Jazmine Sullivan: “Lost One”


Guitarras submersas, vozes tratadas como instrumentos e a precisão no encaixe de cada elemento. Em Lost One, Jazmine Sullivan faz de cada fragmento um objeto de destaque, como se pensado para impressionar o ouvinte. São inserções meticulosas, estrutura que naturalmente faz lembrar de Frank Ocean, em Blonde (2016), mas que a todo momento se conecta a veteranos da música negra dos Estados Unidos, como D’Angelo, Erykah Badu e demais nomes do neo-soul. Um precioso exercício criativo que reflete o completo amadurecimento da artista original da Filadélfia.

Em atuação desde o início dos anos 2000, Sullivan acumula um limitado, porém, expressivo catálogo de obras. São trabalhos como Fearless (2008) e Love Me Back (2010) em que vai do pop ao R&B em uma linguagem sempre particular. Nada que se compare ao material entregue no maduro Reality Show (2015). Terceiro álbum de estúdio da artista norte-americana, o registro que conta com co-produção de Salaam Remi (Amy Winehouse, Fugees) e Key Wane (Beyoncé, Ariana Grande), marca o início de uma nova fase na carreira da artista, mudança reforçada com a entrega de Lost One.



Jazmine Sullivan – Lost One

Jornalista, criador do Miojo Indie e integrante do podcast Vamos Falar Sobre Música. Já passou por diferentes publicações de Editora Abril, foi editor de Cultura e Entretenimento no Huffington Post Brasil, colaborou com a Folha de S. Paulo e trabalhou com Brand Experience e Creative Copywriter em marcas como Itaú e QuintoAndar. Pai do Pudim, “ataca de DJ” nas horas vagas e adora ganhar discos de vinil de presente.