""

Ano:
Selo:
Gênero:
Para quem gosta de:
Ouça:
Nota:

Resenha: “X-Communicate”, Kristen Kontrol

Artista: Kristin Kontrol
Gênero: Synthpop, Pop, Dream Pop
Acesse: http://www.kristinkontrol.com/

 

Kristin Welchez passou os últimos oito anos se aprofundando nas melodias sujas do Dum Dum Girls. Sob o pseudônimo de Dee Dee, a cantora e compositora californiana entregou ao público três grandes registros de inéditas – I Will Be (2010), Only in Dreams (2011) e Too True (2014) –, uma bem-sucedida sequência de EPs – como He Gets Me High (2011) e End of Daze (2012) –, além de uma coleção de faixas melancólicas, íntimas de uma série de referências musicais vindas da década de 1980.

Em X-Communicate (2016, Sub Pop), primeiro álbum em carreira solo, Welchez não apenas assume uma nova identidade, se apresentando como Kristin Kontrol, como passa a explorar um conjunto de ideias e temas instrumentais renovadas. Em um diálogo explícito com o trabalho de gigantes como Cocteau Twins, Kate Bush, Madonna e Siouxsie and the Banshees, a cantora delicadamente expande os próprios limites, produzindo um som que abraça o passado, porém, mantém firme a relação com o presente.

Da abertura do disco, com Show Me, passando por faixas como White Street, (Don’t) Wannabe e Smoke Rings, Kontrol finaliza um trabalho de essência pop, pegajoso em cada melodia sintetizada, batida ou uso assertivo da voz. Trata-se de uma verdadeira coleção de hits, como se diferentes composições lançadas há mais de três décadas fossem resgatados, polidos, e delicadamente encaixados dentro do presente disco. Uma verdadeira homenagem da cantora aos clássicos do Synthpop/New Wave.

Movida pelos sentimentos e histórias de relacionamentos fracassados, Kontrol cria uma obra marcada pela dor. Basta mergulhar e composições como What Is Love, Goinh Thru the Motions e (Don’t) Wannabe para perceber a completa exposição da cantora, honesta e dolorosamente apaixonada em cada fragmento de voz que preenche o registro. Observado de forma atenta, X-Communicate nasce como uma extensão do material produzido em faixas como Bedroom Eyes e Lord Knows, com o Dum Dum Girls.

Ao mesmo tempo em que encanta pela estrutura sensível dos versos, Kontrol entrega uma série de canções dançantes, típicas do pop oitentista. É o caso da própria faixa-título do trabalho. Em uma sequência de batidas rápidas e sintetizadores que apontam para as pistas, a cantora revela ao público uma das canções mais grudentas de 2016. Uma canção que dialoga com o mesmo pop nostálgico de Boyfriend, da dupla Tegan and Sara, e todo o acervo de faixas que ocupam o terceiro álbum de inéditas do Chairlift, Moth (2016).

São 40 minutos em que Kristin Kontrol parece testar os próprios limites, explorando diferentes temáticas a cada nova composição. Dançante, doloroso, explosivo e intimista, X-Communicate cresce com o trabalho mais versátil de toda a discografia de Welchez. Uma coleção de versos confessionais que tanto transportam o ouvinte para as pistas (White Street, Drive The Night), como criam uma espécie de refúgio sentimental (Face 2 Face, Goinh Thru the Motions).

 

rp_Kristin-Kontrol-X-Communicate-640x640.jpg

X-Communicate (2016, Sub Pop)

Nota: 7.7
Para quem gosta de: Sky Ferreira, Dum Dum Girls e Chairlift
Ouça: X-Communicate, Show Me e (Don’t) Wannabe


One thought on “Resenha: “X-Communicate”, Kristen Kontrol

Comments are closed.