Tag Archives: Notícias

Wavves x Cloud Nothings: “No Life For Me”

.

Surpresa! No Life For Me (2015), trabalho em pareceria entre Nathan Williams (Wavves) e Dylan Baldi (Cloud Nothings) acaba de ser apresentado ao público. Originalmente anunciado no começo da março, porém, sem data de lançamento prevista, o álbum de nove composições inéditas e produção assinada por Sweet Valley já pode ser apreciado na íntegra pelo Bandcamp da “dupla”.

Gravado em diferentes sessões entre março de 2014 e junho de 2015, o registro é uma divisão exata das experiências, ruídos e temas que inspiram as duas bandas. Um cruzamento perfeito entre o Garage Rock “litorâneo” de Nathan Williams no Wavves as guitarras distorcidas, típicas da década de 1990, que Baldi há tempos vem explorando dentro do Cloud Nothings.

.


Wavves x Cloud Nothings – No Life For Me

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Nicolas Jaar: “Pomegranates”

.

Nymphs II, último trabalho apresentado por Nicolas Jaar ainda nem teve tempo de esfriar e o produtor norte-americano já está de volta com um vasto acervo de composições. Intitulado Pomegranates, o álbum de 20 faixas e temas ambientais funciona, segundo o próprio produtor, como uma espécie de trilha sonora alternativa para o clássico A Cor da Romã, filme originalmente lançado em 1969 e dirigido pelo cineasta soviético Sergei Parajanov.

Apresentado pelo próprio Jaar no Twitter e Facebook para download gratuitoPomegranates está longe de parecer uma obra de composições inéditas. Como resume no próprio texto de apresentação do trabalho, parte das canções foram resgatadas do vasto acervo do produtor, caso de Shame, música criada como base para um rap, porém, posteriormente recusada, e Garden Of Eden, faixa composta para um inseto que Jaar encontrou em casa. Com distribuição pelo selo Other People, o álbum deve ganhar em breve uma reedição em vinil. Ouça:

.

Nicolas Jaar – Pomegranates

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , ,

Four Tet: “Morning​/​Evening”

.

Desde o lançamento do álbum Pink, em 2012, Kieran Hebden parece em busca de um som cada vez mais orientado pelas batidas, conceito expandido durante o lançamento de Beautiful Rewind (2013) e reforçado agora, com a entrega de Morning/Evening (2015). Oitavo e mais recente trabalho de inéditas do produtor britânico, o álbum de duas faixas e lados bem definidos – Morning SideEvening Side – é uma verdadeira coleção de referências exploradas por Hebden na última meia década.

Seja nos trabalhos concebidos em parceria com Omar Souleyman, Jamie XX ou Burial, a cada curva musical do registro, um diferente elemento temático salta de forma distinta, prendendo a atenção do ouvinte com naturalidade. Disponível para audição e compra diretamente pelo Bandcamp, o álbum também pode ser apreciado na íntegra logo abaixo.

.


Four Tet – Morning​/​Evening

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , ,

Leon Bridges: “Coming Home”

.

Passados alguns meses desde o anúncio de lançamento, uma sequência de músicas entregues como aperitivo – Lisa Sawyer, River, Better Man – e até o empolgado registro em vídeo de Smooth Sailin’, Coming Home (2015), primeiro álbum solo do cantor e compositor Leon Bridges está entre nós. Com distribuição pela Columbia Records, o trabalho de 10 faixas e pouco mais de 30 minutos de duração nasce como um verdadeiro passeio pela música negra – R&B, Soul e Gospel – explorada entre os anos 1950 e 1960.

Personagem central da obra, Bridges se apresenta ao público como um romântico, espalhando canções de amor e faixas de puro sofrimento em cada lacuna do disco – conceitual e musicalmente planejado como um álbum “antigo”, envelhecido, possivelmente resgatado em algum sebo. Originalmente previsto para o dia 23 de junho, o álbum ancorado na obra de Otis Redding, Al Green, Sam Cooke e outros gigantes da época já pode ser apreciado na íntegra logo abaixo:

.

Leon Bridges – Coming Home

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Christopher Owens: “Chrissybaby Forever”

.

Surpresa! Passados poucos meses desde o lançamento do último trabalho em estúdio, A New Testament (2014), o ex-vocalista e guitarrista do Girls, Christopher Owens segue em carreira solo com um novo álbum de inéditas. Intitulado Chrissybaby Forever (2015), o registro produzido de forma independente e, por enquanto, disponível apenas no Bandcamp entrega ao ouvinte 15 composições inéditas e uma temática completamente distinta em relação ao resultado “mediano” do disco anterior.

Como um diálogo involuntário com o registro de estreia do Girls, o excelente Album, de 2009, Owens investe de forma inteligente no uso de arranjos ensolarados e guitarras diretas, base para o vocal sempre “arrastado” e dramático do artista. São faixas sustentadas por temas românticos, melancolia ou mesmo aspectos simples do cotidiano. Mesmo sem previsão de lançamento em formato físico (vinil), o disco pode ser apreciado na íntegra logo abaixo:

.

Christopher Owens – Chrissybaby Forever

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , ,

Ben Khan: “1000 EP”

.

Dono de um dos acervos mais interessantes da eletrônica britânica, além, claro, do ótimo 1992 EP, lançado no último ano, Ben Khan apresenta agora mais um novo registro de inéditas: 1000 EP. Ainda próximo do mesmo resultado e conceitos explorados no último ano, Khan passeia pelo R&B, pop e deferentes experimentos eletrônicos sem escapar de um resultado melódico, dançante, marca detalhada em cada uma das quatro composições do EP.

Já conhecidas do público fiel de Khan, músicas como Zenith e 2022 Zodiac continuam a reforçar o diálogo do produtor com a obra do conterrâneo Jai Paul, articulando canções de sonoridade “caseira”, mas não menos envolventes, íntimas das pistas. A principal diferença em relação aos últimos trabalho do artista britânico está na maior utilização de guitarras, preferência que quase isola os tradicionais sintetizadores testados até o último EP. Ouça:

.

Ben Khan – 1000 EP

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , ,

Nana: “Berli(m)possível”

.

Nana está de volta. Dois anos após o lançamento de Pequenas Margaridas, um dos registros mais graciosos da música brasileira em 2013, a baiana regressa ao mesmo ambiente temático e “germânico” de Expressionismo Alemão para apresentar o inédito Berli(m)possível EP. São apenas quatro composições – Ano novo, Amor, bicho geográfico, Berli(m)possível e Recomeçar -, material suficiente para que a cantora mais uma vez transporte para dentro do universo enevoado e sutil do último grande álbum de estúdio.

De um lado, o tempero doce do Twee Pop e referências que inevitavelmente tropeçam na obra inicial de Belle and Sebastian ou Camera Obscura. No outro oposto, os ritmos nacionais; elementos do samba, bossa nova e acréscimos regionais que fazem do EP um trabalho acolhedor. Recomendado para quem ainda desconhece a sonoridade da cantora, o registro pode ser apreciado na íntegra logo abaixo. No perfil de Nana no Bandcamp, um acervo enorme de singles, versões e diferentes projetos assinados pela artista nos últimos anos.

.

Nana – Berli(m)possível

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , ,

PC Music: “PC Music, Vol. 1″

.

Com um acervo imenso de Mixtapes, singles e até mesmo remixes assinados para outros artistas, já estava mais do que na hora do selo/coletivo britânico PC Music apresentar ao público algum tipo de compilação. Intitulado PC Music, Vol. 1 (2015), o primeiro registro do grupo reúne alguns dos principais trabalhos lançados entre 2014 e 2015. Um funcional cartão de visitas para quem (ainda) desconhece as composições de A. G. Cook, Danny L Harle, GFOTY, Hannah Diamond, easyFUN e Lipgloss Twins.

Ponto de partida para a nova fase do coletivo, que deve apresentar uma série de registros inéditos ao longo do ano, PC Music, Vol. 1 ressalta o trabalho e principalmente a voz de Hanna Diamond, responsável pelas ótimas Every Night e Attachment, além de emprestar os vocais para diferentes faixas no decorrer da obra. São (apenas) 10 composições, material que conta com lançamento (virtual) pelo próprio selo e audição na íntegra pelo Spotify.

.

Vários Artistas – PC Music, Vol. 1 

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , ,

Aphex Twin: “11 Flabbard [DAT14]”, “19 Winding Road” e “Medievil Rave Mk2 [pre plague mix]”

.

A imagem de “produtor recluso” aos poucos parece desaparecer de Richard D. James. Inspirado, desde que apresentou ao público o último trabalho como Aphex Twin, SYRO (2014), o escocês vem disponibilizando uma série de novas e curiosas composições pelo Soundcloud. Além do rico acervo entregue nos últimos meses, James reaparece agora com um novo nome, user48736353001, despejando uma sequência de criações inéditas no novo perfil do Soundcloud.

No material recente do produtor, composições extensas como Medievil Rave Mk2 [pre plague mix]11 Flabbard [DAT14], faixas que até parecem sobras do último álbum oficial de James. Sobram ainda canções serenas, caso de 19 Winding Road, faixa que poderia facilmente ser encontrada na fase ambiental do escocês. No perfil do produtor outras composições também podem ser encontradas. Recentemente, Aphex Twin teve a discografia organizada do pior para o melhor álbum em mais um especial da série Cozinhando Discografias.

.

Aphex Twin – Medievil Rave Mk2 [pre plague mix]

.

Aphex Twin – 11 Flabbard [DAT14]

.

Aphex Twin – 19 Winding Road

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , ,

Macaco Bong: “Macumba Afrocimética”

.

Olá amigos, é com muito prazer que apresentamos á vocês ¨Macumba Afrocimética¨ o novíssimo álbum da banda, o terceiro de nossa carreira. Está disponível na íntegra no youtube para streaming e logo menos estará disponível para download nas versões WAV,MP3 e + a versão de pré-produção do álbum + pistas abertas, tudo no site oficial da banda. Saravá!

Pesado. Depois do anúncio acima, publicado no Facebook, a cuiabana Macaco Bong apresentou ao público o quarto álbum de inéditas da carreira: Macumba Afrocimética (2015). Com oito composições inéditas, o novo registro parece seguir a trilha deixada pela banda em 2012, quando apresentou o intenso This is Rolê. Mesmo sob nova formação, o grupo segue aos comandos de Bruno Kayapy (Guitarra), abrindo passagem para o baixo de Julito e a bateria de Daniel Fumega. Com produção independente, o trabalho pode ser apreciado na íntegra logo abaixo.

.

Macaco Bong – Macumba Afrocimética

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , ,