Do ‘Indie’ ao Hip-Hop: artistas se juntam para homenagear Milton Nascimento

A música de Milton Nascimento é pop, rock, eletrônica, “indie” e até Hip-Hop. Para celebrar os 50 anos de carreira do cantor e compositor “mineiro”, uma seleção composta por 32 artistas vindos de 11 estados brasileiros apresenta o projeto Mil Tom. Uma coletânea – ouça abaixo – que reúne versões reformuladas para clássicos como Maria Maria, Para Lennon e McCartney e Travessia.

Longe da sonoridade bucólica de Bituca – como também é conhecido o cantor -, arranjos íntimos do novo rock, batidas eletrônicas, além, claro, de pequenas adaptações que vão do pop ao experimentalismo. Entre os destaques da obra, a (nova) interpretação de músicas como Tudo Que Você Podia Ser e O Rouxinol, faixas temporariamente entregues aos scratches e rimas velozes do rapper paulistano Rashid e da curitibana Karol Conká.

Idealizado pelo produtor mineiro Pedro Ferreira – também responsável pela homenagem ao grupo Los Hermanos em 2012, na Coletânea Re-Trato -, o disco conta com ilustrações assinadas pela artista plástica Luyse Costa encarregada pela série imagens que acompanham a obra/homenagem.

Segundo Ferreira, a coletânea chega “em boa hora”. “Essa década é muito especial para o Bituca. Ele completou 50 anos de carreira e são mais de 40 anos do lançamento do disco histórico Clube da Esquina. Pensando em tudo isso, além do papel fundamental que ele representa no atual cenário da música, pensamos em homenagear um dos principais artistas brasileiro de todos os tempos”, disse o produtor.

Dividido em duas partes – a segunda metade do disco será entregue no dia 17 de junho -, o trabalho é um projeto independente e lançado sem fins lucrativos. “Cada artista arca com a própria gravação. A masterização fizemos em um estúdio parceiro. É um projeto coletivo, de todos”, afirma Ferreira.

Convidado a integrar o projeto, o cantor e compositor carioca Fernando Temporão confessa: “Sou apaixonado pela obra e singularidade do gênio que ele [Milton Nascimento] é”. Em parceria com o produtor Diogo Strausz, Temporão garantiu novo enquadramento ao clássico Para Lennon e McCartney, brincando com a composição sem necessariamente perder a essência do músico mineiro. “Ouvia muito os LP’s do Milton em casa, por conta do meu pai, que é fã, e sempre tive essa proximidade, essa familiaridade”, disse Fernando.

Abaixo você encontra a primeira metade do trabalho para apreciar na íntegra. Faça o download gratuito da coletânea aqui.

Mil Tom – Disco 1

01 – Vanguart – Clube da Esquina n° 2
02 – Aline Calixto – Vera Cruz
03 – Banda Tereza – Maria Maria
04 – Aláfia – Saudade Dos Aviões da Panair (Conversando No Bar)
05 – Fernando Temporão – Para Lennon e McCartney
06 – Karol Conka – O Rouxinol (part. Boss In Drama)
07 – Pedro Morais – Travessia
08 – Filarmônica de Pasárgada – Canoa, Canoa
09 – Tono – Lágrima do Sul
10 – Pélico & Bárbara Eugênia – Paula e Bebeto
11 – Rashid – Tudo Que Você Podia Ser
12 – Bruno Souto – San Vicente (part. banda Chá de Pólvora)
13 – Phill Veras – Paixão e Fé
14 – Letuce – Sereia
15 – Simonami – Caçador de Mim

Mil Tom – Disco 2 (Lançamento dia 17 de junho)

01 – Thaís Gulin – Amor de Índio
02 – Dani Black – Paisagem na Janela
03 – Baleia – E Daí?
04 – Orquestra Contemporânea de Olinda – Caxangá
05 – Gisele de Santi – Nos Bailes da Vida
06 – Selvagens à Procura de Lei – Nuvem Cigana
07 – A Banda Mais Bonita da Cidade – Ponta de Areia
08 – Blubell – Beijo Partido
09 – Felipe Cordeiro – Cravo e Canela
10 – Verônica Ferriani – Canção do Sal
11 – The Outs – O Trem Azul
12 – Ana Larousse – Cais
13 – Tibério Azul – Canção Amiga
14 – Dom Pepo – Credo
15 – Los Porongas – Nada Será Como Antes

Texto originalmente publicado no Brasil Post.


One thought on “Do ‘Indie’ ao Hip-Hop: artistas se juntam para homenagear Milton Nascimento

Comments are closed.