Miojo Indie Apresenta: Apostas 2013

Categories Especial

Miojo Indie Apostas 2013

.

Com o ano beirando o fim, é chegada a hora de anunciar nossas apostas para 2013. A exemplo do texto apresentado ao final do ano passado, selecionamos 20 artistas que você deve prestar atenção no decorrer do próximo ano. Entre nomes já conhecidos internacionalmente e artistas brasileiros, é visível uma maior valorização do R&B, transformações no Hip-Hop e uma necessidade clara de experimentar musicalmente – tanto no pop quanto em outros estilos já favoráveis a isso. Ouça, experimente cada um dos artistas abaixo e fiquem atentos ao que eles vão apresentar pelos próximos meses.

.

Absolutely Free

Absolutely Free

Depois do que o Tame Impala alcançou com o lançamento do colorido e chapado Lonerism, esperem por uma avalanche de novas bandas revivendo (mais uma vez) a psicodelia instrumental. Melhor representante de tudo que está por vir, o grupo Absolutely Free faz do misto de referências da década de 1970 (Led Zeppelin) e 1990 (The Flaming Lips) a base primordial para um som aventureiro, crescente e instrumentalmente bem arranjado. Só não se esqueçam de fazer uso das substâncias corretas para acompanhar a proposta do grupo.

.

.

.

.

AlunaGeorge

AlunaGeorge

Se você já gostou do que Jessie Ware e outros nomes de destaque do R&B britânico apresentaram durante o ano, espere por uma continuação aprimorada do mesmo gênero pela dupla AlunaGeorge. Com o primeiro álbum a caminho, Aluna Francis (vocais) e George Reid (produção) pretendem expandir os conceitos previamente estabelecidos no EP lançado há alguns meses, além de ampliar o reforço pop-eletrônico testado no hit Your Drums, Your Love. A divisão entre a sonoridade “fácil” e as letras dolorosas deve caracterizar a atuação e as futuras composições lançadas pelo casal.

.

.

.

.

Amiri

Amiri

Gosta de Emicida, Rashid ou Projota? Então esqueça, o paulistano Amiri tem um caminho só dele, sem comparações. Com um flow que remete imediatamente ao rap norte-americano da década de 2000 – um ponto entre Jay Z e Eminem – o rapper fez do EP Eta Porra! um verdadeiro aquecimento para o universo que deve ser ampliado no próximo ano. Contando com uma produção primorosa e que nada remete às limitações da cena tupiniquim, o jovem rapper distribui versos e rimas como cusparadas, tudo isso enquanto batidas que flertam com o pop convencem sem sombra de dúvidas.

.

.

.

.

Ana Larousse

Ana Larousse

Se eu fosse você prestaria atenção no trabalho da curitibana Ana Larousse e tudo que ela vai lançar no próximo ano – ou mesmo naquilo que ela lançou nos últimos meses. Misto de Mallu Magalhães, Joanna Newsom e Cícero com um temperinho de Lo-Fi, a cantora e compositora já conta com um verdadeiro arsenal em seu perfil no Soundcloud, um aperitivo para o que vamos encontrar em Tudo Começou Aqui. Registro de estreia da artista, o álbum traz a produção de Rodrigo Lemos (Lemoskine) e uma provável soma de tudo que Larousse conquistou recentemente. Para quem não aguenta mais as repetições do folk nacional, Ana é uma ótima alternativa.

.

.

.

.

Angel Haze

Angel Haze

Pelos próximos meses uma avalanche de novas artistas devem assumir posições de destaque na cena norte-americana. De Azealia Banks a nomes em pleno processo de fabricação, ninguém será capaz de construir um trabalho tão grandioso quanto Angel Haze. Depois de algumas colaborações, mixtapes e dois excelentes EPs – New York e Classick -, a rapper nova-iorquina deve mais uma vez desferir uma sequência de versos rápidos e referências que passeiam pelo subúrbio onde foi criada. Com um contrato já assinado com a Universal, a artista tem tudo para transformar o primeiro álbum oficial em um dos melhores lançamentos do próximo ano.

.

.

.

.

Baauer

Baauer

Ainda que tenha construído algumas boas composições durante o ano (como as intensas Samurai e Sneaky), bastou ao nova-iorquino Baauer o hit Harlem Shake para definir os rumos do hip-hop, eletrônica e dubstep no próximo ano. Explosiva, a canção une tudo o que há de mais revolucionário e dançante na música recente, acertando na prontidão das batidas um princípio para o que o produtor deve aprimorar nos próximos meses. Esperem por mais vozes recortadas, samples bem encaixados e batidas que se contorcem em nossos ouvidos. Esperem por rappers rimando em cima dessa levada.

.

.

.

.

Benzel

Benzel

Duas músicas. A dupla japonesa Umi Takahashi (15) e Yoko Watanabe (16) não precisou mais do que isso para virar nossos olhos e ouvidos para o oriente. Depois da colaboração com Jessie Ware na melancólica versão de If You Love Me, além da rapidinha, Fallin’ Love, o duo de Tókio deve ocupar boa parte do próximo ano nos surpreendendo com inéditas composições. Soando como uma versão romântica e mais lenta da também dupla TNGHT, a dupla serve como mais um exemplo para acreditar que 2013 ainda será o ano do R&B.

.

.

.

.

Club America

Club America

O Dance Punk pode não mais ter a mesma relevância que teve há uma década, quando foi redescoberto, mas isso não quer dizer que ele esteja fora de moda ou que alguns artistas não sejam capazes de entregar boas composições. Basta prestar atenção ao trabalho da dupla sorocabana Club America para perceber isso. Contando com os comandos de Andy e Bruno Alves, o duo parece assumir o que a extinta The Name deixou para traz, lançando uma sequência de músicas que resgatam a boa fase do The Killers, bem como de toda a safra britânica. Música para ouvir e dançar.

.

.

.

.

CHVRCHES

Depois do sucesso de Grimes, esperem por uma avalanche de grupos capazes de brincar com os sintetizadores de maneira tão experimental quanto a cantora. Além da variedade de artistas vindos da crescente cena canadense, esperem por uma pluralidade de outros nomes vindos da Inglaterra ou de outros países de Europa, frente inicialmente assumida com total acerto pelo CHVRCHES. Vocais maquiados pela eletrônica, batidas crescentes que convidam para as pistas e uma variedade de referências fazem do trabalho do grupo britânico uma certeza de que o próximo ano será comandado por um ritmo ainda mais atrativo.

.

.

.

.

Fear Of Men

Fear Of Men

Com uma sonoridade que parece se desfazer em pequenas nuvens de distorção, a banda inglesa Fear Of Men parece estabelecer uma nova relação com o Shoegaze e o Garage Rock. Com letras que sempre clamam pela melancolia, o quarteto inglês deu forma a algumas das melhores músicas de 2012, entre elas Mosaic, Your Side e Green Sea, faixas que para além das palavras recheadas pelo caráter pessoal, se desmancham em uma sonoridade planejada de maneira cuidadosa e acessível aos mais diversos públicos. O Galaxie 500 para os adolescentes.

.

.

.

Filipe C

Filipe c

Outrora dono de uma sonoridade que clamava pela dança, Filipe C encontrou na dor e na melancolia instrumental um instrumento inédito e de real transformação – tanto para ele como para o público. Entre o folk e o rock alternativo da década de 1990, o músico deu voz a uma seleção de versos amargurados, músicas que brincam com a solidão, a saudade e tudo o que há de mais sombrio no coração humano. Em Silence EP, primeiro invento solo do artista, o detalhamento das canções, bem como o fluxo doloroso das palavras prendem o ouvinte em uma sensação que mesmo desgastante acolhe o espectador. The Solitude of a Joyful Heart é a melhor faixa que Ben Gibbard não lançou.

.

.

.

.

Grandphone Vancouver

Grandphone Vancouver

A banda paraibana Grandphone Vancouver parecia ser mais um caso de uma banda passageira trabalhada em cima de um único hit. Ledo engano. Com algumas boas composições nas mãos, Fernando Ventura, o grande nome nos comandos do projeto provou ir além do divertido clipe de Miss Me. Passeando pela sonoridade sombria do Radiohead e a sutileza instrumental que esbarra no pós-rock, a banda deve elevar todos os acertos conquistados nos últimos meses de forma a transformar o primeiro disco do GV em um dos grandes álbuns do próximo ano.

.

.

.

Kate Boy

Kate Boy

Assumindo de maneira confessa a herança deixada pela dupla The Knife, além de brincar com os ritmos incorporados por veteranos como Robyn e novatos aos moldes de Charli XCX, Kate Boy sabe muito bem como nos fazer dançar. Tendo em Northern Lights seu melhor exemplar, a artista sueca vai de encontro às pistas, promovendo uma sequência bem planejada de sintetizadores que praticamente surgem como uma versão alternativa para o clássico Silent Shout. Ainda que a relação com as pistas sejam intensa, a artista parece ir além desse limite, resultado que deve se solidificar no próximo ano.

.

.

.

.

Leo Justi

Leo Justi

Ainda que o Technobrega e toda a vertente de ritmos paraenses tenham chamado a atenção em 2012, nenhum estilo passou por tantas transformações quanto o Funk Carioca. Da consolidação do Funk Ostentação (em São Paulo) às passagens de João Brasil pela Europa, o que não faltam são variações do gênero espalhadas pelos mais diversos cantos. Com uma proposta inovadora, Leo Justi perverte funk e eletrônica em uma composição que agrada mesmo àqueles que outrora desprezaram o estilo. Gaitero e O Homem Mau são duas das melhores faixas nacionais lançadas em 2012, resultado que merece ser repetido no próximo ano.

.

.

.

.

Mahmundi

Mahmundi

A década de 1980 revisitada, o calor do amor, os sintetizadores e o bom humor de Marcela Vale devem transformar o Mahmundi em um dos projetos de grande destaque da cena nacional. Versão feminina e menos hermética de SILVA, a carioca anuncia o primeiro registro oficial para 2013. Do pouco que nos foi apresentado, o trabalho deve manter a mesma verve dançante e descompromissada do EP de estreia, Efeito das Cores, além de algumas rápidas passadas por novos gêneros (como o R&B) e outros reflexos da música brasileira.

.

.

.

.

Mister Lies

Mister Lies

A música negra surge sob outra proposta nas mãos do produtor norte-americano Nick Zanca. Responsável pelo Mister Lies, o artista passeia tanto por composições essencialmente sutis e etéreas (Waveny), como criações que se apegam a um resultado nada minimalista (Align). Depois de passar o ano de 2012 se dividindo na construção de um bem elaborado jogo de composições, Zanca anuncia para o final de fevereiro o primeiro trabalho oficial de sua carreira, Mowgli, disco que contará com algumas composições já conhecidas do artista, bem como um imenso conjunto de faixas inéditas.

.

.

.

.

Onagra Claudique

Onagra Claudique

A música nacional trouxe registros belos e de pura sutileza em 2012, mas nada pareceu tão doce e honesto quanto o primeiro EP da dupla Onagra Claudique. Bon Iver, Belle and Sebastian, Elliot Smith, todos os gigantes da música estrangeira diluídos em uma fórmula própria e coberta por versos em límpido português. Vindos de um passado alimentado pela música punk, o duo Diego Scalada e Roger Valença deixa de lado a agressividade de outrora para fornecer um som acolhedor, tão simples e confessional que dificilmente deve passar despercebido.

.

.

.

.

Rhye

Rhye

Não gostou do resultado proposto pelo The XX em Coexist? Sem problemas: fique atento aos lançamentos do grupo californiano Rhye. Trabalhando em cima do mesmo minimalismo romântico-melancólico testado pelo trio inglês há três anos, a banda que já nos presenteou com a sutileza do single The Fall deve nos surpreender ainda mais quando o primeiro registro em estúdio (que já circula por aí) for lançado oficialmente. Esperem por mais uma sucessão de versos suavizados e instrumentação tão delicada quanto o que foi entregue até agora.

.

.

.

.

S O H N

s o h n

Grizzly Bear, How To Dress Well, Bon Iver, James Blake e um universo de referências delicadas decidem os rumos do que o produtor austríaco S O H N desenvolve. Sem exageros e trabalhando a voz como um instrumento, cada faixa lançada pelo artista parece lidar com o que existe de mais profundo no mundo da música, resultado que transforma músicas como The Wheel, Red Lines e Oscillate em verdadeiros presentes aos ouvintes. Com um EP em mãos, o produtor deve repetir os mesmos acertos conquistados durante o ano em 2013.

.

.

.

.

S-Type

S-Type

Há pouco mais de um ano o hip-hop instrumental parecia se encaminhar para um lado sombrio e essencialmente experimental, como se os ensinamentos de Clams Casino servissem de base para direcionar o gênero. Um verdadeiro erro.  Entre nomes como Baauer, Rustie e TNGHT, fica mais do que claro que os rumos do estilo serão completamente outros, algo que o britânico S-Type reforça em cada nova composição. Mesmo com poucas criações, o artista faz de cada nova faixa uma explosão de sons que vão da cena Beat ao Grime, preenchendo cada espaço dos ouvidos do espectador em resultado que deve ser repetido nos próximos meses.

.

.

.

Veja também:

Criador do Miojo Indie, trabalhou como coordenador de Mídias Sociais na Editora Abril, editor de entretenimento e cultura no Huffington Post e hoje é editor de conteúdo no Itaú. Apaixonado por GIFs de gatinhos, “ataca de DJ” nas horas vagas e adora ganhar discos de vinil como presente.

23 thoughts on “Miojo Indie Apresenta: Apostas 2013

  1. A lista de apostas 2013 ficou bem legal, mais há dois nomes q poderiam constar, os britanicos do Stornoway e a brasileira Lorena Chaves, vale a pena prestar atenção nesses nomes.

  2. Hip-Hop em peso esse ano, principalmente a cena inspirado no Dubstep e Grime que muitos andam chamando de Trap, e espero coisas boas do Rap nacional

  3. Monocromatas no Cena independente #8
    Lançaram um disco incrível no ano de 2012, já estão em processo de produção do novo álbum e fizeram um show espetacular na Virada Cultural – UFMT…
    O material deles no soundcloud é muito bom, uma pegada Bitch Rock que eu acho maravilhosa.
    Vale a pena apostar neles.

  4. tem uma banda daqui do ES que está se destacando, é a duo/banda RETRô (soundcloud.com/bandaretro).
    eles fazem um trampo um pouco diferente ao vivo.
    o cara toca bateria e violão ao mesmo tempo e a mina toca escaleta percussão, e canta.
    vale a pena pelo menos conhecer!
    http://www.soundcloud.com/bandaretro

  5. Angel Haze lançou o melhor EP do ano passado, quiça o melhor lançamento underground hip-hop do ano, Reservation é uma obra de arte, cheio de emoçao(castles on a cloud, this is me), e ao mesmo tempo está cheio de batidas bem pensadas, relativamente inovadoras e viciantes(new york, werkin’ girls), com certeza esse ano é dela e da AlunaGeorge.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *