""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Resenha: “Oh No”, Jessy Lanza

Artista: Jessy Lanza
Gênero: Electronic, R&B, Synthpop
Acessehttp://jessylanza.com/

 

Jessy Lanza parece seguir um caminho completamente isolado em relação ao trabalho de grande parte das cantoras norte-americanas. Longe de um enquadramento óbvio, comercial, cada trabalho assinado pela produtora de Hamilton, Canadá, dança em meio a reverberações nostálgicas da década de 1980. Vozes e arranjos eletrônicos que replicam grande parte dos conceitos incorporados há mais de três décadas, base do recém-lançado Oh No (2016, Hyperdub), segundo e mais recente álbum de inéditas da artista.

Delicada continuação do material apresentado em Pull My Hair Back, de 2013, o novo registro mostra a evolução de Lanza em relação ao uso da própria voz. Longe do conceito “instrumental” do disco anterior, trabalho que explora os vocais como mero complemento para a base eletrônica das canções, em Oh No a voz da cantora se destacam. Da abertura, em New Ogi, passando por músicas como Never Enough e It Means I Love You, pela primeira vez Lanza soa como protagonista da própria obra.

Acompanhada de perto por Jeremy Greenspan, uma das metades do projeto canadense Junior Boys, Lanza encara o registro como uma obra de completa exposição. Em cada uma das 10 faixas do disco, um sussurro romântico da cantora, como se desilusões amorosas e conflitos recentes servissem de base para o trabalho da canadense. “Quando você olha nos meus olhos / Isso significa que eu te amo“, canta em It Means I Love You, um fino exemplo da temática confessional que invade o disco.

Longe de parecer uma novidade dentro do repertório de Lanza, vide composições como Strange Emotion e Keep Moving, do trabalho anterior, em Oh No, o amor e toda a base sentimental da compositora se destaca pela forma essencialmente honesta como os versos são explorados no interior de cada música. Músicas como Never Enough e Could Be U que mostram um aspecto “universal” do amor, preferência que dialoga diretamente com o trabalho de Kelela, FKA Twigs e outros nomes do novo R&B.

Mesmo doloroso, Oh No está longe de parecer uma obra arrastada, consumida em excesso pelo peso dos versos que esculpem o trabalho. Do momento em que tem início New Ogi, faixa de abertura do disco, passando pelas batidas rápidas de VV Violence ou mesmo sintetizadores de Never Enough e da própria faixa-título, Lanza encara cada fragmento do registro como uma ferramenta capaz de arrastar o ouvinte para as pistas.

O grande problema do presente trabalho, bem como o antecessor Pull My Hair Back, continua sendo a proposta demasiado “minimalista” assumida por Lanza. Tudo parece muito restrito, econômico, projetado de forma explícita para as apresentações ao vivo da cantora – em geral, munida apenas de um sintetizador e seu notebook. Um registro que agrada pela sensibilidade dos versos, mas acaba sufocando em alguns momentos por conta da própria limitação instrumental.

 

rp_jessy-lanza-oh-no-album-new-junior-boys.png

Oh No (2016, Hyperdub)

Nota: 7.5
Para quem gosta de: Kelela, Junior Boys e FKA Twigs
Ouça: It Means I Love You, VV Violence e New Ogi


One thought on “Resenha: “Oh No”, Jessy Lanza

Comments are closed.