"Cuidado Madame"

Ano: 2017
Selo: Northern Spy
Gênero: Experimental, Rock Alternativo
Para quem gosta de: Lucas Santtana, Caetano Veloso
Ouça: Ilha dos Prazeres e Grain By Grain
Nota: 8.0

Resenha: “Cuidado Madame”, Arto Lindsay

Passado o lançamento de Salt, em meados de 2004, Arto Lindsay acabou voltando grande parte dos esforços para o trabalho produzido em parceria com diferentes artistas. Em um intervalo de mais de uma década, nomes como Caetano Veloso, Lucas Santtana, Kassin+2, Tom Zé e Moreno Veloso encontraram no som do estadunidense naturalizado brasileiro o estímulo para o uso de pequenos experimentos que atravessam a sonoridade tropicalista e conversam diretamente com um mundo de novas possibilidades — dentro e fora de estúdio.

Três anos após o lançamento da coletânea The Encyclopedia of Arto Lindsay (2014), o cantor, compositor e guitarrista norte-americano está de volta com um novo disco de inéditas — o primeiro em mais de 13 anos. Em Cuidado Madame (2017, Northern Spy), Lindsey brinca com a própria essência, indo da construção de faixas descomplicadas, marca de Each to Each, até o noise rock de Arto vs. Arto, composição que dialoga com a boa fase do artista como integrante do DNA.

Obra de encontros, o álbum de 11 faixas e pouco menos de 40 minutos de duração faz de cada composição um convite para a chegada de diferentes colaboradores. Da abertura do disco, em Grain by Grain, coleção de temas eletrônicos produzidos ao lado de Paul Wilson, até a montagem da derradeira Pele de Perto, parceria com a cantora e compositora carioca Marisa Monte, Lindsay se revela como um anfitrião curioso, fazendo de Cuidado Madame uma obra essencialmente diversa.

Com versos cantados em português, Ilha dos Prazeres, terceira faixa do disco, talvez seja um bom indicativo da sonoridade versátil que orienta grande parte do trabalho. Enquanto Lindsay brinca com as guitarras, costurando texturas urbanas, uma percussão marcada pela riqueza dos detalhes cresce e se espalha meio a linha de baixo marcante do convidado Melvin Gibbs. Um precioso indicativo da herança musical acumulada em mais de quatro décadas de atuação.

Mutável, Lindsay manipula a própria identidade musical a cada nova composição do disco. Em Seu Pai, o músico incorpora a mesma atmosfera melancólica de Sobre Noites e Dias (2014), último disco de Lucas Santtana e colaborador na canção. Nona faixa do disco, Uncrossed se espalha como uma bossa suja, resultado da parceria com Luís Felipe de Lima. Na derradeira Pele de Perto, um samba doce, naturalmente íntimo de tudo aquilo que Lindsay e Marisa Monte desenvolveram em grande parte da década de 1990.

Nos versos, a mesma pluralidade de conceitos. São composições que visitam cenários (“É noite lá no agreste /Aonde o seu sotaque macio / Cai como a chuva / Escuta“), reflexões intimistas (“Escuro mar escuro céu / Ninguém vai nos separar“) e personagens (“O seu pai era bandido / Mas você apareceu“) sem necessariamente buscar conforto em um tema ou conceito específico. Um complemento direto ao rico catálogo de temas instrumentais que abastece o disco durante toda sua execução.