Artista: M O O N S
Gênero: Indie, Folk, Alternativa
Acesse: https://listentomoons.bandcamp.com/

 

Songs of Wood & Fire (2016, La Femme Qui Roule) é um disco que se revela em essência antes mesmo que a primeira música, a instrumental Hunting You, tenha início. Do título bucólico – “canções de madeira e fogo”, em português –, passando pelo trabalho do artista gráfico Jade Marra para a capa do álbum – um momento de afeto e proximidade de um casal –, cada fragmento da obra serve de indicativo para a poesia doce e arranjos sempre delicados de André Travassos na estreia como M O O N S.

Mais conhecido pelo trabalho com o temporariamente extinto grupo Câmera, coletivo responsável por registros como o ótimo Mountain Tops (2014), Travassos faz de cada uma das canções dentro do presente álbum um registro de pura intimidade, leveza e melancolia. Composições marcadas pela dor, saudade ou mesmo ensolarados sussurros românticos, como se o cantor e compositor mineiro fosse capaz de interpretar diferentes personagens e suas histórias ao longo da obra.

“Estávamos frente a frente, tentamos dizer ‘oi’ / Foram os minutos mais longos da minha vida / O silêncio se manteve, mesmo ensurdecedor / Todo o local parecia vazio”, canta na descritiva The Best Thoughts About You, faixa que detalha o reencontro de um casal de forma leve, como se Travassos convidasse o público a provar de diferentes histórias, tormentos e casos de amor. Uma poesia quase narrativa, completa pelo minimalismo dos instrumentos que se espalham ao fundo do álbum.

O dedilhado limpo e os arranjos de cordas em Golden Sun, no melhor estilo Mutual Benefit, guitarras e texturas acústicas em Good Luck Baby, o violão solitário que se espalha e cresce dentro da faixa título do disco, uma atmosfera típica dos trabalhos de Elliott Smith. São pouco mais de 40 minutos em que Travassos e um time de instrumentistas da cena mineira, entre eles Jennifer Souza e o produtor Leonardo Marques, integrantes da Transmissor, ocupam todos as brechas do trabalho.

Continue Reading "Resenha: “Songs of Wood & Fire”, M O O N S"

 

Dias após o lançamento da encantadora Golden Sun, é chegada a hora de ter acesso ao primeiro álbum em carreira solo do cantor e compositor mineiro André Travassos: Songs of Wood & Fire (2016). Sob o título de M O O N S, o artista, também integrante do Câmera – grupo responsável pelo ótimo Mountain Tops (2014) –, faz de cada uma das dez composições do disco um ato de puro preciosismo, detalhando melodias aconchegantes e vozes sempre serenas, costuradas por versos intimistas.

Com lançamento pelo La Femme Qui Roule – casa de artistas como Jennifer Souza e JP Cardoso –, o trabalho ainda conta com a participação do músico Leonardo Marques, um dos integrantes da banda mineira Transmissor, além de um time de instrumentistas mineiros. O resultado está na construção de um registro marcado pela leveza dos arranjos, vozes e versos, íntimo do mesmo som produzido por artistas como Iron & Wine, Mutual Benefit, Fleet Foxes e outros nomes fortes da cena estrangeira.

 

M O O N S – Songs of Wood & Fire

Continue Reading "M O O N S: “Songs of Wood & Fire”"

 

Poucos meses após o lançamento do ótimo Mountain Tops – 13º lugar na nossa lista dos 50 Melhores Discos Nacionais de 2014 –, os membros da banda mineira Câmara decidiram entrar em hiato. Longe do silenciamento, parte dos integrantes decidiram seguir com a carreira musical. É o caso de André Travassos, artista que se junta ao seleto time de músicos do selo La Femme Qui Roule – de Jennifer Souza e JP Cardoso – para apresentar um novo projeto em carreira solo, o M O O N S.

Com Songs of Wood & Fire (2016), primeiro álbum dessa nova fase previsto para as próximas semanas, Travassos apresenta ao público a delicada Golden Sun, fragmento escolhido para anunciar o registro. Movida pelo uso de temas acústicos, a canção dá um passo além em relação ao som promovido pelo músico ao lado dos parceiros do Câmera. Um exercício essencialmente leve, por vezes melancólico, íntimo de gigantes da música folk, como Nick Drake, Fleet Foxes e Iron & Wine.

Songs of Wood & Fire (2016) será lançado no dia 27/11 via La Femme Qui Roule.

 

M O O N S – Golden Sun

Continue Reading "M O O N S: “Golden Sun”"

Câmera
Indie/Alternative/Post-Rock
http://www.cameracamera.net/

Por: Cleber Facchi

Guitarras tecidas delicadamente, vocal sutil e bateria encaixada com precisão. De fato, não é difícil se perder pelas melodias e arranjos hipnóticos de Mountain Tops (2014, Balaclava). Álbum de estreia da banda mineira Câmara, o brando registro cresce como nítida sequência ao trabalho iniciado pelo grupo com os primeiros EPs, Invisible Houses e Not Tourist, ambos de 2011. Uma coleção melancólica de texturas instrumentais, sussurros românticos e composições que refletem acolhimento.

Mesclando timidez e descoberta, o grupo formado por André Travassos, Bruno Faleiro, Matheus Fleming e Henrique Cunha resume logo em Random, instrumental faixa de abertura, toda a estrutura que rege o disco. Aqui não há pressa, exagero ou qualquer traço de grandiosidade. Em um ambiente sereno e convidativo, guitarras abrem espaço para os vocais, ruídos encontram conforto ao fundo das batidas e confissões são detalhadas lentamente. Se Mountain Tops é um lugar, como o título e a capa do trabalho indicam, cada faixa funciona como uma minuciosa descrição desse cenário.

Embora íntimo do mesmo arsenal de referências e temas compactos explorados nos dois primeiros EPs, basta um rápido mergulho em faixas como Lost Cause, I Surrender! e Hypnosis para perceber a nova sonoridade incorporada pelo quarteto. Salve exceções, caso da enérgica Time Will em Invisible Houses, grande parte do acervo inicial do grupo parecia sufocar pelo controle abusivo dos instrumentos e vozes, implodindo em meio a atos atmosféricos quase claustrofóbicos. A julgar pelo abrigo criado em House of the Holy Sins, talvez a banda estivesse mesmo em busca de isolamento.

Amplo, Mountain Tops revela o oposto. Ainda que a serenidade ocupe e oriente cada instante do registro, vozes limpas, solos ascendentes e toda uma variedade de experimentos se espalham de forma curiosa, ocupando a mente do espectador. Os limites ainda são evidentes, porém, uma vez dentro do espaço montado para o disco, sobram montanhas, corredeiras e campos imensos a serem explorados. Com leveza, um fino traço de identidade começa a se formar, reduzindo a herança de grupos como Slint, Mogwai e Pavement a um espaço meramente referencial.

Continue Reading "Disco: “Mountain Tops”, Câmera"