Tag Archives: Electronic

Blue Hawaii: “Agor Edits Mixtape”

.

Raphaelle Standell não teve tempo para descanso nos últimos meses. Em turnê para a divulgação do álbum Flourish // Perish (2013), segundo registro em estúdio ao lado dos parceiros do Braids, a musicista canadense percorreu grande parte da América do Norte e Europa, reservando o (precioso) tempo livre para se aproximar de outros projetos, vide a delicada parceria com o produtor britânico Jon Hopkins em Form By Firelight. Mas e o trabalho com o Blue Hawaii?

Com o inevitável distanciamento de Standell, passada a divulgação do debut Untogether (2013), todos os esforços do projeto acabaram nas mãos de Alex “Agor” Cowan, essência da recém-lançada mixtape Agor Edits (2014). Em meio a pequenas adaptações de músicas lançadas pelo casal desde o começo da parceria, em 2010, Cowan aos  poucos ultrapassa a zona de conforto do Blue Hawaii, reforçando as bases eletrônicas para incorporar elementos do Hip-Hop e Balearic Beat.

Disponível para download gratuito, o material ainda conta com All Of My Heart, composição inédita da dupla.

.

Blue Hawaii – Agor Edits Mixtape

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , ,

Dan Deacon: “Feel The Lightning”

.

Quem ainda não se recuperou da avalanche de sintetizadores, colagens eletrônicas e ruídos orquestrados no excelente America, de 2012, precisa tomar fôlego agora, afinal, o novo álbum do canadense Dan Deacon já está a caminho. Sob o título de Gliss Riffer (2015), o trabalho reservado para 24 de fevereiro do próximo ano deve seguir a trilha melódica e certa dose de “controle” reforçados no lançamento anterior, sensação reforçada durante os mais de cinco minutos da música Feel The Lightning, primeiro exemplar do novo disco.

Enquanto cria uma verdadeira muralha de sintetizadores e vozes robóticas, um canto doce corre ao fundo da canção, uma das mais acessíveis desde o material apresentado em Spiderman of the Rings, em 2007. Para dar vida ao som estranho da canção, Deacon convidou o diretor Andrew Jeffrey Wright, responsável pelas imagens coloridas, móveis dançantes e estranhos objetos que aparecem no decorrer do clipe. Gliss Riffer conta com lançamento pelo selo Domino, mesmo do último álbum do produtor.

.

Dan Deacon – Feel The Lightning

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Shlohmo: “Emerge From Smoke”

.

Foi um ano produtivo para Henry Laufer, o Shlohmo. Além do ótimo No More EP (2014), registro em parceria com o rapper Jeremih e Brain, single assinado de forma colaborativa com a cantora Banks, o artista californiano manteve uma agenda realmente lotada de apresentações, remixes esporádicos e faixas que naturalmente mergulham no ambiente de formas abstratas detalhadas pelo produtor. Para celebrar a passagem para o selo True Panther – casa de Tobias Jesso Jr. e Delorean, – Shlohmo apresentou a inédita Emerge From Smoke.

Sem fugir do ambiente conquistado no último ano com Laid Out EP (2013), Shlohmo continua a investir em faixas que se dividem entre as batidas lentas do R&B e o uso constante de sintetizadores sujos, emulando ruídos metálicos. Quase cinco minutos em que a essência do produtor se espalha confortavelmente, preparando o terreno para um novo álbum completo que deve aparecer nos próximos meses. Bad Vibes, o último disco oficial do produtor foi lançado em 2011.

.

Shlohmo – Emerge From Smoke

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , ,

James Blake: “200 Press EP”

.

Quem conheceu o trabalho de James Blake em Overgrown, álbum de 2013, talvez tenha deixado passar todo o acervo de EPs e singles lançados pelo produtor desde o fim da década passada. Em um inevitável exercício de regresso aos primeiros inventos em carreira solo, o artista britânico apresenta ao público o inédito 200 Press EP, trabalho que traz de volta todo o experimento, diálogo natural com o Dubstep e desconstrução do R&B testado desde o amadurecimento em CYMK (2010) e Love What Happened Here EP (2011).

São apenas 16 minutos, tempo suficiente para que as quatro faixas do trabalho – 200 Press, 200 Pressure, Building It Still e Words That We Both Know – tragam de volta toda a euforia e intensidade que sustentou os anos iniciais de Blake. Anunciado há poucos dias, o novo registro abre as portas para o terceiro álbum solo do produtor, registro que deve estrear em 2015. Com lançamento pelo selo 1-800-Dinosaur, do próprio Blake, 200 Press EP pode ser apreciado na íntegra logo abaixo.

.

James Blake – 200 Press EP

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , ,

Purity Ring: “Push Pull”

.

Com exceção das constantes parcerias ao lado de Danny Brown, clipes para música já conhecidas e versões para o trabalho de outros artistas, pouco foi apresentado como novidade pela dupla Purity Ring desde o lançamento de Shrines, álbum de estreia da dupla canadense entregue em 2012. Todavia, antes de fechar o ano de 2014, Corin Roddick e Megan James reservam algumas novidades para o público. Longe da complexidade dos primeiros inventos em estúdio, ao revelar Push Pull, o casal de Edmonton, Canadá se afasta dos experimentos, ruídos e beatos tortos para flertar abertamente com o pop.

Minucioso, Roddick ainda investe em melodias experimentais e etéreas, entretanto, ao derramar os versos (melancólicos) da canção, James logo transforma o material produzido pelo parceiro em algo acessível ao público médio. Um meio termo entre as vozes do Spice Girls em Viva Forever e as harmonias ressaltadas no acervo romântico FKA Twigs dentro de LP1 (2014). Mesmo sem informações adicionais, a nova música parece indicar a chegada de um novo álbum da dupla nos próximos meses.

.

Purity Ring – Push Pull

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , ,

Korallreven: “November Rain” (Guns N’ Roses Cover)

.

De todos os trabalhos lançados pela dupla Marcus Joons e Daniel Tjäder desde a estreia com An Album by Korallreven, em 2011, a versão para uma música do Guns N’ Roses talvez fosse a última coisa que passasse pela cabeça de quem acompanha o trabalho da dupla sueca. Todavia, depois de investir na ótima Death Is Not For Us, lançada há poucos meses, ao brincar com a versão de November Rain o duo estabelece um novo reforço (instrumental) para o ainda inédito Second Comin’ (2014), segundo disco do Korallreven lançado em novembro pelo selo Cascine.

Longe do material épico-espalhafatoso apresentado na versão original da música, presente no “clássico” Use Your Illusion, de 1991, a presente adaptação flutua em meio a sintetizadores mágicos, vocalizações delicadas e uma completa fuga dos excessos assinados por Axl Rose. Sem dúvidas, um material imprevisível, entretanto, coerentemente encaixado dentro do som tropical e futurístico típico da dupla.

.

Korallreven – November Rain (Guns N’ Roses Cover)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , ,

Disco: “Não Pare Pra Pensar”, Pato Fu

Pato Fu
Alternative/Pop/Electronic
http://patofu.com.br/

Por: Cleber Facchi

Vocais brandos, melodias encorpadas pela leveza e serenidade. Longe da euforia exposta no primeiro álbum de estúdio, Rotomusic de Liquidificapum (1993), com o lançamento do álbum Daqui Pro Futuro (2007), o Pato Fu parecia sustentar o ato final de um extenso processo de amadurecimento e filtragem dentro dos próprios conceitos. Não por acaso, passado a entrega do oitavo registro da carreira, todos os esforços da banda foram apontados para fora, em projetos paralelos – como os discos solo de Fernanda Takai e Ricardo Koctus -, um álbum de versões – Música de Brinquedo (2010) -, e até mesmo no diálogo de John Ulhoa com a produção de outros artistas. O evidente encerramento de uma jornada.

Em um exercício elétrico, como um reboot, ao pisar no território instável de Não Pare Pra Pensar (2014, Rotomusic), nono e mais recente álbum de inéditas do grupo mineiro, todo o “descontrole” incorporado na década de 1990 volta a movimentar o trabalho da banda. Colagens eletrônicas, guitarras insanas e a tradicional desconstrução do pop convencional. Ainda que a voz de Takai pareça tão macia e confortável quanto no debut solo Onde Brilhem os Olhos Seus (2009), em se tratando dos arranjos e temas a direção é outra.

Síntese perfeita de todo o material pensado para o disco, a inaugural Cego Para As Cores apresenta a “nova” direção assumida pelo reformulado quinteto – ex-baterista, Xande Tamietti agora dá lugar ao “novato” Glauco Nastacia. Enquanto as bases eletrônicas se aproximam das referências lançadas pós-Isopor (1999) – um som meio Trip-Hop, meio Drum’n’Bass -, a guitarras e baixo da música invadem o mesmo espaço de obras como Televisão de Cachorro (1998) e Gol de Quem? (1994). Intencional ou não, a ordem aqui é brincar com as possibilidades.

Feito um pequeno livro de recortes, há espaço para tudo, como se cada canção partisse de uma direção específica. Sertanejo em Eu Era Feliz, o rock dos anos 1970 em You Have To Outgrow Rock’n Roll, e até uma colisão de todos os elementos em Ninguém Mexe Com o Diabo, uma das melhores composições já assumidas pelo vocal de Ulhoa. A jugar pela constante quebra entre as faixas, não seria um erro encarar o presente disco como um irmão bastardo da sequência de obras lançadas pela banda há duas décadas. Continue reading

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , ,

Disco: “Faith in Strangers”, Andy Stott

Andy Stott
Experimental/Electronic/Techno
https://soundcloud.com/modernlove/

Por: Cleber Facchi

A simples incorporação de vocais e novas estruturas melódicas durante o lançamento de Numb, em setembro de 2012, serviu como alerta para a mudança de direção no trabalho de Andy Stott. Em um intervalo de poucos meses, o produtor britânico havia abandonado a estrutura rústica incorporada em Passed Me By e We Stay Together, ambos de 2011, para mergulhar em um som reconfigurado, leve, princípio para os conceitos que seriam ampliados com a chegada de Luxury Problems, do mesmo ano. Ao apresentar Violence, há poucos meses, Stott – mais uma vez -, parecia anunciar uma nova direção.

Inicialmente branda, a faixa segue com as experiências lançadas no registro anterior, entretanto, basta que Alison Skidmore – colaboradora desde o álbum de 2012 – apareça para que toda a estrutura assinada pelo produtor desmorone. Enquanto regressa ao espaço autoral tecidos nos EPs de 2011, todo um novo jogo de referências confortam a canção, reforçando um palco de pequenas novidades. Ruídos metálicos, vozes sombrias e isolamento. Uma fração dos temas ampliados em essência com Faith in Strangers (2014, Modern Love).

Talvez reflexo de recentes inventos do artista, com o segundo registro oficial, Stott busca se esquivar da produção de um conteúdo homogêneo. Grande parte das experiências ampliadas pelo registro nascem como uma natural extensão do som entregue há poucos meses pelo Millie & Andrea, projeto paralelo dividido com Miles Whittaker, do selo Modern Love. Perceba a maior flexibilidade dos temas em Demage, uma representação do lado “comercial” do britânico.

Como explícito no interior de Science And Industry e demais faixas cortadas pela voz de Skidmore, em Faith in Strangers, pela primeira vez, Andy Stott ressalta a “mensagem” e não apenas o “som”. Mais do que levantar imensos paredões ambientais, como em Luxury Problems, com o presente álbum pequenas desilusões sentimentais são condensada no interior dos versos, completos pela rústica interferência de ruídos eletrônicos que parecem vindos de algum lugar no começo dos anos 1990. Continue reading

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , , ,

Jaloo: “Insight EP”

.

Quatro faixas, direção artística de Carlos Eduardo Miranda e uma nova interpretação da música pop. Em Insight EP – trabalho que contou com lançamento pelo selo StereoMono, da plataforma Skol Music -, o paraense Jaime Melo se apresenta de forma definitiva como Jaloo. Na trilha do som apresentado nos últimos meses, com o presente lançamento os temas eletrônicos/dançantes do Sci-Fi Brega não apenas são ampliados, como ainda contam com um acervo de novas referências – caso de elementos do R&B e Bass – e maior refinamento.

Das quatro composições que recheiam a obra, Downtown e a excelente versão para Oblivion, da cantora canadense Grimes, já são velhas conhecidas do público. Entre as criações inéditas, além da própria faixa-título, Jaloo apresenta Odoiá (In Your Eyes), uma música definida pelo cantor como “é docinha, mas ‘treta'”. Em entrevista ao site da Rolling Stone Brasil, onde o registro foi inicialmente lançado, Melo resume um pouco do trabalho, fala sobre cada uma das faixas e ainda discute o processo de produção do EP. Em setembro Jaloo havia assumido uma nova sonoridade durante o lançamento de Downtown, veja nosso texto sobre a faixa.

.


Jaloo – Insight EP 

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , ,

Jamie XX, Four Tet, Koreless e John Talabot: “Continuum”

.

Embora parceiros esporádicos há bastante tempo Jamie XX, Four Tet, Koreless e John Talabot nunca estiveram envolvidos em um mesmo projeto colaborativos. Pelo menos até agora. Parceira do baterista e principal produtor do The XX durante o clipe de Sleep Sound, Sofi Mattioli e a colaboradora Rebecca Salvadori acabam de apresentar um novo curta-metragem chamado Continuum. Para a trilha sonora do vídeo de quase nove minutos – assista via Nowness -, Sofi convidou o quarteto de produtores.

Originalmente, todo o extenso material se divide em quatro composições distintas. Sunrise de Jamie XX, Dew do veterano Kieran Hebden, Horizon de Koreless e Aim do espanhol Talabot. No site Stereogum você pode baixar cada uma das versões isoladas das faixas. Abaixo, a edição completa do material, também disponível para download.

.

Jamie XX, Four Tet, Koreless e John Talabot – Continuum

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , ,