Cinco anos após a apresentação de Audio, Video, Disco (2011), Gaspard Augé e Xavier de Rosnay anunciam a chegada de um novo álbum de inéditas do Justice: Woman. Ainda sem data de lançamento, o trabalho parece seguir exatamente de onde a dupla francesa parou no começo da presente década. Basta voltar os ouvidos para Safe and Sound, composição entregue ao público em julho deste ano e uma base para a recém-lançada Randy.

Sintetizadores emulando arranjo de cordas, o flerte com a música disco, diálogos (in)voluntários com o rock progressivo da década de 1970. Em pouco mais de três minutos, todas as referências que abastecem o trabalho da dupla desde o inaugural †, de 2007, são mais uma vez apresentadas ao público. A diferença está na forma como os vocais se projetam com limpidez do primeiro ao último instante da faixa, soando como um curioso remix de alguma canção produzida pelo Tame Impala em Currents (2015).

 

Justice – Randy

Continue Reading "Justice: “Randy”"

. The Big Cover-Up (2016), esse é o nome do mais recente trabalho do produtor norueguês Todd Terje. Trata-se de um EP de versões para “clássicos” assinados por Yellow Magic Orchestra, Martin Circus, Boney M e Vangelis, mas que também serão remixados por outros produtores próximos de Terje, caso de Daniel Maloso, Dan Tyler, Prins Thomas e Øyvind Morken. Para apresentar o trabalho, nada melhor do que a dançante e divertida Baby Do You Wanna Bump. Originalmente lançada na década de 1970 pelo grupo alemão Boney M, Baby Do…Continue Reading “Todd Terje & The Olsens: “Baby Do You Wanna Bump” (Daniel Maloso Remix)”

. Mais conhecida pelo trabalho como vocalista e líder do grupo britânico Veronica Falls, em carreira solo, Roxanne Clifford parece assumir um som completamente distinto em relação ao indie rock produzido com os parceiros de banda. Trata-se do Patience, um projeto de Synthpop/Italo Disco que mergulha no mesmo universo de artistas como Desire, Glass Candy, Chromatics e grande parte dos projetos relacionados ao selo Italians Do It Better. Em The Church, primeiro composição e clipe produzido por Clifford, um eficiente resumo do material que será entregue pela cantora…Continue Reading “Patience: “The Church” (VÍDEO)”

Hoje, a partir das 15h, a produtora MAMA PRO traz pela primeira vez ao Brasil a dupla Detroit Swindle, que se apresenta em um jardim secreto localizado na Barra Funda, em São Paulo. Após encerrar 2015 trazendo John Talabot direto de Barcelona, a MAMAPRO abre os trabalhos do ano com a dupla mais quente do deep house holandês, formada em 2011 por Marteen Smeets e Lars Dales. A história da parceria se iniciou quando Lars, que trabalhava com a programação de alguns clubes de Amsterdã,…Continue Reading “MAMA PRO: Detroit Swindle”

A dupla Database acaba de lançar seu primeiro álbum, “Vivid Exposition”, pelo selo Life on Planes, do DJ White Shadow, produtor de nomes como Lady Gaga e Pitbull. O disco conta com participações nos vocais de Patrick Baker, Savoir Adore, French Horn Rebellion, Tidal Caves, B.Starr, Bogan Via e Aldo the Band. Formado por Lucio Morais e Yuri Chix em 2007, a Database já remixou oficialmente o artista Fatboy Slim, lançou em 2010 o single “Beach and Friends”, em parceria com os americanos do French Horn Rebellion,…Continue Reading “Database: “Vivid Exposition””

A dupla Database lançou essa semana seu mais novo EP “Another Love”, com participação de Savoir Adore, trazendo os vocais de Paul Hammer, além de três remixes, sendo dois da dupla carioca de House e Disco, Twelves e do produtor paulistano, parte do cast do selo da Kompakt, L_cio. O lançamento é pelo selo Life on Planes, do DJ White Shadow, produtor dos álbuns “Born This Way” e “Artpop” da Lady Gaga. Formado por Lucio Morais e Yuri Chix em 2007, o Database já remixou Fatboy…Continue Reading “Database: “Another Love””

Hó Mon Tchain
Nacional/Hip-Hop/Rap
https://www.facebook.com/AgaEmeTe

 

Desde o lançamento de Malandrão, em setembro de 2015, que o som produzido pelo Hó Mon Tchain parece longe de repetir os conceitos aplicados do bem-sucedido Ascensão (2012). Da solução de batidas, bases e rimas ancoradas no hip-hop dos anos 1990, o coletivo paulistano dá um salto de pelo menos duas décadas, encontrando em temas que dialogam com o cotidiano do trabalhador brasileiro a matéria-prima para o segundo registros de inéditas, Assim Que Nóis Trabalha (2016, Independente).

Canção de abertura do disco, A.Q.N.T. não apenas reforça a temática conceitual que rege a obra, como resume a plena evolução do grupo em relação ao primeiro álbum de estúdio. Se em 2012 a produção assinada pelo produtor e também integrante Mud parecia dançar pelo mesmo universo de veteranos como Wu-Tang Clan, Madlib e outros gigantes da década de 1990, com a chegada do novo registro, cada elementos espalhado pelo disco dialoga de forma assertiva com o presente.

Difícil não lembrar de obras recentes do selo TDE, como Oxymoron (2014) do SchoolBoy Q ou mesmo Good Kid, M.A.A.D City (2012) de Kendrick Lamar. Mesmo a temática “eletrônica” de Cores & Valores (2014), último registro de inéditas do Racionais MC’s, parece replicada de forma autoral em composições como Gueto Árabe e Números não Mentem. Da mesma forma que em Ascensão, Mud, continua a brincar com fragmentos instrumentais de diferentes artistas, recortando, costurando e adaptando referências de forma a produzir um material próprio do HMT.

Nesse cenário de ondulações que vão do Trap ao R&B, o grupo se concentra em projetar uma verdadeira metralhadora de rimas versáteis. Composições que passeiam pelo universo caótico de cada integrante (Malandrão), criam paralelos entre diferentes periferias (Gueto Árabe) e ainda discutem com maturidade a conflituosa relação entre dinheiro e valores pessoais a cada nova curva do disco (Ostentação Interior, Por onde Voo e Amo os que Me Odeiam). Sobram até pequenos respiros intimistas dentro de faixas como Sessão da Tarde e Essa Noite.

Continue Reading "Disco: “Assim Que Nóis Trabalha”, Hó Mon Tchain"

rp_tumblr_nq17x4Vb371r9ykrko1_540.jpg

Like a Prayer, Material Girl, Ray of Light, Like a Virgin, Human Nature, Hung Up ou Music. Em mais de três décadas de carreira, Madonna deu vida a um dos maiores e mais significativos acervos da música pop. Uma coleção de obras que atravessa os anos 1980 – True Blue (1986), Like a Prayer (1989) -, explora a eletrônica na década de 1990 – Erotica (1992), Ray Of Light (1998) – e se parte em diferentes sonoridades, gêneros e possibilidades ao longo dos anos 2000 – Confessions On a Dance Floor (2005), Rebel Heart (2015). Na lista abaixo, um exercício – evidentemente particular – de organizar toda a discografia de estúdio da cantora – 13 álbuns -, do pior para o melhor lançamento. Aproveite os comentários para montar a sua lista de favoritos da cantora, organizando cada um dos trabalhos por ordem de preferência.

Continue Reading "Cozinhando Discografias: Madonna"

Skylar Spence
Electronic/Alternative/Disco Funk
https://www.facebook.com/drinkyoung

Quem acompanha o trabalho de Ryan DeRobertis desde os tempos do Saint Pepsi, provavelmente deve ter se espantado com a mudança de direção assumida pelo produtor em Can’t You See. Escolhida para apresentar o primeiro álbum de inéditas do artista nova-iorquino dentro do projeto Skylar Spence, Prom King (2015, Carpark Records), a faixa de ritmo acelerado e forte diálogo com a década de 1970 está longe de parecer apenas um novo ponto de partida para DeRobertis, mas a base de cada uma das 11 composições que recheiam o registro.

Vaporwave, Future Pop, Chillwave ou Dance Music: não importa. Independente dos rótulos que cercam a obra do produtor norte-americano desde o começo da presente década, DeRobertis assume como único objetivo em Prom King fazer o ouvinte dançar. Com Can’t You See e a curiosa faixa-título logo na abertura do álbum, diversos são os caminhos (e ritmos) assumidos pelo artista, tão íntimo da essência nostálgica do Daft Punk em Random Access Memories (2013), como do som empoeirado e referencial de Neon Indian, Washed Out e outros nomes ainda recentes da música estadunidense.

Em I Can’t Be Your Superman, quarta faixa do disco, a prova da capacidade de Skylar Spance em produzir uma boa faixa “comercial”, mas sem necessariamente perder o toque “Lo-Fi” do álbum. Guitarras e batidas que resgatam o que há de mais dançante nas últimas três décadas, preparando o terreno para o uso de versos marcados pelo romantismo e a honestidade de DeRobertis – “Você tem o peso do mundo sobre os ombros / Quando eu não estou por perto / Eu mergulhar nas profundezas do seu oceano / Mas você ainda poderia se afogar”.

Com a chegada de Ridiculos!, quinta música do disco, uma espécie de passeio por diferentes aspectos do som incorporado por DeRobertis nos últimos anos. Instantes de euforia e recolhimento que garantem dinamismo ao álbum. Enquanto Fall Harder e Affairs reforçam o caráter melancólico e intimista da obra, esbarrando em versos de natureza confessional, canções aos moldes de Bounce Is Back e Cash Wedensday mergulham de cabeça em experimentos típicos do trabalho apresentado pelo produtor com o Saint Pepsi.

Continue Reading "Disco: “Prom King”, Skylar Spence"

Acontece nesse domingo, dia 16 de agosto, a partir das 15h, a edição de quatro anos da festa Soul.Set, na região central de São Paulo. Para essa comemoração o projeto traz duas atrações internacionais: Darshan Jesrani, do Metro Area e o português Alkalino. Conhecida por aliar música, essência, diversidade, amor e respeito, a Soul.Set traz também em seu line up: Davis e Thiago Guiselini, além de living paint, feirinha gastronômica e outras atividades, além de transporte gratuito até o local. Metro Area, ícone da música eletrônica…Continue Reading “Festa SoulSet comemora aniversário de quatro anos”