Grouper: “Holding”

.

Liz Harris parece, finalmente, ter aceitado a delicadeza da própria obra. Desde a mudança de rumo assumida em Foreign Body (2012), pelo projeto paralelo Mirroring, que a ambientação sombria incorporada pela musicista desembocou em um oceano de experiências sutis, versos confessionais e vozes essencialmente doces. Base para o material apresentado Call Across Rooms, há poucas semanas, as mesmas imposições servem de estímulo para a recém-lançada Holding, uma das últimas peças antes da chegada de Ruins (2014).

Explorando quase oito minutos de arranjos econômicos, voz atmosférica e lamentos costurados por bases de pianos, Harris reforça o mesmo exercício apresentado no último álbum de estúdio, The Man Who Died In His Boat (2013), convidando o ouvinte a dançar em um ambiente de formas lentas e acolhedoras. Com oito canções inéditas e lançamento pelo selo Kranky – de Tim Hecker e Lotus Plaza -, Ruins estreia oficialmente no dia 31 de outubro, halloween.

 final.

Grouper – Holding

Jornalista, criador do Miojo Indie e integrante do podcast Vamos Falar Sobre Música. Já passou por diferentes publicações de Editora Abril, foi editor de Cultura e Entretenimento no Huffington Post Brasil, colaborou com a Folha de S. Paulo e trabalhou com Brand Experience e Creative Copywriter em marcas como Itaú e QuintoAndar. Pai do Pudim, “ataca de DJ” nas horas vagas e adora ganhar discos de vinil de presente.