Kiko Dinucci: “Habitual”


Munido apenas de um violão, Kiko Dinucci deu vida a um dos trabalhos mais interessantes da música brasileira nos últimos meses, o excelente Rastilho (2020). Produzido e gravado de forma totalmente independente, o sucessor de Cortes Curtos – 8º colocado em nossa lista com Os 50 Melhores Discos Brasileiros de 2017 –, busca inspiração na obra de veteranos como Geraldo Vandré, Rosinha de Valença e Baden Powell, porém, preservando a essência delirante do músico paulistano, riqueza que se reflete na entrega de faixas como Olodé e Veneno, essa última, parceria com Rodrigo Ogi.

O mesmo tratamento evidente no processo de composição da obra acaba se refletindo na inédita Habitual. Produzida durante as mesmas sessões que deram vida ao disco, porém, deixada de fora do trabalho, a canção segue em uma linguagem torta e urbana, conceito que tem sido aprimorado pelo músico paulistano desde os primeiros registros autorais. Pouco mais de dois minutos em que o violão de Dinucci passeia em meio a versos descritivos, estrutura que se completa pela breve participação da cantora Ava Rocha, também parceira do artista em Dadá, outra louca criação de Rastilho.



Kiko Dinucci – Habitual