Percussão) e Ale (Voz e Baixo) -, ecoa estranheza.

Como um labirinto instável que movimenta lentamente suas paredes, o trabalho de 10 faixas arrasta com o ouvinte para um universo de brandas, porém, constantes inquietações. Os vocais chegam como suspiros, as guitarras borbulham pequenos ruídos, deixando aos versos um flutuar proposital entre o nonsense e o sorumbático. Não seria errado deduzir que tudo o que os integrantes da banda procuram é o isolamento em relação ao público médio, efeito das maquinações preguiçosas (ainda que complexas) que sussurram a ordem do disco.

Todavia, longe de afastar o publico, Vigília aos poucos seduz e se apodera com cuidado a mente do espectador. Salvo o dinamismo (controlado) de faixas como Passagem, cada música do álbum cresce sob precisa timidez, como se estivesse prestes a se desfazer nos fones de ouvido. Mesmo que o caráter “Lo-Fi” da obra pareça bloquear tal aspecto, todas as composições do disco sobrevivem em essência do detalhe, acomodando acordes atmosféricos – típicos do Pós-Rock – com uma precisão rara dentro de outras obras recentes da cena nacional.

Regressar uma dezena de vezes ao território delicado do álbum é uma imposição que parte da banda, mas que merece ser seguida por qualquer espectador. Embaixo dos escombros sujos que as guitarras de Bruno Rodrigues e Gregui Vinha deixam pelo disco, há sempre um componente novo a ser filtrado. É o trompete que cria contraste em Salto da pedra da Gavea, a base doce que passeia ao fundo de Ela – no melhor estilo The Pastels – e até as vozes duplicadas de O Fogo Queimaria. Vigília. Livre de qualquer urgência natural, é uma obra que se entrega ao público, pronta para ser desvendada.

Não por acaso os versos que preenchem o álbum partilham do mesmo teor subjetivo das melodias. Tudo é solucionado com coerência, como se arranjos e versos, mesmo estranhos em uma primeira audição, bailassem em um território de forte intimidade programada, sendo rapidamente assimiláveis. Ao abraçar uma série de conceitos lançados por gigantes do Dream Pop / Slowcore há duas décadas, os paulistanos não apenas entrega uma obra de regresso, como encontra um território onírico a ser reinterpretado. O experimento, entretanto, permanece assertivamente sob controle, garantindo flertes com o “pop” na angelical Luz de bem e em outros momentos do trabalho – principalmente quando os pés passam tempo demais longe do chão.

Capaz de convergir excesso e sutileza em um mesmo plano instrumental, Vigília ondula em um campo próprio. Mesmo que a relação com Cambriana, Câmera e outros nomes “etéreos” da cena nacional seja inevitável, o ambiente criado na estreia da Terno Rei se revela de forma particular, desvendado de maneira ainda incompleta mesmo por seus criadores – como um sonho. Nada mais exato em se tratando de uma obra que carrega na privação do sono e na divisão entre o real e o onírico a principal fonte de cada composição.

 

Vigília (2014, Balaclava)

Nota: 8.3
Para quem gosta de: Cambriana, Luziluzia e Câmera
Ouças: Ela e O Fogo Queimaria

Veja também:

Criador do Miojo Indie, trabalhou como coordenador de Mídias Sociais na Editora Abril, editor de entretenimento e cultura no Huffington Post e hoje é editor de conteúdo no Itaú. Apaixonado por GIFs de gatinhos, “ataca de DJ” nas horas vagas e adora ganhar discos de vinil como presente.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *