""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Resenha: “In Summer”, Jefre Cantu-Ledesma

Artista: Jefre Cantu-Ledesma
Gênero: Experimental, Dream Pop, Ambient Music
Acesse: https://shiningskullstudio.bandcamp.com/

 

A Year With 13 Moons (2015) deu a Jefre Cantu-Ledesma a possibilidade de se aproximar de uma parcela ainda maior do público. Entre ruídos e ambientações experimentais, o músico norte-americano que já trabalhou com nomes como Liz Harris (Grouper) fez do registro uma espécie de abrigo para a construção de pequenas melodias e temas detalhistas, assumindo certo distanciamento do som produzido desde o começo da década passada, quando esteve envolvido em projetos como Tarentel.

Mais recente lançamento do produtor, In Summer (2016, Geographic North) amplia de forma significativa o som originalmente testado por Cantu-Ledesma há poucos meses. Em um conjunto de apenas cinco faixas, texturas melancólicos, samples de pássaros e microfonias complexas mostram a capacidade do artista em seduzir o público pelos detalhes, como se diferentes histórias pudessem ser contadas pelos ruídos que sustentam o trabalho.

Anunciado em meados de julho, durante o lançamento de Love’s Refrain, In Summer utiliza da mesma ambientação incorporada na extensa composição como um criativo ponto de partida para o restante da obra. Em um cenário enevoado, movido por guitarras, ruídos minimalistas e distorções típicas do Dream Pop produzido no final da década de 1980, Cantu-Ledesma transporta o ouvinte para um ambiente essencialmente etéreo, mágico.

Em Blue Nudes (I-IV), quarta composição do disco, o mesmo detalhamento. Em um intervalo de quase oito minutos, ruídos, microfonias e temas cósmicos se movimentam de forma a acompanhar a lenta condução das batidas. Quatro atos instrumentais que se agrupam em meio a pequenas quebras rítmicas, como se mesmo dentro de uma canção orientada por uma proposta específica, o produtor criasse pequenas brechas marcadas pelo experimento.

Todavia, a busca por novos sonoridades não afasta Cantu-Ledesma da construção de músicas marcadas pelo completo experimento. É o caso da própria faixa-título do disco. Inicialmente ambientada no mesmo som denso e melódico que abastece parte expressiva do trabalho, a canção logo se transforma em uma caótica sequência de sons empoeirados, chiados e temas ruidosos, dialogando com toda a sequência de obras produzidas pelo artista na última década.

Por vezes íntimo do mesmo som produzido por Kevin Shields (My Bloody Valentine) e outros veteranos do Shoegaze, Jefre Cantu-Ledesma faz de In Summer um poderoso ensaio criativo. No interior de cada composição, diferentes fórmulas e experimentos detalhados de forma sempre instável, hipnótica, como se toda a sequência de obras produzidas pelo produtor nos últimos anos acabassem servindo de base para construção de cada uma das cinco faixas do presente álbum.

 

rp_a1951755798_10.jpg

In Summer (2016, Geographic North)

Nota: 8.0
Para quem gosta de: Tim Hecker, My Bloody Valentine e Grouper
Ouça: Love’s Refrain e Blue Nudes (I-IV)