Experimente: Omulu

OMULU

.

O clima acalentado dos trópicos se encontra com as batidas densas do Bass no trabalho de Antonio Antmaper. Mais conhecido pelo título de Omulu, e dono de um catálogo de composições que fariam o veterano Diplo sentir inveja, o carioca parece ser a resposta para quem se sente distante das transformações que ocupam a eletrônica tropical brasileira. Atento aos sons nortistas e todas a explosão de referências que se derramam pelo trabalho de artistas como Gang do Eletro e Jaloo, Omulu parece interessado em ir além desse limite prévio, brincando com experimentos sonoros e reformulações sintéticas capazes de se distanciar do óbvio. Tudo isso, sem perder o bom humor.

[soundcloud url=”http://api.soundcloud.com/tracks/83533094″ params=”” width=” 100%” height=”166″ iframe=”true” /]

[soundcloud url=”http://api.soundcloud.com/tracks/71523796″ params=”” width=” 100%” height=”166″ iframe=”true” /]

Responsável por uma sequência de remixes bem solucionados, todos dentro da linguagem que parece ter arquitetado – incluindo Crystalline, de Björk -, Antmaper chama a atenção de fato pelas mixtapes que assume com identidade. Mais recente e naturalmente satisfatório exemplar do produtor é Brega Bass Volume 2. Condensado colorido que inclui Die Antwoord, Diplo, além de faixas autorais, o trabalho serve como um preparativo para quem ainda torce o nariz para o ritmo quente do brega ou outras emanações periféricas da música nacional. Mais do que isso: trata-se de um verdadeiro arsenal de sons feitos pura e simplesmente para dançar.

.

[soundcloud url=”http://api.soundcloud.com/tracks/101730275″ params=”” width=” 100%” height=”166″ iframe=”true” /]

Omulu – Brega Bass Volume 2 Mixtape