""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Pequenos Clássicos Modernos

Cidadão Instigado
Brazilian/Alternative/Experimental
http://www.myspace.com/cidadaoinstigado

Por: Cleber Facchi

Estranho, brega, romântico, experimental e genial, o que não faltaram foram adjetivos para essa pequena obra que é o segundo disco de estúdio da banda de Fortaleza Cidadão Instigado. Denominado E O Método Túfo de Experiências (2005), todas as sutilezas e o brilhantismo de Fernando Catatau, líder do grupo, se encontram de maneira excepcional dentro desse registro, com o músico reinventando décadas de música durante os pouco mais de 50 minutos do álbum, seja pelo emprego de sua guitarra criativa ou seus vocais excêntricos e a instrumentação inconstante.

Toda a excelência desse disco não viria obviamente da noite para o dia, seriam necessários anos de alquimia até que Catatau pudesse finalmente fazer um metal menos nobre virar ouro. Fundada em 1994 na capital cearense, a banda trazia elementos de diversas épocas como o rock psicodélico e a música brega dos anos 70, do mesmo baú vinham também elementos da cultura nordestina, além de um pé bem firme na música experimental. A soma desses resultados todos viria ainda em 94 com um EP, mas de maneira mais satisfatória em 2002, com o lançamento do primeiro álbum da banda, O Ciclo da Dê.Cadência.

Com esse álbum, Catatau e os demais integrantes do grupo – Regis Damasceno (guitarra, violão e voz), Rian Batista (baixo e voz), Dustan Gallas (teclado) e Clayton Martin (bateria) – aprontariam todos os ingredientes e dariam início ao cozimento dos sons do Cidadão Instigado. Faixas como Lá Fora Têm… e O verdadeiro conceito de um preconceito já indicavam os rumos que se seguiriam no trabalho posterior.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=Fj30sX2k7GQ]

Além de todos os distintos elementos de seu trabalho de estreia, a banda acrescentaria ao seu enorme caldeirão de referências uma pitada de música pop, feito que daria ao segundo disco um toque de acessibilidade sem jamais perder seu brilhantismo. O resultado final se compreende nas dez composições do álbum, que passeiam a todo o momento por uma musicalidade melancólica, série, crítica e quase bizarra.

Há espaço para composições puramente emocionais como a brega Te Encontra Logo…, o experimentalismo de Silêncio na Multidão além da confessional O Tempo, que carregam todo o peso de compositores nordestinos como Wando sempre dentro de uma sonoridade viajada e conceitual. Entretanto é no esquisito e na experimentação que a banda se revela, como em O Pinto de Peitos (com a voz fanha e desafinada de Catatau fluindo de maneira convincente) ou ainda Os Urubus Só Pensam Em Te Comer com um show a parte de guitarras e programações.

É raro encontrar alguém que se oponha ao trabalho excepcional. A vivacidade com que o quinteto explora cada tonalidade do álbum serviu indubitavelmente como um sopro de criatividade para a música brasileira daquele momento. O álbum abriria também as portas para que todos os integrantes contribuíssem ou na produção ou na instrumentação de outros discos de artistas daquele período. E a criatividade da banda ainda não se encerraria, quatro anos separavam a banda de seu terceiro e também esplêndido trabalho, o Uhuuu! (2009).

E O Método Túfo de Experiências (2005)

Nota: 9.5
Para quem gosta de: Wado, Otto e Curumin
Ouça: O Tempo