Sammliz: “Leviatã Lux”


Como seguir em frente depois de um doloroso trauma sentimental? É exatamente isso que a cantora e compositora Sammliz discute na recente Leviatã Lux. “Vou morrendo, vai sumindo, cicatrizando / Vou montando leviatãs / E curando o coração“, canta enquanto prepara o terreno para o verso central da composição: “a vingança é o amor“. São fragmentos confessionais, sempre sensíveis, estrutura que se completa pelo uso atmosférico de sintetizadores, batidas eletrônicas e guitarras sempre pontuais, trabalho que conta com a produção de STRR e outros representantes da cena paraense.

Um dos nomes mais interessantes (e versáteis) da música brasileira, Sammliz passou os últimos meses colaborando com um time seleto de instrumentistas e vozes. Do encontro com Dona Onete, em Deusa da Lua (Mulher Perigosa), passando pela ainda recente Vício, parceria com Reiner, sobram instantes que refletem a força e profunda entrega emocional da artista paraense. Há três anos, a artista deu vida ao ótimo Mamba – 33º colocado em nossa lista com Os 50 Melhores Discos Brasileiros de 2016, primeiro álbum de estúdio desde o fim das atividades de sua antiga banda, a Madame Saatan.



Sammliz – Leviatã Lux