""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Resenha: “Gang Signs & Prayer”, Stormzy

Artista: Stormzy
Gênero: Hip-Hop, Grime, Rap
Acesse: https://www.facebook.com/stormzyofficial/

 

Um dia após o lançamento de Gang Signs & Prayer (2017, Merky), em 25 de fevereiro, Austin Darbo, editor sênior do Spotify, fez uma inusitada publicação em sua conta Twitter: “Eu nunca vi nada assim. Todas as músicas do [primeiro] álbum de Stormy estão no Top 50 do Spotify. Estou sem palavras”. E não poderia ser diferente. Da abertura do disco, na minimalista First Things First, passando pela coleção de rimas e beats que se espalham ao longo da obra, cada fragmento do trabalho parece pensado de forma a atrair a atenção do público.

Autointitulado “uma criança do grime”, como resumiu em entrevista, Michael Omari, verdadeiro nome do rapper, passou os últimos anos se revezando em uma série de registros independentes e trabalhos assinados em parceria com diferentes representantes do Hip-Hop, pop e R&B. Composições como Shape of You, parceria recente com o conterrâneo Ed Sheeran, Ambition, da cantora Raye, além de uma série de remixes e rimas espalhadas em uma variedade de obras recentes.

Toda essa pluralidade de ideias, personagens e referências acaba se refletindo na forma como Stormzy e o produtor Fraser T Smith (Adele, Katy B) detalham cada uma das 16 composições de Gang Signs & Prayer. Recortes instrumentais, poéticos e visuais que começam na capa do álbum, uma interpretação sombria da Santa Ceia, de Leonardo da Vinci, passa pela rica tapeçaria orquestral e cresce em cada sample dissolvido pela obra. Retalhos, como Intro (Like Velvet), parte do primeiro álbum da cantora NAO, For All We Know (2016), ou mesmo versos que se conectam diretamente ao trabalho de outros artistas.

Claramente influenciado pelo trabalho de Kanye West, artista que convidou o rapper a participar da intensa performance de All Day, durante o BRIT Awards 2015, Stormzy se transforma no grande protagonista da própria obra. Canções marcadas por relacionamentos conturbados, caso de Cigarettes & Cush, parceria com Kehlani, ou mesmo versos centrados no crescimento do próprio artista, vide Big for Your Boots, música que catapultou o rapper para o topo das principais paradas de sucesso.

Na contramão de outros representantes do grime, em geral inspirados pelo uso de batidas e temas eletrônicos, Stormzy e o produtor Fraser T Smith investiram pesado no uso de instrumentos. Guitarras cuidadosamente detalhadas em Blinded by Your Grace, Pt. 2, parceria com o cantor MNEK, ou mesmo arranjos de cordas comandados por verdadeira orquestra na colaborativa Don’t Cry for Me, encontro com o cantor e ator de Game of Thrones, Raleigh Ritchie. “Eu precisava ter algo clássico neste álbum”, respondeu em entrevista à The Fader.

Perfeita obra de introdução, Gang Signs & Prayer incorpora diversos elementos originalmente testados pelo rapper em diferentes registros, porém, de forma ainda mais complexa, como um produto da explícita maturidade de Stormzy. Uma obra que utiliza de boas referências – vide o diálogo com Late Registration (2005) de Kanye West e o recente Konnichiwa (2016), do conterrâneo Skepta –, como um poderoso e necessário estímulo criativo.

 

Gang Signs & Prayer (2017, Merky)

Nota: 8.3
Para quem gosta de: Skepta, Kanye West e Chance The Rapper
Ouça: Big for Your Boots, Cigarettes & Cush e Don’t Cry for Me

Veja também:


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Send this to friend