Tag Archives: Alternative Rock

Disco: “LOSE”, Cymbals Eat Guitars

Cymbals Eat Guitars
Indie Rock/Alternative/Rock
http://cymbalseatguitars.com/

Por: Cleber Facchi

Da geração de bandas norte-americanas que nasceram na segunda metade da última década, poucas amadureceram tanto quanto a Cymbals Eat Guitars. Fruto da mesma safra de Titus Andronicus, The Pains of Being Pure at Heart e outros coletivos próximos, o grupo de Nova York carrega no peso das guitarras e melodias abertas a ponte que conecta o rock alternativo do fim dos anos 1990 ao presente. Referências tão próximas de Built to Spill, The Wrens e Modest Mouse, quanto do quarteto, hoje um comprovado veterano ao alcançar o terceiro álbum da carreira, LOSE (2014, Barsuk).

Obra mais segura (e ampla) já projetada por Joseph D’Agostino, Andrew Dole, Matt Whipple e Brian Hamilton, o presente álbum é um verdadeiro exercício de consolidação. Se há pouco menos de três anos as guitarras sujas de Lenses Alien (2011) revelavam “apenas” uma extensão aprimorada do som cru lançado em Why There Are Mountains (2009), hoje cada porção instrumental espalhada pela obra se movimenta em parcimônia, seduzindo o ouvinte pelos detalhes.

Em um cenário tão próximo do Indie Rock de 1990 como da essência do rock progressivo, LOSE é uma obra de arranjos extensos, a serem desbravados pelo ouvinte. Ainda que leve em seus 44 minutos e 45 segundos de duração – média aproximada dos últimos lançamentos da banda -, grande parte das canções espalhadas pelo disco ultrapassam os limites de uma faixa “comercial”. São atos acima dos seis minutos, como em Jackson e 2 Hip Soul, e até músicas aos moldes de Laramie, com mais de oito minutos de distorções, cantos e novos improvisos.

Longe de ser interpretado como uma obra “revival”, como os dois primeiros trabalhos da banda, o acerto do novo disco está na expressiva formação de uma identidade musical por parte do CEG. Da essência melódica (Built To Spill) e agressiva (Superchunk) de grandes veteranos da cena alternativa nasce apenas a estrutura da obra, esqueleto aos poucos encorpado por pianos sutis (Jackson), batidas firmes (Chambers) e uma delicadeza rara em se tratando do uso das guitarras distorcidas (Place Names).   Continue reading

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , , ,

Cozinhando Discografias: R.E.M.

A seção Cozinhando Discografias consiste basicamente em falar de todos os álbuns de um artista, ignorando a ordem cronológica dos lançamentos. E qual o critério usado então? A resposta é simples, mas o método não: a qualidade. Dentro desse parâmetro temos uma série de fatores determinantes envolvidos, que vão da recepção crítica do disco no mercado fonográfico, além, claro, dentro da própria trajetória do grupo e seus anteriores projetos. Além da equipe do Miojo Indie, outros blogs parceiros foram convidados para suas específicas opiniões sobre cada um dos trabalhos, tornando o resultado muito mais democrático.

Formado em 1980 por Bill Berry, Peter Buck, Mike Mills e Michael Stipe, o R.E.M. ocupa um lugar de destaque como uma das pioneiras do Rock Alternativo. Inspiração confessa para o trabalho de grupos como Pavement, Nirvana, Pearl Jam, Guided By Voices e outros gigantes da música, o quarteto original da cidade de Athens, Geórgia sustentou ao longo de três décadas – e três fases distintas – uma coleção de obras tão influentes, quanto referenciais.

Inicialmente voltado ao College Rock/Jangle Pop que homenageava bandas como Big Star e The Byrds, o grupo aos poucos dissolveu elementos do folk e country, flertou eletrônica e ainda brincou com uma série outros experimentos ocasionais. Com uma sonoridade diferente a cada novo álbum, o grupo que encerrou suas atividades em meados de 2011 é de longe o responsável pela discografia mais difícil de ser organizada que já passou pela seção. Continue reading

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Speedy Ortiz: “Bigger Party”

.

Com o trabalho de estreia bem recebido – Major Arcana (2013) -, além de um bom EP apresentado há poucos meses, o grupo norte-americano Speedy Ortiz vem reforçando a boa forma a cada novo lançamento de estúdio. Não por acaso a banda foi convidada a integrar a série Adult Swim Singles, transportando as guitarras sujas e arranjos típicos da década de 1990 para dentro do projeto.

Em Bigger Party – música feita especialmente para a coletânea -, o grupo de Massachusetts não apenas investe nos elementos típicos dos últimos trabalhos, como ainda explora seu lado mais comercial. Com pouco mais de dois minutos de duração, a recém-lançada criação vai de The Breeders à Liz Phair, condensando guitarras, batidas e a voz intensa de Sadie Dupuis dentro de uma atmosfera quase pop.

.

Speedy Ortiz – Bigger Party

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , ,

Parquet Courts: “Sunbathing Animal”

.

O Parquet Courts é uma dessas bandas que conseguiram perverter o fluxo natural do lançamento de um disco. Ainda que Light Up Gold, registro de estreia da banda nova-iorquina tenha sido apresentado oficialmente no final de 2012, boa parte das revistas/sites só deram o devido respeito ao grupo (e seu lançamento) no ano seguinte. Não por acaso, poucas não foram as publicações que transformaram o registro em um dos “melhores de 2013″, feito que não deve se repetir com o recém-lançado Sunbathing Animal (2014).

Segundo álbum de estúdio da banda norte-americano, o novo registro pode até seguir o Garage Rock/Pós-Punk do disco passado, entretanto, os rumos agora são outros. Com um esforço maior na construção das melodias, o disco se acomoda em pequenos ruídos experimentais e vozes tratadas com evidente velocidade. Um passo entre o rock alternativo da presente safra e um caráter instrumental/lírico que parece próprio do grupo. Lançado pelos selos What’s Your Rupture? e Mom + Pop, o novo disco pode ser apreciado na íntegra logo abaixo.

.

Parquet Courts – Sunbathing Animal

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , ,

Sunny Day Real Estate: “Lipton Witch”

Sunny Day Real Estate

.

Lá se vão 14 anos desde que The Rising Tide (2000), último registro em estúdio do Sunny Day Real Estate foi apresentado. Mais antigo do que isso? Que tal Diary (1994), álbum de estreia do grupo norte-americano e registro que 20 anos de lançamento no próximo dia 10 de maio. Responsável por boa parte do encaminhamento melódico/melancólico dado ao rock alternativo na segunda metade dos anos 1990, a banda de Seattle está de volta não apenas com a turnê de celebração do elogiado debut, mas com algumas novidades aos velhos seguidores.

Parte dos lançamentos exclusivos para o Record Store Day de 2014, Lipton Witch é a primeira composição inédita da banda em mais de 14 anos de hiato em estúdio. Intensa, a canção cresce como tudo aquilo que o grupo vem promovendo há mais de duas décadas, equilibrando vocais e guitarras em um mesmo cenário. O grupo integra nosso especial de 10 discos para gostar de EMO.

.

Sunny Day Real Estate – Lipton Witch

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , ,

The Men: “Different Days”

The Men

.

É quase assustador pensar que uma banda como a nova-iorquina The Men mudou tanto de direção ao longo dos anos. Do início de carreira totalmente hermético e ruidoso, ao apego cada vez maior com o rock clássico, cada trabalho lançado pelo (hoje) quinteto do Brooklyn parece reforçar uma característica específica do rock – seja ele Punk, Noise, Garage ou Psicodélico.

Dando sequência à série de composições que esculpem o quinto trabalho em estúdio do grupo, Tomorrow’s Hit, Different Days, mais novo single da banda, reforça a capacidade de cada integrante em brincar com o pop, sem necessariamente perder a própria sobriedade. Com ares de música perdida dos anos 1970, a canção abre em meio a uma linha de baixo volumosa, guitarras complementares e uma batida que apenas amplia o toque frenético da música. Possivelmente o registro mais “pop” já lançado pelo selo Sacred Bones, o álbum segue como um dos mais interessantes (e intensos) do ano.

.

The Men – Different Days

 

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , ,

Herzog: “Mad Men”

Herzog

.

Com discos intensos de bandas como Cloud Nothings, St. Vincent e Perfect Pussy, o ano de 2014 chega carregado por grandes lançamentos com foco no Rock. Mais novo artista a fazer parte deste cardápio é a banda norte-americana Herzog. Original de Cleveland, Ohio, a banda é a mais nova interessada a revisitar o rock da década de 1990, sonoridade nostálgica, mas que em nenhum momento distancia o grupo de uma imposição original e musicalmente próxima do público médio.

Em Mad Men, faixa que abre passagem para o debut Boys, guitarras que mais parecem sintetizadores dão conta de abastecer o propósito do grupo. São pouco mais de três minutos de duração que replicam todo o descompromisso de grupos como California X, Milk Music e até certa “dose” de Japandroids. Garage Rock, Punk, Rock Alternativo e um flerte com o Pop, tudo isso em um piscar de olhos.

.


Herzog – Mad Men

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , ,

Mikal Cronin: “Soul In Motion”

Mikal Cronin

.

Com o lançamento de MCII, no último ano, Mikal Cronin apresentou um registro que se difere da onda de obras psicodélicas da cena californiana. Emoldurado pelo uso de boas melodias, guitarras apoiadas na década de 1990 e uma visível herança do Power Pop clássico, o cantor transformou a obra em um catálogo de hits adoráveis. Em um sentido de continuidade ao último disco – 17º lugar na lista dos Melhores Discos de 2013 -, Cronin lança a inédita Soul In Motion.

Levemente afastada dos efeitos lançados no álbum passado, a canção abre passagem para o novo single do compositor, LAMC. Previsto para estrear oficialmente no dia 1º de abril, o vinil 7” já pode ser apreciado na íntegra no player abaixo. Com bateria eletrônica e uma composição Lo-Fi maior, típica do primeiro disco de Cronin, a canção repete as velhas experiências e ainda opta por um novo conjunto de novidades, base para o que pode vir a guiar um futuro lançamento do músico.

.


Mikal Cronin – Soul In Motion

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , ,

Fucked Up: “Year Of The Dragon”

Fucked Up

.

No dia três de junho chega ao público o aguardado Glass Boys (2014), quarto trabalho em estúdio da banda canadense Fucked Up e o sucessor da (por enquanto) obra-prima David Comes to Life (2011). Entretanto, antes de mergulhar de vez no universo próprio do novo trabalho – apresentado na semana passada com o single Paper The House -, chega a hora da banda da banda comandada por Damian Abraham apresentar mais um inédito invento da série de singles Zodiac Series: Year Of The Dragon.

Em produção desde o começo de 2006, quando a banda apresentou Year of the Dog, o projeto alcança o 8º exemplar esbanjando provocação e natural exagero. São mais de 18 minutos de duração, experiência que condensa as tradicionais guitarras intensas do grupo e os vocais berrados do vocalista com rugidos de dragões. Caos e melodias aproximados em um só ambiente instrumental. Enquanto o novo álbum chega pelo selo Matador, o single será lançado oficialmente no dia 22 de abril pelo selo Tankcrimes.

.


Fucked Up – Year Of The Dragon

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , ,

Cozinhando Discografias: Nine Inch Nails

Por: Cleber Facchi

Nine Inch Nails

A seção Cozinhando Discografias consiste basicamente em falar de todos os álbuns de um artista, ignorando a ordem cronológica dos lançamentos. E qual o critério usado então? A resposta é simples, mas o método não: a qualidade. Dentro desse parâmetro temos uma série de fatores determinantes envolvidos, que vão da recepção crítica do disco no mercado fonográfico, além, claro, dentro da própria trajetória do grupo e seus anteriores projetos. Vale ressaltar que além da equipe do Miojo Indie, outros blogs parceiros foram convidados para suas específicas opiniões sobre cada um dos trabalhos, tornando o resultado da lista muito mais democrático e pontual.

Caos e ordem se misturam nas melodias sujas do Nine Inch Nails. Montada no fim dos anos 1980 por Trent Reznor, a banda de Cleveland, Ohio trouxe nas confissões amargas do músico o princípio de abastecimento para uma das discografias mais perturbadoras da cena recente. Seja ao distorcer os clichês dos anos 80 (Pretty Hate Machine, 1989), se afundar em melancolia (The Downward Spiral, 1994) ou caminhar por um cenário pós-apocalíptico (Year Zero, 2007), cada álbum do NIN encontra no teor obscuro dos versos um princípio natural de crescimento. Depois de um longo hiato e próxima de se apresentar no país – no Lollapalooza Brasil -, a banda teve cada um dos trabalhos em estúdio organizados do “pior” para o “melhor” lançamento em mais um Cozinhando Discografias. Continue reading

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,