""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Disco: “Worker EP”, Cambriana

Cambriana
Brazilian/Indie/Alternative
http://cambrianamusic.com/

Por: Cleber Facchi

Cambriana

Worker é um disco completo. Contrariando o que tradicionalmente aponta os rumos de qualquer EP, o mais novo lançamento do grupo goiano Cambriana bate de frente em relação a qualquer outro registro menor, exercitando em seis rápidas faixas um exercício de primor e qualidade que praticamente se transformou em um padrão para a banda. Perto e ao mesmo tempo distante de todas as marcas instrumentais que caracterizaram o primeiro e ainda recente álbum do coletivo, House Of Tolerance (2012), o novo disco dá sequência ao universo confessional e melancólico de outrora, aproximando a banda de uma série de novas experiências musicais que tendem inevitavelmente à transformação.

Se até meados do último ano a relação instrumental com a proposta de grupos como Grizzly Bear, Local Natives e Death Cab For Cutie era o que movimentava os inventos do coletivo goiano, com a chegada de Worker os limites são ampliados. Exemplo categórico disso está na construção musical que passeia livremente por aspectos delicados da eletrônica em boa parte do pequeno registro, focando na realização de Choose You o ponto máximo dessa transformação. Cercada por uma sonoridade que, embora orgânica, tende ao sintético, a faixa expande o que se inicia na curtinha Albuquerque, agregando passagens que se fundem de maneira comercial ao jazz.

Mesmo no infinito de transformações que se espalham nos poucos minutos do EP, muito do que trouxe destaque à banda em 2012 ainda sobrevive. Até a execução da terceira faixa o álbum soa como uma exata manifestação musical de tudo que caracterizou o último disco, proposta que naturalmente transforma What Light? em uma potencial concorrente para competir de igual para igual com músicas aos moldes de Safe Rock, The Sad Fact e Vegas. Dividida do princípio ao fim entre a leveza (musical) e a amargura (lírica), a canção soluciona toda a grandiosidade épica de outrora em um composto leve e possivelmente radiofônico, impulsionando a banda para um cenário acessível a todos os públicos.


A busca por uma sonoridade menos experimental, como algumas das faixas concentradas na porção final de House Of Tolerance davam a entender qual seria o futuro do grupo, de forma alguma prejudicam a atuação recente da banda. Pelo contrário, é como se a Cambriana fosse capaz de se desligar de uma série de fatores negativos em prol de um som muito mais aprazível e bem direcionado. Composto por melodias estruturadas de maneira acessível, no decorrer do EP brotam composições como Heart Keeps Thinking, faixa que lida com os vocais de maneira tão envolvente, que em poucos instantes evidencia uma massa sonora tão rica e cantarolável quanto qualquer outro registro de confessa identidade pop.

Diferente do ambiente único que se estende em House Of Tolerance, com o novo EP a banda finaliza um trabalho que mesmo dotado de uma tonalidade musical de constante proximidade entre as composições, possibilita o surgimento de agrupamentos independentes. Enquanto What Light? é um fino exemplo do rock indie que floresceu no final da década de 1990, logo em seguida 47 Daughters brinca com as maquinações sombrias típicas dos anos 2000, esbarrando de forma controlada no trabalho do The National da fase Boxes (2007). Sobra ainda para que uma variedade de outras experiências ampliem o leque de referências do grupo, expandindo o já amplo catálogo musical do coletivo.

Com um apego maior aos sons despojados e que grudam sem esforço no cérebro dos ouvintes, a banda trata de aglutinar uma série de tendências de maneira a transformar o que seria um simples ponto de transição entre um disco e outro em uma obra de alcance ilimitado. Como dito, Worker é uma obra completa, tão grandiosa e detalhista quanto o álbum que o precede e, provavelmente, quanto seu sucessor. Talvez por não partilhar do mesmo peso e dos conceitos de outrora, o EP invariavelmente apresente ao grupo um novo percurso, menos sério, mais leve, porém tão convincente quanto qualquer resultado “adulto” que a banda já tenha conquistado.

 

Cambriana

Worker EP (2013, Independente)

Nota: 7.9
Para quem gosta de: Driving Music, Grizzly Bear e Death Cab For Cutie
Ouça: Heart Keeps Thinking e Choose You

Veja também:


0 thoughts on “Disco: “Worker EP”, Cambriana

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Send this to friend