""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Pequenos Clássicos Modernos

TV On The Radio
Experimental/Indie/Alternative
https://www.facebook.com/TvOnTheRadio

 

Por: Cleber Facchi

TV On The Radio

A julgar pela manifestação inexata dos sons que o TV On The Radio vinha promovendo desde o começo da carreira, era só questão de tempo até que o grupo nova-iorquino explodisse em um universo próprio de experimentos e invenções musicais. Como se fossem meros preparativos para esse possível ponto de colisão, com o lançamento de OK Calculator (2002) e Desperate Youth, Blood Thirsty Babes (2004) o grupo conseguiu de forma cuidadosa solidificar as experiências calcadas no Funk, Art Rock, R&B e Avant-Garde. Bases para o resultado esperado que culminou em 2006 no lançamento do ainda hoje complexo Return To Cookie Mountain (2006, Interscope).

Concentrado instrumental do que o coletivo – na época formado por Tunde Adebimpe, David Sitek, Kyp Malone, Jaleel Bunton e Gerard Smith – vinha desenvolvendo, o álbum não é apenas a manifestação coesa do universo particular do quinteto, mas uma exposição sublime do que alimentava a produção estadunidense naquele instante. Dissolvido em mais de 50 minutos de duração, o álbum funciona como um encontro excêntrico entre as orquestrações do Arcade Fire em Funeral (2004), a sensualidade exótica de Prince em Purple Rain (1984) e lampejos da amargura que costurou o rock alternativo nos anos 1990.

Colagens instrumentais, líricas e conceitos em um propósito de constante perversão do estágio inicial da obra, assim borbulha a matéria que preenche  o disco. Da abertura em meio a samples de Massive Attack, passando pela colagem saturada de batidas, vozes e pianos que resultam na dolorosa I Was a Lover, tudo é pensado de forma a transformar a natureza do registro em segundos. Assim, antes mesmo do encerramento da terceira música, Province, é como se a discografia de uma centena de bandas fosse dissecada e traduzida na linguagem do quinteto. Lamentos musicados, descrições amargas do cotidiano e a sensação de que o chão desaparece em cada nova música.

Se por um lado a sobreposição de camadas e referências deu vida ao que parecia ser um imenso reaproveitamento de ideias, por outro aspecto a presença ativa de cada integrante vem como um ponto de equilíbrio constante para a obra. Enquanto Malone e Adebimpe se revezam com extrema beleza e ferocidade nos vocais, Bunton e Smith extraem o máximo de cada efeito percussivo ou harmonia encontrada no trabalho. Entretanto, é na presença constante de David Andrew Sitek que o álbum se constrói. Produtor responsável pelo disco, o multi-instrumentista passeia atento aos detalhes, ocupando cada lacuna com guitarras, samples ou mínimas orquestrações que fazem do registro um dos mais exuberantes da última década.

Por mais que o trabalho se sustente como a manifestação de ideias isoladas de seus integrantes – posteriormente amarradas por Sitek -, há na extensão de RTCM a presença de uma série de colaboradores fundamentais. Mesmo que a presença de David Bowie seja um ponto de expressiva atenção para a obra, a participação de Stuart D. Bogie, Martin Perna, Chris Taylor (Grizzly Bear), além de outros músicos nova-iorquinos serviu para expandir o que poderia se revelar como um trabalho demasiado hermético. Sobram ainda samples de Lou Reed (do álbum Metal Machine Music, 1975) e um catálogo de outros fragmentos que ampliam o território da banda.

Alimentado por um universo de texturas, sons, experiências e colaboradores distintos, Return To Cookie Mountain seria apenas o princípio do que viria a orientar o quinteto nos projetos seguintes. Tendo em Dear Science (2008) e Nine Types of Light (2011) sequências do mesmo delineamento instrumental e lírico, o grupo parecia ter alcançado o oposto de uma fórmula, mas um exercício natural de constante recomeço.

 

TV On The Radio

Return To Cookie Mountain (2006, Interscope)


Nota: 9.3
Para quem gosta de: Rain Machine, Grizzly Bear e Wolf Parade
Ouça: Wolf Like Me, Province e I Was a Lover