Em um intervalo de apenas cinco anos, Abel Tesfaye se transformou em um gigante da música Pop/R&B. Da apresentação com três obras de peso para o gênero – House of Balloons, Thursday e Echoes of Silence –, passando pela entrada em uma grande gravadora com Kiss Land (2013), até alcançar o sucesso em Beauty Behind the Madness (2015), cada registro apresentado pelo cantor, compositor e produtor canadense se revela como a passagem para um mundo de sonhos, medos, delírios e declarações de amor. Uma discografia marcada pelos sentimentos.

Com a passagem do The Weeknd pelo Lollapalooza Brasil 2017 – edição que ainda conta com nomes como The XX, The Strokes, MØ e Tegan and Sara –, aproveitamos para organizar toda a obra do artista canadense em mais uma edição do Cozinhando Discografias. Da estreia com House of Balloons (2011), ao último álbum de estúdio, Starboy (2016), classificamos cada um dos registros do pior para o melhor lançamento.

Continue Reading "Cozinhando Discografias: The Weeknd"

. Em Kiss Land, quarto (!) álbum da carreira como The Weeknd, Abel Tesfaye sentiu o peso da própria gravadora durante a formação do registro. Trabalho mais comercial e simples do artista até o momento, o álbum entregue há poucos meses em nada se compara ao detalhamento encontrado na trilogia de 2011 – House of Balloons, Thursday e Echoes of Silence -, efeito que volta a ser reforçado com a chegada de Often, mais novo single do artista e um regresso inteligente aos primeiros discos….Continue Reading “The Weeknd: “Often””

. Jacques Greene parece em busca de um lugar só dele dentro da nova safra de representantes do R&B estadunidense. Depois de colaborar com nomes como How To Dress Well e Autre Ne Veut apenas em 2013, o músico/produtor reaparece agora com o trabalho que deve apresentá-lo oficialmente: Phantom Vibrate EP. Previsto para o dia 28 de abril, o registro usa da recém-lançada No Excuse como uma ferramenta de atração para o ouvinte. Seguindo a trilha de Arthur Ashin, porém, em uma aproximação muito maior…Continue Reading “Jacques Greene: “No Excuse””

. Todos querem ser Beyoncé. Lançado aos 45 dos segundo tempo em 2013, o quinto trabalho de estúdio da cantora norte-americana continua reverberando de forma assertiva em diferentes campos da música pop – e até mesmo fora dela. Depois da série de remixes e versões que vem ocupando a internet ao longo dos últimos meses, chega a vez de dois artistas de peso apresentarem suas próprias interpretações/remixes da faixa: Kanye West e The Weeknd. Enquanto o primeiro é encaixado em um remix curioso da canção,…Continue Reading “Beyoncé: “Drunk In Love” (Kanye West/The Weeknd Remix)”

. Depois de muita expectativa e meses de preparação para o lançamento de Kiss Land, Abel Tesfaye provou que ainda está longe de manter a mesma boa forma do debut (triplo) que o apresentou em 2011. Entretanto, isso não quer dizer que o produtor norte-americano não esteja apto a desenvolver uma série de boas parcerias – como já vem fazendo há bastante tempo. Em Secrets, parceria com o misterioso Jr. Hi, Tesfaye não apenas resgata a boa forma imposta em House Of Balloons, como ainda…Continue Reading “Jr. Hi – Secrets (ft. The Weeknd)”

The Weeknd
Canadian/R&B/Electronic
https://www.facebook.com/theweeknd

 

Por: Fernanda Blammer

The Weeknd

Sabe a sensação de piscar, perceber que um disco inteiro passou e você não conseguiu extrair nada dele? Assim é Kiss Land (2013, Republic/XO), novo álbum do The Weeknd. Representação genérica do mesmo cenário doloroso/erótico da trilogia – House of Balloons, Thursday e Echoes of Silence – que apresentou o produtor canadense em 2011, o aguardado “debut” mais parece uma extensão de tudo o que Abel Tesfaye vinha promovendo, mas em uma versão ausente de brilho. Reaproveitamento de temas, versos e bases sonoras arrastadas, o disco não apenas tropeça no mais do mesmo, como afunda por completo na preguiça e ausência de inspiração.

Teria o artista gasto toda a capacidade em compor e produzir com a trilogia inicial? A sequência aprimorada de grandes faixas lançadas em um curto espaço de tempo teriam exaurido a criatividade do produtor? A julgar pela incapacidade do canadense em prender o ouvinte ao longo do novo disco, a sensação é exatamente essa. Mesmo quem chega agora, sem ter espiado o catálogo de emanações sombrias da trinca inicial de álbuns, vai se deparar com o óbvio. The Weeknd virou Chris Brown, Tyga ou qualquer outro nome tão desgastado dentro do gênero, que pode facilmente ser confundido. A voz é dele, mas todo o resto não é.

Afundado em drogas, sexo, melancolia e desespero, Tesfaye trouxe há pouco tempo faixas como The Morning, Thursday e Wicked Games, canções que mais parecem desequilibrar a fórmula do R&B tamanho o detalhismo que acompanha os versos e, principalmente, os sons. Imerso em samples de Beach House, Aaliyah, Cults e Cocteau Twins, o produtor encontrou um cenário musical isolado, efeito que abasteceu criativamente até a obra de outros artistas centrados no mesmo estilo. Mesmo ao brincar com Dirty Diana, clássico de Michael Jackson, a identidade de Tesfaye é tamanha que a faixa simplesmente deixa as mãos do “Rei do Pop”, para se transformar em um invento do canadense. Em Kiss Land você não encontra nada disso.

Tão plástico quanto os trabalhos assinados pelo produtor para outros rappers, o novo álbum parece fluir como um bloco previsível de sons, pronto para consumo. Basta comparar a parceria com o conterrâneo Drake, em Live For, com a mesma colaboração firmada na faixa The Zone, do disco Thursday. Enquanto no álbum de 2011 a música carrega vocalizações precisas e crescentes, uma base atmosférica alicerça com parcimônia a chegada do convidado. Tudo é preciso, cuidadosamente posicionado. Agora, vozes, sons e rimas se aglomeram em uma massa densa, indistinta, efeito que pasteuriza toda a extensão do álbum. Do sample de Machine Gun (Portishead) em Belong To The World, ao texto ensaiado que inaugura o disco, com Professional, tudo faz converter a obra do canadense em um jogo atento de ideias repetidas e fáceis de serem antecipadas.

Continue Reading "Disco: “Kiss Land”, The Weeknd"

. Abel Tesfaye sabe como brincar com as preliminares. Com uma condução suave e entregando aos poucos parte do repertório de Kiss Land, o produtor norte-americano faz do mais novo lançamento uma prova de que o novo disco do The Weeknd está longe de crescer à sombra da trilogia que o antecede. Em Live For, parceria com o conterrâneo canadense Drake, o produtor abre espaço para uma faixa que se divide entre o R&B sombrio dos trabalhos anteriores e as rimas típicas do convidado, que…Continue Reading “The Weeknd: “Live For” (ft. Drake)”

. . O caráter grandioso dos sons, vozes e também imagens reforça a atuação de Abel Tesfaye na construção de Kiss Land (2013), quarto registro em estúdio e primeiro trabalho depois da bem recebida trilogia que o apresentou em 2011. Anunciado para os próximos meses, o inédito álbum trouxe na faixa título uma prévia do que será encontrado em breve, empurrando o outra tímido R&B proposto pelo canadense em algo grandioso em essência. Com Belong To The World não é diferente. Mais novo clipe/single do…Continue Reading “The Weeknd: “Belong To The World””

. Além das já tradicionais referências eróticas e naturais abusos com drogas, um novo universo de referências se abrem para a chegada de Kiss Land, novo álbum do canadense The Weeknd. De esforço muito mais centrado no visual do que na sonoridade em si, a temática oriental parece ocupar o quarto e ainda inédito álbum do projeto comandado por Abel Tesfaye, reforço que o artista apresenta na construção do autointitulado clipe que apresenta o novo álbum. Passeando por colagens de animes, bichinhos coloridos no melhor…Continue Reading “The Weeknd: “Kiss Land””

. Com o anúncio de que Kiss Land (2013), novo álbum do canadense The Weeknd estaria a caminho, Abel Tesfaye começa a preparar o terreno, não apenas em relação aos próprios lançamentos, mas em parcerias com outros artistas e produtores. Sem se distanciar do que foi acertado com One of Those Nights, o produtor canadense firma na relação com Juicy J um complemento inevitável para a própria obra. De natureza dolorosa, a canção se espalha em um curioso cruzamento entre o Rap e o R&B,…Continue Reading “Juicy J: “One of Those Nights” (ft. The Weeknd)”