Artista: BEL
Gênero: MPB, Jazz, Eletrônica
Acessehttps://soundcloud.com/belbaroni 

 

A versatilidade talvez seja o principal traço do som produzido pela cantora e compositora carioca Bel Baroni. Mais conhecida pelo trabalho como integrante do coletivo Mohandas – com quem lançou os experimentais Etnopop (2012) e Um Segundo (2015) –, a artista, também integrante do coletivo feminista Xanaxou, sustenta no primeiro álbum em carreira solo, Quando Brinca (2017, Sagitta Records), um espaço para provar de novas sonoridades e pequenas possibilidades dentro de estúdio.

Musicalmente colorido, proposta que conversa diretamente com a imagem de capa do disco, trabalho produzido pelo ilustrador Gabrilândia, o álbum de oito faixas passeia por entre diferentes gêneros, colidindo fórmulas e referências pontuais. Fragmentos minimalistas que vão da MPB ao Jazz sem necessariamente fixar residência em um tema específico. Retalhos instrumentais que se comunicam pela forma como os arranjos sutilmente ocupam todas as brechas do disco.

Produzido em parceria com o músico Gui Marques, também responsável pelos sintetizadores e batidas eletrônicas que recheiam o disco, Quando Brinca é um trabalho que precisa de tempo até ser absorvido em essência. Pianos e guitarras sedutoras em Bem-vindo; a lenta sobreposição dos arranjos em Real Grandeza; batidas e sintetizadores cuidadosamente espalhados ao fundo de Mundo Novo. Um som precioso, doce, entregue ao público em pequenas doses.

Interessante perceber que mesmo trabalhado de forma delicada, sempre precisa, Quando Brinca está longe de parecer uma obra inacessível. Um bom exemplo disso está na montagem atenta de Fica Fácil Assim, quarta faixa do disco. Acompanhada de perto por Laura Lavieri, Rafaela Prestes, Mari Romano e Larissa Conforto (Ventre), todas integrantes do Xanaxou, Baroni sutilmente revela uma faixa hipnótica. Arranjos e vozes que se espalham de forma a seduzir o ouvinte, cada vez mais atraído para o interior da faixa.

Continue Reading "Resenha: “Quando Brinca”, BEL"

 

Aos comandos de Nick Chaplin, Rachel Goswell, Neil Halstead, Christian Savill e Simon Scott, o Slowdive, grupo original da cidade de Reading, Inglaterra, fez da curta discografia o ponto de partida para a algumas das principais canções do Shoegaze/Dream Pop. Faixas como Alison, Machine Gun, Souvlaki Space Station e outros clássicos – veja nossa lista com 10 músicas para gostar de Slowdive –, que continuam a servir de inspiração para diferentes projetos.

Principal atração do Balaclava Fest 2017, a banda se apresenta no dia 14 de maio no Cine Joia, em São Paulo. Aproveitando o evento, organizamos os três álbuns de inéditas do grupo do pior para o melhor lançamento em mais uma edição da nossa seção Cozinhando Discografias – especial que já analisou projetos como Led Zeppelin, Beach House e Mogwai. Nos comentários, conta pra gente: qual é a sua música e disco favorito do Slowdive?

Continue Reading "Cozinhando Discografias: Slowdive"

 

Nunca antes uma música produzida por Valerie Teicher pareceu tão provocante e sedutora quanto Justify. Parte do primeiro álbum de estúdio da cantora e compositora nova-iorquina, Crawl Space (2017), a canção dominada pelas batidas e vozes fortes da artista invade o terreno do R&B de forma sensível e hipnótica. Uma extensão madura do material apresentado há poucas semanas em músicas como How Far e Keep Running.

Difícil não lembrar de FKA Twigs e outros nomes de destaque do novo R&B, entretanto, à medida que a canção avança, Teicher cerca o ouvinte, detalhando melodias eletrônicas, batidas e vozes loucas, como um fino exercício de provocação. Longe de parecer uma novidade dentro da carreira de Tei Shi, esse tipo de sonoridade vem sendo a base do som produzido pela artista desde a ótima Holiest, parceria com os britânicos do Glass Animals.

Crawl Space (2017) será lançado no dia 31/03 via Downtown/Interscope.

 

Tei Shi – Justify

Continue Reading "Tei Shi: “Justify”"

 

As últimas semanas foram bastante positivas para quem acompanha o trabalho do coletivo canadense The New Pornographers. Em processo de divulgação do novo álbum de inéditas, Whiteout Conditions (2017), a banda – hoje composta por Kathryn Calder, Neko Case, John Collins, Todd Fancey, Carl Newman, Joe Seiders e Blaine Thurier –, deu vida a duas ótimas composições: High Ticket AttractionsThis Is The World Of The Theatre.

Faixa-título do novo álbum de inéditas, Whiteout Conditions talvez seja a composição melhor evidencia o cuidado e relação de proximidade dos integrantes em estúdio. Trata-se de um poderoso dueto entre Carl Newman e Neko Case, proposta que aproxima o ouvinte do mesmo som produzido pela banda no começo dos anos 2000, vide trabalhos como o inaugural Mass Romantic (2000), Electric Version (2003) e Twin Cinema (2005).

Whiteout Conditions (2017) será lançado no dia 07/04 via Concord Music Group.

 

The New Pornographers – Whiteout Conditions

Continue Reading "The New Pornographers: “Whiteout Conditions”"

 

Gente como eu não tem escolha“, martela a voz forte de Jair Naves em Inexorcizável (Um Zumbido Ensurdecedor). Primeira composição inédita do Ludovic em 11 anos, a canção dominada pelo uso de versos intimistas e honestos estabelece uma rápida conexão com o mesmo universo particular explorado pela banda paulistana no lançamento do derradeiro Idioma Morto (2006) – 43º lugar na nossa lista dos 100 Melhores Discos Nacionais dos anos 2000.

Essa música representou um enorme desafio para a gente. Lançar uma música nova do Ludovic a essa altura do campeonato é algo que eu sinceramente não planejava“, escreveu Naves no Facebook. Composta em parceria com Eduardo Praça e Zeek Underwood, e masterizada pelo músico Fernando Sanches no Estúdio El Rocha, a canção nasce como um poderoso complemento à série de shows que a Ludovic vem produzindo nos últimos meses.

 

Ludovic – Inexorcizável (Um Zumbido Ensurdecedor)

Continue Reading "Ludovic: “Inexorcizável (Um Zumbido Ensurdecedor)”"

 

Humanz (2017), esse é o título do quinto álbum de estúdio do Gorillaz. Primeiro registro de inéditas banda criada por Damon Albarn e Jamie Hewlett em seis anos, o sucessor de The Fall (2011) conta com 20 novas composições – 25 na edição Deluxe –, e um time imenso de convidados. Entre os artistas que integram o trabalho, nomes como Grace Jones, Kelela, Pusha T, os parceiros do De La Soul, Mavis Staples, Danny Brown e outros nomes de peso do Hip-Hop/Pop.

Para celebrar o anúncio de lançamento do novo disco, a banda – comandada por 2D, Murdoc Niccals, Russel Hobbs e Noodle – apresentou as inéditas Ascension, Saturnz Barz, Andromeda e We Got The Power, registros da parceria com Vince Staples, Popcaan, D.R.A.M. e Jehnny Beth, respectivamente. Quatro faixas que vão do Hip-Hop ao soul, como uma extensão do som apresentado há poucas semanas em Hallelujah Money, parceria com Benjamin Clementine.

 

Humanz

01 Intro: I Switched My Robot Off
02 Ascension (Feat. Vince Staples)
03 Strobelite (Feat. Peven Everett)
04 Saturnz Barz (Feat. Popcaan)
05 Momentz (Feat. De La Soul)
06 Interlude: The Non-conformist Oath
07 Submission (Feat. Danny Brown & Kelela)
08 Charger (Feat. Grace Jones)
09 Interlude: Elevator Going Up
10 Andromeda (Feat. D.R.A.M.)
11 Busted And Blue
12 Interlude: Talk Radio
13 Carnival (Feat. Anthony Hamilton)
14 Let Me Out (Feat. Mavis Staples & Pusha T)
15 Interlude: Penthouse
16 Sex Murder Party (Feat. Jamie Principle & Zebra Katz)
17 She’s My Collar (Feat. Kali Uchis)
18 Interlude: The Elephant
19 Hallelujah Money (Feat. Benjamin Clementine)
20 We Got The Power (Feat. Jehnny Beth)

Humanz (2017) será lançado no dia 28/04 via Warner Bros.

 

Gorillaz – Ascension (Feat. Vince Staples)

 

Gorillaz – Saturnz Barz (Feat. Popcaan)

 

Gorillaz – Andromeda (Feat. D.R.A.M.)

 

Gorillaz – We Got The Power (Feat. Jehnny Beth)

Continue Reading "Gorillaz: “Ascension” / “Saturnz Barz” / “Andromeda” / “We Got The Power”"

 

Original da cidade de Bloomington, Indiana, o Hoops é um quarteto de Dream Pop/Rock Psicodélico que parece ter encontrado no rock dos anos 1980 a base para grande parte do trabalho da banda. Responsável por um excelente EP de cinco faixas lançado no último ano, o grupo anuncia para o começo de maio a chegada do primeiro álbum de estúdio. Trata-se de Routines (2017), álbum de 11 faixas que deve replicar o som produzido pela banda nos primeiros trabalhos de estúdio.

Como uma versão “enérgica” do som produzido pelo Ariel Pink em começo de carreira, a banda norte-americana deu vida a duas ótimas composições. De um lado, as guitarras e vozes rápidas de Rules, música que parece saída do último EP da banda. No outro oposto, a leveza de On Top, faixa repleta de sintetizadores e guitarras melódicas, como uma perfeita síntese do som produzido pelo quarteto de Indiana.

Routines (2017) será lançado no dia 05/05 via Fat Possum.

 

Hoops – Rules

 

Hoops – On Top

Continue Reading "Hoops: “Rules” / “On Top”"

 

My Morning Jacket, Real Estate, The Fruit Bats, Vetiver e The Range, esses são alguns dos artistas com quem a cantora e compositora Kacey Johansing vem colaborando nos últimos anos. Uma das responsáveis pelo selo NightBloom Records, parceria com o músico Alex Bleeker, do Real Estate, a artista original da cidade de Los Angeles, Califórnia, anuncia para os próximos meses a chegada de um novo álbum em carreira solo.

Intitulado The Hiding (2017), o novo disco deve seguir a trilha dos últimos lançamentos da cantora, flutuando entre o Dream Pop e o indie-rock-melódico que Johansing vem produzindo desde o começo da carreira. Parte do novo álbum de inéditas da artista, Do You Want Me traz de volta toda a nostalgia e sonoridade inspirada nos anos 1980. Um som doce, como se Frankie Rose e Lower Dens se encontrassem dentro de estúdio.

The Hiding (2017) será lançado no dia 02/06 via Night Bloom Records.

 

Kacey Johansing – Do You Want Me

Continue Reading "Kacey Johansing: “Do You Want Me”"

Artista: Real Estate
Gênero: Indie Rock, Jangle Pop, Alternativa
Acesse: http://realestatetheband.com/

 

Da psicodelia litorânea que escapa de Beach Comber e Fake Blues, passando pelo som ensolarado de Days (2011), até alcançar o jangle pop de Atlas (2014), não é difícil perceber a linha conceitual que conecta os três primeiros discos do Real Estate. Uma atmosfera radiante, essencialmente pop e repleta de composições marcadas pela honestidade dos sentimentos e confissões expostas em cada fragmento de voz. Delírios românticos, tormentos e letras sensíveis que refletem o mesmo polimento nas canções de In Mind (2017, Domino).

Primeiro registro de inéditas da banda com Julian Lynch como guitarrista – Matt Mondanile decidiu sair da banda para se dedicar exclusivamente ao Ducktails –, o trabalho de 11 faixas mostra o grupo de Nova Jersey confortável em um ambiente dominado pelo uso de temas semi-psicodélicos. Composições que dialogam com o mesmo som melódico produzido por veteranos como The Byrds e Teenage Fanclub, base de grande parte das canções do presente disco.

Doce e intimista, como tudo aquilo que a banda vem produzindo desde o último álbum de estúdio, In Mind reserva ao público uma coleção de faixas pegajosas, feitas para grudar logo em uma primeira audição. São músicas como a inaugural Darling, com suas guitarras e sintetizadores enevoados; o pop psicodélico que cresce em Stained Glass ou mesmo as boas melodias de White Light, composição que parece resgatar a mesma leveza do R.E.M. no começo dos anos 1980.

A diferença em relação aos últimos discos da banda está no aspecto “caseiro” do trabalho. Produzido em parceria com Cole M.G.N., músico que já trabalhou ao lado de artistas como Ariel Pink’s Haunted Graffiti, Julia Holter e Nite Jewel, In Mind nasce como um regresso sutil ao mesmo som empoeirado que apresentou o Real Estate no fim da última década. Um bom exemplo disso está na construção da lisérgica Two Arrows, faixa que bebe da mesma psicodelia litorânea testada pelo grupo no primeiro álbum de estúdio.

Continue Reading "Resenha: “In Mind”, Real Estate"

 

 

Desde o fim das atividades do Sonic Youth, Thurston Moore deu vida a dois ótimos trabalhos em carreira solo. Primeiro, o acústico Demolished Thoughts, em 2011, depois foi a vez do mediano The Best Day, lançado em 2014. De volta ao estúdio com Steve Shelley, ex-baterista do Sonic Youth, e Debbie Googe, também baixista do My Bloody Valentine, o cantor e compositor norte-americano anuncia a chegada de um novo álbum de inéditas.

Em Rock n Roll Consciousness (2017), Moore continua a explorar o mesmo som urbano que apresentou sua antiga banda no começo dos anos 1980. Um bom exemplo disso está na climática Smoke of Dreams, música que parece vinda de algum disco do Lou Reed no meio dos anos 1970 e uma das cinco composições que abastecem o registro, oficialmente, o quinto registro de estúdio apresentado pelo guitarrista em carreira solo.

Rock n Roll Consciousness (2017) será lançado no dia 28/04 via Caroline International.

 

Thurston Moore – Smoke Of Dreams

Continue Reading "Thurston Moore: “Smoke Of Dreams” (VÍDEO)"