Tag Archives: Remixes

CHVRCHES: “Leave A Trace” (Four Tet Remix)

.

Você não precisa ir além da capa de Every Open Eye (2015) – imagem acima – para perceber quais são as inspirações do segundo álbum da banda britânica CHVRCHES. Nitidamente inspirada no clássico Power, Corruption & Lies (1983), do New Order, a imagem funciona como pista para a busca por som nostálgico, carregado de sintetizadores e melodias típicas dos anos 1980, conceito que serve de base para a inédita Leave A Trace, primeiro single do novo registro em estúdio do trio de Glasgow.

De natureza melancólica, a faixa sustenta na voz doce de Lauren Mayberry uma típica peça de separação, encontrando no uso de melodias alongadas e batidas pontuais uma explícita relação com o R&B, marca que separa o novo (e ainda inédito) disco do antecessor The Bones of What You Believe (2013). Além da nova faixa, o grupo – completo com os produtores Iain Cook e Martin Doherty – ainda reserva uma sequência de 10 faixas inéditas, todas, como dito em entrevista, movidas pelo mesmo teor entristecido da presente composição.

Depois do clipe apresentado há poucos dias, Leave A Trace acaba de se transformar completamente nas mãos e batidas de Four Tet .

Every Open Eye (2015) será lançado no dia 25/09 pelo selo GlassNote.

.

CHVRCHES – Leave A Trace (Four Tet Remix)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , ,

Aperitivo: 10 Remixes de Músicas do Tame Impala

rp_tumblr_nplibeUAQ81r9ykrko1_540.png

.

Como se não bastasse o rico acervo de composições apresentado pelo Tame Impala no recente Currents (2015), aos poucos a banda australiana deve presentear o público com uma série de remixes e pequenas adaptações instrumentais do terceiro álbum de estúdio.

Depois da espantosa versão entregue pelas garotas do HAIM em parceria com o produtor Ariel Rechtshaid para ‘Cause I’m A Man, nada melhor do que relembrar outras ótimas adaptações do som produzido pela banda de Kevin Parker. Remixes, mashups e adaptações assinadas por diferentes artistas, produtores e até parceiros do grupo. Continue reading

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , ,

Dupla brasileira Arcade Fighters lança novo trabalho autoral por selo suiço Horeazon

000000arcade

Arcade Fighters é uma dupla brasileira que está ganhando destaque na mídia e nos ouvidos pelo Brasil e no mundo. Suas músicas que misturam Disco House e Nu-Disco vem ganhando força, isso devido as suas produções criativas e com muita influência de artistas nacionais com sons bem tupiniquins. Depois do sucesso do “Brazilian Edits Vol 1”, eles voltam com um trabalho que da vontade de dançar, que não deve em qualidade a nenhum outro produtor do gênero.

Seu mais novo ep o “Voltei Pra Você”, trabalho com cinco faixas, foi lançado pelo selo suíço “Horeazon Records”, que atualmente é um dos mais renomados selos da Europa. O disco inclui três faixas originais, além de dois remixes feito por artistas internacionais. As músicas estão disponíveis para audição e download gratuito no soundcloud dos rapazes, que já tem novidades que saim em breve.

 

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , , ,

Jamie XX: “Loud Places” (John Talabot’s Loud Synths Reconstruction)

.

Longe de sufocar em uma provável zona de conforto, Smith utiliza do registro de forma a brincar com os próprios limites, trabalhando em cima de velhas bases conceituais. Efeito dessa constante ruptura sobrevive de forma comercial, quase pop, nas melodias, samples e rimas de I Know There’s Gonna Be (Good Times). Faixa mais acessível de todo o disco, a composição que resgata trechos de Good Times – música lançada em 1972 pelo coletivo The Persuasions – logo se entrega aos domínios de Young Thug e Popcaan, artistas convidados especialmente para a canção e, temporariamente, donos de toda a obra.

Mesmo a aproximação de Smith com o UK Garage/Dubstep parece alterada com o passar do disco. Músicas que apontam para uma sonoridade ainda mais intensa, urbana, ponto de equilíbrio nas dançantes The Rest Is Noise e Hold Tight. Outro elemento sedutor da obra são os samples. É fácil se perder pelo disco, passar horas pesquisando sobre cada música (antiga) utilizada por Smith, tão íntimo de clássicos da década de 1970 – vide Could Heaven Ever Be Like This (1977) do músico Idris Muhammad em Loud Places -, como de faixas ainda “recentes” – caso de Karma(2003) da cantora Alicia Keys em Sleep Sound. Leia o texto completo.

Parceiro de longa data de Jamie XX – veja aqui -, John Talabot acaba de apresentar uma curiosa adaptação do trabalho do produtor britânico com Loud Places (John Talabot’s Loud Synths Reconstruction). Ouça:

.

Jamie XX – Loud Places (John Talabot’s Loud Synths Reconstruction)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , ,

Panda Bear: “PBVSGR Remixes”

.

Noah Lennox não deve descansar tão cedo. Em pleno processo de divulgação do álbum Panda Bear Meets the Grim Reaper (2015), um dos melhores trabalhos lançados nos últimos meses, o artista norte-americano acaba de presentear o próprio público com mais uma novidade. Trata-se da coletânea PBVSGR Remixes (2015), uma seleção curta com cinco faixas extraídas do novo álbum e remodeladas nas mãos de outros produtores.

Entre os nomes que integram o trabalho, Danny L Harle do selo PC Music (Come To Your Senses), o produtor britânico Andy Stott (Boys Latin) e Pete Rock, este último, responsável pela excelente transformação da faixa Crosswords, agora muito mais dançante. PBVSGR Remixes pode ser apreciado na íntegra pelo soundcloud, ou no player abaixo. Panda Bear Meets the Grim Reaper é um dos trabalhos que integram nossa lista dos 25 melhores discos de 2015 (até agora).

.

Panda Bear – PBVSGR Remixes

 

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , ,

SIA: “Elastic Heart” (Clams Casino Remix)

.

Clams Casino só precisa de alguns segundos até transformar qualquer grande exemplar do pop/Hip-Hop alternativo em algum invento de essência particular. Sem necessariamente romper com as melodias plásticas da australiana Sia no ótimo 1000 Forms Of Fear (2014), o produtor norte-americano transforma os versos de Elastic Heart em um instrumento autoral, marca para a nova versão que bem poderia ter escapado de algum registro assinado pelo produtor.

Composição mais “acessível” já lançada pelo artista desde a série de Mixtapes/EPs iniciada em 2011, a música de quase seis minutos não apenas preserva a essência da cantora pop, como busca conforto no universo autoral de Clams Casino. Vocalizações pop que tropeçam em meio a batidas quebradas, ruídos instáveis e todo o universo particular, típico de Casino.

.

Sia – Elastic Heart (Clams Casino Remix)

 

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , ,

Ryn Weaver: “OctaHate” (Cashmere Cat Remix)

.

Mesmo iniciante, Ryn Weaver esbanja maturidade. Para a produção do single de estreia OctaHate, a cantora nova-iorquina/californiana apareceu cercada de colaboradores. Na produção, Michael Angelakos, vocalista do Passion Pit que ainda dividiu os créditos da faixa com a britânica Charli XCX e Benny Blanco. Entre os convidados para a construção do hit, o versátil Cashmere Cat, um dos personagens mais significativos da eletrônica-indie-pop atual e responsável pelo novo remix da recente faixa de Weaver.

Sem fugir dos sintetizadores, vocais limpos e toda a estrutura Pop/R&B da canção, Cat aproxima (ainda mais) a música das pistas, criando pequenos atos capazes de potencializar a voz da Weaver. Batidas quebradas, vozes em loop e delicadas ambientações entre os espaços, uma colisão de novas referências que tornam a música ainda melhor do que a versão anterior. Ouça:

.

Ryn Weaver – OctaHate (Cashmere Cat Remix)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , ,

How To Dress Well: “Precious Love” (Cyril Hahn Remix)

.

Depois da excelente versão de A. G. Cook para Repeat Pleasure, além do ótimo trabalho do produtor The Range na adaptação de Words I Don’t Remember, chega a vez de outro artista convidado brincar com a música de How To Dress Well. Em Precious Love, o canadense Cyril Hahn mantém firme o som intimista apresentado por Tom Krell, porém, transforma os quase cinco minutos do “remix” em uma espécie de regresso aos primeiros inventos de estúdio do vizinho estadunidense.

Assim como as últimas adaptações do trabalho de Krell, a nova versão de Precious Love faz parte do próximo lançamento do norte-americano, o EP coletânea “What Is This Heart?” Remixes. Pequena interpretação do último disco do HTDW a partir de um time de convidados, a obra de quatro peças acaba de ser lançada pelo selo Weird World, mas pode ser apreciada em partes no player abaixo. Aproveite para ler o texto de “What Is This Heart?” (2015), um dos grandes registros do ano.

.

How To Dress Well – Precious Love (Cyril Hahn Remix)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , ,

How To Dress Well: “Words I Don’t Remember” (The Range Remix)

.

Ainda emocionado com a delicadeza e melancolia de How To Dress Well em “What Is This Heart?”? Então saiba que Tom Krell, grande responsável pelo projeto, ainda reserva boas novidades para o próprio público em 2014. Além da turnê de divulgação do trabalho, o músico norte-americano reserva para o dia 27 de outubro o lançamento da coletânea/EP “What Is This Heart?” Remixes.

Com distribuição pelo selo Weird World, o registro apresenta diferentes versões para algumas das melhores faixas do recente álbum. Depois de A. G. Cook brincar de forma assertiva com a estrutura de Repeat Pleasure, lançada há poucas semanas, chega a vez de James Hinton (The Range) garantir novo acabamento à delicada Words I Don’t Remember. Mesmo próxima do som explorado pelo produtor em Nonfication (2013), a essência do HTDW permanece estável, prova de que Krell escolheu bem os colaboradores do novo projeto.

.

How To Dress Well – Words I Don’t Remember (The Range Remix)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , ,

Pedrowl: “What A Girl Wants”

.

Há poucos meses falamos sobre o ótimo remix – eu diria nova versão – para You Like It, faixa originalmente lançada pelo rapper Omarion no começo do ano, porém, completamente transformada nas mãos do produtor paulistano Pedrowl. Agora é hora de ser mais uma vez surpreendido pelo jovem artista. Tendo em mãos What A Girl Wants, um dos bons exemplares de Christina Aguilera nos anos 1990, o produtor mais uma vez deixa de lado a base original da canção, remodelando completamente a versão original da faixa.

O resultado está em uma faixa carregada de referências do Hip-Hop/Cloud Rap, toda uma sobrecarga de palminhas do single anterior e a voz (agora) robotizada, quase pueril, de Aguilera. Altamente recomendada para quem vem acompanhando o trabalho dos britânicos SOPHIE, A. G. Cook e toda a “equipe” do selo PC Music. Aproveite para ouvir outras composições e remixes lançados no Soundcloud de Pedrowl.

.

Pedrowl – What A Girl Wants

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , ,