""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Pequenos Clássicos Modernos

Móveis Coloniais de Acaju
Brazilian/Ska/Alternative Rock
http://www.moveiscoloniaisdeacaju.com.br/

Por: Cleber Facchi

Do grupo de músicos dissidentes da “geração” Los Hermanos, para um dos mais originais e influentes artistas nacionais, assim foi a transição do Móveis Coloniais de Acaju do seu primeiro para o segundo trabalho de estúdio, o excelente C_mpl_te (2009). Se em sua estreia a big band se rodeava por ritmos vindos do leste europeu, ska e rock, com o segundo álbum a banda brasiliense mantém a mesma temática, embora agora muito mais melódicos e criadores de versos únicos. Se o Brasil precisava de algum grande grupo que representasse a nova geração de bandas, então não há nome mais justo do que o do noneto de Brasília.

Se a “Feijoada Búlgara” (termo empregado pela banda para definir a sonoridade proposta no primeiro álbum) era o que orientava o grupo em seu primo trabalho, com a sequência de Idem (2005), os temperos, caldos e texturas propostas pelo exótico prato dos brasilienses pareciam melhor acentuados. Seja por gravarem em um estúdio profissional, ou por uma evolução de seus integrantes, tudo soa muito mais prazeroso dentro desse segundo álbum.

Para uma melhor orientação em C_mpl_te, a banda foi atrás do produtor musical Luiz Carlos Miranda, que soube como tirar o máximo proveito da instrumentação do grupo. Dessa forma, a pegada mais “anárquica” do primeiro álbum (que contou com produção do músico Rafael Ramos, que já havia trabalhado com Los Hermanos, Vídeo Hits e Relespública) parece reduzida, com o grupo se apoiando na produção de faixas melhor orquestradas e que vez ou outra pendem para uma sonoridade mais radiofônica.

Assim como no disco de estreia, em que as letras apoiadas no uso de metáforas davam o elemento final ao álbum, no segundo disco o cuidado com as letras soa ainda maior. A primeira mostra disso veio ainda em 2008, quando o grupo liberou a faixa Sem Palavras em sua página na internet. A canção (que acabou eleita como uma das melhores do ano pela revista Rolling Stone Brasil) trazia o velho jogo de versos, trocadilhos e quase trava-línguas da banda, evidenciando o que seria encontrado quando o álbum fosse lançado, porém, ao ser lançado o disco apresentou uma coleção de poemas ainda mais surpreendentes que o belo single.

O amor (e o término dele) surge como um dos elementos centrais do álbum, como em O Tempo (que acabou inserida na trilha sonora de uma novela da Rede Globo), onde o suposto casal da faixa molda o tempo a seu favor, naquela que é uma das mais românticas e delicadas composições do novo rock nacional. Já quem esperava pelos estranhos personagens construídos pela banda (como Gregório do disco de estreia), pôde encontrar em Cheia de Manha e Cão Guia uma bela mostra da habilidade dos brasilienses em musicar pequenas crônicas.

Bem recebido, o disco acabou por apresentar o grupo ao grande público, seja por suas composições cada vez mais tocadas nas rádios ou na televisão. Enquanto no primeiro trabalho, a banda concentrava boa parte dos esforços em cima do grande hit que era Seria o Rolex?, através do segundo álbum o público teve acesso a um novo conjunto de faixas, todas muito mais radiofônicas e  que grudavam nos ouvidos logo em uma primeira audição. C_mpl_te é o disco que enaltece ainda mais a extensa lista dos grandes trabalhos que compuseram a música nacional dos anos 2000, o complemento que faltava ao rock brasileiro.

Complete

C_mpl_te (2009)

Nota: 8.5
Para quem gosta de: Los Hermanos, Orquestra Imperial e Luísa Mandou um Beijo
Ouça: O Tempo

[soundcloud width=”100%” height=”81″ params=”” url=”http://api.soundcloud.com/tracks/6797293″]


2 thoughts on “Pequenos Clássicos Modernos

Comments are closed.