""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Disco: “Wig Out at Jagbags”, Stephen Malkmus and The Jicks

Stephen Malkmus and The Jicks
Indie Rock/Alternative/Rock
http://stephenmalkmus.com/

Por: Cleber Facchi

Stephen Malkmus

Aos 47 anos, Stephen Malkmus mais parece um adolescente de 16. Desde o “fim” das atividades do Pavement (ainda na década de 1990), cada trabalho assinado pelo músico californiano em fase solo parece ecoar bom humor e jovialidade sem exageros. A ironia, elemento fundamental para as composições de sua antiga banda, ao lado dos parceiros do The Jicks parece ter encontrado um traço nítido de fineza, quase particular. Um exercício sustentado com acerto há mais de uma década, mas que encontra na lírica escancaradamente cômica de Wig Out at Jagbags (2013, Matador) um evidente estágio de reformulação.

Nada tímido em relação aos iniciais Pig Lib (2003) e Face the Truth (2005), o novo álbum parece seguir de perto a verve cômica instalada no anterior Mirror Traffic, de 2011. Todavia, enquanto o registro passado (produzido por Beck) trazia nas canções e arranjos um explícito grau de aproximação conceitual, com a presente obra, a liberdade (lírica e sonora) funciona como um atrativo para o compositor e o ouvinte. De evidente descompromisso, o trabalho explora no humor declarado e melodias dinâmicas o que parece ser o caminho mais rápido para aproximar Malkmus de toda uma parcela do grande público.

Ícone da cena alternativa, o músico, pela primeira vez  desde o clássico Crooked Rain, Crooked Rain (1994), parece se esforçar para construir uma obra acessível aos mais distintos ouvidos. Das guitarras crescentes que ocupam a inaugural Planetary Motion, passando pelas vozes harmônicas de Lariat até o exagero cômico de Cinnamon and Lesbians, cada aspecto da presente obra funciona sem grande esforço, como um típico disco para “as massas”. São canções que até lembram clássicos radiofônicos das décadas de 1960 e 1970, mas estão longe de assumir essa postura esnobe. Malkmus parece interessado em produzir um álbum de explícito brilho pop – à sua maneira, claro.

Na contramão da centena de novatos que insistem em passear pelos sons dos anos 1990 – Speedy Ortiz, Yuck e Waxahatchee entre eles -, o músico e os parceiros de banda parecem seguir uma proposta cada vez mais distante desse resultado. Dos poucos momentos em que raspa na nostálgica estética, caso de Rumble at the Rainbo, o Malkmus não apenas brinca com os arranjos da época, como tira sarro de si próprio nos versos que definem a canção. “Come and join us in this punk rock tune/ Come and slam dance with some ancient dudes“, entrega naquela que parece a mais divertida interpretação da recente volta de grupos como Pixies, Blur e do próprio Pavement aos palcos e estúdios.

Longe de soar como uma piada com prazo de validade, cada faixa do álbum assume na composição enérgica um natural estágio de durabilidade. Enquanto The Janitor Revealed soa como uma típica canção do cantor ainda na época do Pavement – com todos seus atos quebrados e vozes instáveis -, Lariat segue por uma trilha rara dentro da discografia do músico. Essencialmente acolhedora, a canção mais parece uma versão resumida dos arranjos concebidos com seriedade em Real Emotional Trash (2008). Sobram ainda músicas grandiosas (Houston Hades), “vinhetas” (Scattegories) e até instantes de pequena experimentação (Surreal Teenagers), prova da versatilidade atrativa do projeto.

Lançado sem grandes pretensões, o disco consegue ao mesmo tempo seguir a cartilha dos primeiros álbuns de Stephen Malkmus, como assume um caminho isolado em relação aos projetos que o antecedem. É uma típica obra que se sustenta sem barreiras ou possíveis distanciamentos em relação ao ouvinte, trazendo na lírica bem humorada e guitarras de fácil absorção uma maturidade rara. Observado de forma atenta, Wig Out at Jagbags é um disco que soa igual ao que o músico promove há mais de duas décadas, mas ainda assim, uma obra pontuada por pequenos e curiosos pontos de ineditismo.

 

Stephen

Wig Out at Jagbags (2013, Matador)

Nota: 7.3
Para quem gosta de: Pavement, Beck e Guided By Voices
Ouça: Lariat, J Smoov e Rumble at the Rainbo