Originalmente apresentada no último ano como parte do disco Ava Patrya Yndia Yracema – 4º lugar na nossa lista dos 50 Melhores Discos Nacionais de 2015 –, há poucos meses, Auto das Bacantes acabou se transformando em um provocativo clipe pelas mãos do diretor Pedro Paulo Rocha, irmão de Ava Rocha. Marcada pela temática feminista, a canção ressurge agora parcialmente transformada, efeito do novo conjunto de batidas e colagens assumidas pelo produtor paulistano Rico.

Ainda que preserve a voz da cantora, tão urgente e intensa quanto na versão original da composição, da abertura ao fechamento do “remix”, Rico brinca com as possibilidades. São sintetizadores levemente dançantes, batidas crescentes e interferências eletrônicas que acabam dialogando com a mesma ambientação produzida pelo artista em agosto do último ano, durante o lançamento do ótimo EP Ascender (2015).

 

Ava Rocha – Auto das Bacantes (RICO Edit)

Continue Reading "Ava Rocha: “Auto das Bacantes” (Rico Edit)"

. The Big Cover-Up (2016), esse é o nome do mais recente trabalho do produtor norueguês Todd Terje. Trata-se de um EP de versões para “clássicos” assinados por Yellow Magic Orchestra, Martin Circus, Boney M e Vangelis, mas que também serão remixados por outros produtores próximos de Terje, caso de Daniel Maloso, Dan Tyler, Prins Thomas e Øyvind Morken. Para apresentar o trabalho, nada melhor do que a dançante e divertida Baby Do You Wanna Bump. Originalmente lançada na década de 1970 pelo grupo alemão Boney M, Baby Do…Continue Reading “Todd Terje & The Olsens: “Baby Do You Wanna Bump” (Daniel Maloso Remix)”

Artista: Bwana
Gênero: Electronic, Experimental, Ambient
Acesse: http://luckyme.net/bwana/

– Nós ainda não temos o poder
– Mas um dia teremos
– Por que já começou

Ainda que a frase de encerramento de Akira, filme de 1988 dirigido e criado por Katsuhiro Ôtomo, se relacione diretamente com a trama apresenta na obra, difícil não perceber a evolução do trabalho – película ou mangá – como um poderoso fenômeno cultural. Uma ativa herança conceitual que se manifesta em diferentes produtos midiáticos – como séries, filmes e livros -, alcançando no recente Capsule’s Pride (2016, LuckyMe) um de seus melhores exemplares.

Produzido pelo canadense Nathan Micay – que aqui se apresenta sob o título de Bwana -, o registro de nove composições “inéditas” nasce como uma inteligente reciclagem de grande parte da obra apresentada há quase três décadas. Diálogos, ruídos, efeitos e até mesmo trechos extraídos da trilha sonora original do filme – assinada pelo coletivo japonês Geinō Yamashirogumi – se transformam em instrumentos nas mãos do artista de Toronto.

Em uma estrutura linear, seguindo de perto a sequência de eventos que marcam a animação de 1988, Micay brinca com grande parte da obra assinada por Ôtomo de forma instável, criando uma espécie de ponte para um território dançante, particular. Da abertura do disco, com The Capsule’s Pride (Bikes), passando por faixas como Failed Escape (Where you Belong) e The Colonel’s Mistake, The Scientist’s Regret, cenas e diálogos são cuidadosamente adaptados em um poderoso remix.

Nomes de personagens – “Akira”, “Tetsuo”, “Kaneda” e “Kei” – e até cenas inteiras que se repetem de forma cíclica dentro das batidas e temas eletrônicas do canadense, alimentando a base urgente que conduz o álbum até o últimos instante. Mesmo a trilha sonora de Geinō Yamashirogumi surge de forma picotada no interior obra, como se Micay extraísse apenas o que há de mais marcante no trabalho – vide a reciclagem das vozes em coro e toda a percussão “futurística” pensada para a película.

Continue Reading "Disco: “Capsule’s Pride”, Bwana"

. Orgunga (2016), esse é o nome do primeiro álbum de estúdio do rapper paulistano Rico Dalasam. Sucessor do ótimo Modo Diverso EP – um dos 50 Melhores Discos Nacionais de 2015 -, o trabalho que conta com previsão de lançamento para o começo de maio traz uma nova sequência de composições assinadas por nomes como Xuxa Levy, Mahal Pita (Baiana System), Rodrigo Gorky (Bonde do Rolê) e outros nomes de peso da cena eletrônica/Hip-Hop nacional. Para anunciar a chegada do registro, Dalasam decidiu fazer surpresa. Nada de canções inéditas…Continue Reading “Rico Dalasam: “Riquíssima” (Remix) [VÍDEO]”

A dupla Database lançou essa semana seu mais novo EP “Another Love”, com participação de Savoir Adore, trazendo os vocais de Paul Hammer, além de três remixes, sendo dois da dupla carioca de House e Disco, Twelves e do produtor paulistano, parte do cast do selo da Kompakt, L_cio. O lançamento é pelo selo Life on Planes, do DJ White Shadow, produtor dos álbuns “Born This Way” e “Artpop” da Lady Gaga. Formado por Lucio Morais e Yuri Chix em 2007, o Database já remixou Fatboy…Continue Reading “Database: “Another Love””

. Uma das melhores, se não a melhor composição lançada em 2015, I Know There’s Gonna Be (Good Times), nona faixa do primeiro registro em carreira solo de Jamie XX, In Colour (2015) acaba de ser relançada em uma poderosa coleção de remixes. Além da versão original da faixa, uma parceria entre o produtor britânico e os rappers Popcaaan e Young Thug, a canção que utiliza de samples do clássico Good Times, do grupo The Persuasions, conta agora com versões assinadas por Skepta e Dre Skull mostra o trabalho de XX…Continue Reading “Jamie XX: “I Know There’s Gonna Be (Good Times)” [Remixes]”

. Enquanto Dave Harrington não aparece com o primeiro registro de inéditas em carreira solo, o jeito é correr atrás dos diferentes projetos e inventos esporádicos do produtor e multi-instrumentista norte-americano. É o caso da coletânea 12 Days of Remixes. Como o próprio nome indica, trata-se de uma seleção de remixes e adaptações que passeiam pelo trabalho de diferentes nomes da música pop (Michael Jackson), rock (Lou Reed) e veteranos da música experimental (Laurie Anderson). Entre os destaques do recém-lançado trabalho – disponível para audição gratuita…Continue Reading “Dave Harrington: “12 Days of Remixes””

. Uma das principais músicas de 90059 (2015), segundo e mais recente álbum de inéditas do rapper Jay Rock, Easy Bake acaba de ser completamente remodelada por Kendrick Lamar. Convidados na versão original da faixa – que também conta com a presença da cantora/rapper SZA -, Lamar decidiu acelerar a composição, transformando a faixa de quase cinco minutos em uma peça essencialmente radiofônica de apenas dois minutos. Como o recorte de uma transmissão de rádio, Lamar brinca com a inserção de um apresentador nos instante iniciais, valoriza a relação…Continue Reading “Jay Rock: “Traffic Jam (Easy Bake Remix)” [feat. Kendrick Lamar & SZA]”

. Se existe uma coisa que o produtor britânico John Hopkins sabe fazer muito bem, além das próprias canções, claro, são remixes. Responsável pelo excelente Immunity – um dos 50 melhores discos internacionais de 2013 -, além de faixas assinadas ao lado de Purity Ring e outros artistas recentes, Hopkins foi convidado pelos irmãos Guy e Howard Lawrence para produzir o novo remix de Magnets, parceria com a cantora neozelandesa Lorde e uma das principais composições do álbum Caracal (2015). Em um explícito distanciamento da…Continue Reading “Disclosure: “Magnets” (ft. Lorde) [Jon Hopkins Remix]”

. Depois de muita expectativa – e nenhuma data anunciada -, Don’t You, álbum de estreia da banda nova-iorquina Wet deve acabar ficando para o começo de 2016. Entretanto, mesmo com a ausência de um prazo específico, o trio formado por Kelly Zutrau, Marty Sulkow e Joe Valle continua a presentear o público com uma sequência de composições inéditas. É o caso da recém-lançada Weak, uma das faixas mais delicadas e comerciais já apresentadas pelo grupo. Livre da base minimalista detalhada em faixas como You’re The Best,…Continue Reading “Wet: “Weak” (Clams Casino Remix)”