""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Resenha: “World Eater”, Blanck Mass

Artista: Blanck Mass
Gênero: Experimental, Eletrônica, Drone
Acesse: https://blanckmass.bandcamp.com/

 

A colisão de ideias, samples e ruídos sempre foi a base do som produzido pelo inglês Benjamin John Power. Mais conhecido pelo trabalho como uma das metades do Fuck Buttons, projeto dividido com o parceiro Andrew Hung, Power passou os últimos seis anos se aventurando na formação de uma obra ainda mais experimental e complexa em carreira solo. Um mundo de delírios e colagens instrumentais que cresce de maneira explícita nas canções de World Eater (2017, Sacred Bones).

Quarto e mais recente álbum de inéditas como Blanck Mass, o registro de sete faixas mostra a capacidade de Power em se adaptar e mudar de direção mesmo na curta duração de uma canção fechada. Em um intervalo de quase 50 minutos, o artista original de Worcester, Inglaterra, amarra diferentes ritmos – R&B, Pós-Rock, Hip-Hop, Techno e Noise – sem necessariamente perder o controle sobre a própria obra. Um imenso labirinto criativo.

Com John Doe’s Carnival of Error como faixa de abertura do disco, Power estabelece parte das regras que orientam o trabalho. Um sample explorado de forma cíclica, essencialmente climática, mas que acaba explodindo, como um convite a provar do restante da obra. Não por acaso, a canção acaba servindo de estímulo para a construção da extensa Rhesus Negative, música que dialoga com o mesmo som testado pelo Fuck Buttons durante a produção de Tarot Sport, em 2009.

De fato, parte expressiva de World Eater parece ancorada em conceitos originalmente testados pelo Fuck Buttons. Seja na reciclagem de samples e temas eletrônicos que marcam o excelente Slow Focus (2013) ou na desconstrução da inaugural Street Horrrsing (2008), delicadamente, Power colide velhos experimentos com a mesma ambientação versátil explorada no antecessor Dumb Flesh, de 2015. Um ziguezaguear de ideias que muda de direção a cada nova curva do disco.

Um bom exemplo disso está em The Rat. Quarta faixa do disco, a canção abre em meio a batidas e sintetizadores que se deixam completar pela inserção de novos elementos. Surgem fragmentos melódicos, novos samples e todo um universo de pequenas colisões instrumentais que transportam o ouvinte para diferentes cenário. Uma inteligente sobreposição de ideias que tem início em John Doe’s Carnival of Error e que descansa apenas nos últimos segundos da derradeira Have Mind.

A vaporwave em Silent Treatment, três diferentes atos que fragmentam Minnesota / Eas Fors / Naked, o minimalismo sedutor e vozes picotados de Please, a arquitetura crescente em Have Mind. Longe de uma possível zona de conforto, Power faz de cada composição a passagem para um ambiente completamente instável, torto. A sensação de que diferentes obras foram agrupadas dentro de cada faixa do presente álbum, fazendo de World Eater uma obra imensa.

 

World Eater (2017, Sacred Bones)

Nota: 8.0
Para quem gosta de: Fuck Buttons, Ben Frost e Oneohtrix Point Never
Ouça: Please, Silent Treatment e Rhesus Negative

Veja também:


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Send this to friend