Resenhas: “NMP”, Luneta Mágica

Categories Resenhas

Artista: Luneta Mágica
Gênero: Psicodélico, Indie Pop, Alternativo
Acesse: https://lunetamagica.bandcamp.com/

 

Com o lançamento de No Meu Peito, em maio em 2015, os integrantes da banda amazonense Luneta Mágica encontraram um claro ponto de equilíbrio. De um lado, a psicodelia nostálgica inspirada pelo trabalho de veteranos como The Beach Boys e The Beatles, no outro oposto, a busca por um material essencialmente acessível, como um precioso diálogo com a música produzida por artistas como Skank, Los Hermanos e outros representantes de peso do pop-rock nacional.

Interessante perceber em NMP (2017, Independente), coleção de remixes e músicas adaptadas do trabalho entregue há dois anos, uma lenta desconstrução de todo esse som particular, pop, assumido pela banda. Ruídos eletrônicos, vozes ecoadas, efeitos e distorções que delicadamente conduzem o ouvinte para dentro do mesmo ambiente conceitual explorado no experimental Amanhã Vai Ser o Melhor Dia da Sua Vida (2012), álbum de estreia do grupo de Manaus.

Para a produção do disco, a banda – hoje formada por Pablo Araújo, Erick Omena, Eron Oliveira e Daniel Freire –, decidiu se cercar de amigos e demais representantes da presente safra do rock brasileira. No time de convidados, nomes como Benke Ferraz (Boogarins), Bonifrate (ex-Supercordas), Bike, os conterrâneos da Supercolisor e o músico carioca Jonas Sá. Nas mãos de cada artista, a possibilidade de desmontar e brincar com faixas como Tua Presença, Mantra, Rita e Acima Das Nuvens.

Sem ordem aparente, NMP faz de cada composição um ato isolado, curioso. Logo na abertura do disco, a introdutória No Meu Peito se converte em uma típica canção do Supercordas, esbarrando na mesma experimentação testada em Teceira Terra (2015), último álbum de estúdio da banda carioca. O mesmo som delirante se repete na construção de Preciso, 11ª faixa do disco e uma cósmica adaptação produzida pela banda paulista Bike.

Recheado pelo uso de batidas e temas eletrônicos, o trabalho acaba flertando com as pistas de maneira inevitável. Um bom exemplo disso está da montagem dançante de Rita, composição que passa pelas mãos do produtor catarinense Moyses Vaka. Em Mantra, oitava faixa do disco, uma explosão de batidas e sintetizadores que parecem resgatados de algum b-side do The Prodigy. Surgem ainda experimentos, como na versão do Benke Ferraz para Tua Presença.

Entre pequenos deslizes, como a versão MPB-coxa de Acima das Nuvens, NMP encanta pela forma como cada artista garante novo enquadramento ao som produzido pelo Luneta Mágica. São poucos os momentos em que é possível traçar um paralelo com o álbum lançado há dois anos. Instantes em que a música produzida pelo grupo amazonense vai do minimalismo, em Mazzitelli Remix, ao colorido psicodélico de Mantra Extd.

 

NMP (2017, Independente)

Nota: 7.0
Para quem gosta de: Supercordas, Bike e Boogarins
Ouça: Rita, Preciso e No Meu Peito

Veja também:

Criador do Miojo Indie, trabalhou como coordenador de Mídias Sociais na Editora Abril, editor de entretenimento e cultura no Huffington Post e hoje é editor de conteúdo no Itaú. Apaixonado por GIFs de gatinhos, “ataca de DJ” nas horas vagas e adora ganhar discos de vinil como presente.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *