Tag Archives: Remixes

Beyoncé: “Drunk In Love” (Kanye West/The Weeknd Remix)

Beyoncé

.

Todos querem ser Beyoncé. Lançado aos 45 dos segundo tempo em 2013, o quinto trabalho de estúdio da cantora norte-americana continua reverberando de forma assertiva em diferentes campos da música pop – e até mesmo fora dela. Depois da série de remixes e versões que vem ocupando a internet ao longo dos últimos meses, chega a vez de dois artistas de peso apresentarem suas próprias interpretações/remixes da faixa: Kanye West e The Weeknd.

Enquanto o primeiro é encaixado em um remix curioso da canção, o segundo resolveu brincar completamente com a essência da música. Utilizando do próprio vocal e de pequenas alterações instrumentais na faixa, Abel Tesfaye encontra na música uma espécie de continuação do exercício testado com Kiss Land, lançado em 2013. São as mesmas batidas ascendentes em proximidade aos vocais frenéticos, exercício que sustenta apenas o versão da música original. Na dúvida, fique com a versão original.

.

Beyoncé – Drunk In Love (ft. Jay Z & Kanye West)

.


Beyoncé – Drunk In Love (The Weeknd Remix)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , , ,

Beyoncé: “Partition” (Azealia Banks & Busta Rhymes)

Beyoncé

.

Azealia Banks não perde a oportunidade de passear pela obra alheia. Assim como já aconteceu com Baauer, Interpol e The Strokes no último ano, chega a vez da artista nova-iorquina brincar com o trabalho de Beyoncé. A escolhida para ser remixada e ter alguns dos versos da rapper encaixados sem grandes alterações foi Partition, uma das composições mais sóbrias do quinto e homônimo álbum da diva. acompanhada de perto por Busta Rhymes, que inclusive abre a canção, Banks assume a função de potencializar o clima brando da faixa – pontuada pelo uso de vocalizações climáticas e batidas soturnas que esbarram no R&B 90’s.

Diferente dos anteriores projetos em que emprestou os próprios vocais, em Partition a rapper parece até recatada, o que não quer dizer que seja impossível notar sua presença, ainda mais rimando de forma erótica, em francês. Distante dos holofotes há alguns meses, Azealia reserva para março a chegada do aguardado Broke With Expensive Taste, primeiro e aguardado registro em estúdio.

.

Beyoncé – Partition (Azealia Banks & Busta Rhymes)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , ,

Vampire Weekend: “Step” (Feat. Danny Brown, Heems & Despot)

Vampire Weekend

.

Desde o lançamento do clipe para Diane Young há alguns meses, o Vampire Weekend e seus integrantes pouco se interessaram em lançar qualquer novo material relacionado ao ainda quente Modern Vampires of The City (2013). Terceiro registro em estúdio do quarteto nova-iorquino e um dos grandes discos do último ano – o melhor na nossa lista de lançamentos internacionais -, o trabalho parece ter se sustentado por conta, o que não quer dizer que a banda tenha esquecido dele. Para celebrar a boa recepção do disco, um time de rappers foi convidado para a nova versão da faixa Step. Terceira faixa do álbum e uma das primeiras canções a serem apresentadas, a canção encontra nas rimas de Danny Brown, Heems e Despot um natural complemento para a lírica urbana de Ezra Koenig, que no começo e fechamento da música ainda marca presença.

.

Vampire Weekend – Step (Feat. Danny Brown, Heems & Despot)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , ,

Ryan Hemsworth: “☺RYANPACKv.1☺”

Ryan hemsworth

.

Se existe alguém que trabalhou muito em 2013, este foi Ryan Hemsworth. Dono do ótimo Still Awake EP e do climático Guilt Trips, o produtor canadense fez do catálogo de remixes, versões e pequenos recortes instrumentais, a abertura para uma das obras mais extensas e versáteis do ano. Mesmo apresentando tudo em sua movimentada página no Soundcloud, Hemsworth reservou algumas surpresinhas especialmente para presentear o público que o acompanha. Trata-se da coletânea ☺RYANPACKv.1☺, trabalho que concentra dez músicas inéditas produzidas recentemente e que seguem a mesma trilha inventiva do produtor. Além dos (ótimos) remixes para Lorde, Danny Brown, Beyoncé e Disclosure, Hemsworth preparou uma mensagem de agradecimento ao público e um pequeno compilado de fotos tiradas por/com alguns fãs. Para baixar todo o trabalho de forma gratuita, basta clicar na capa logo em sequência. Abaixo você também pode ouvir e baixar o ótimo Still Awake EP.

.

Ryan Hemsworth

Ryan Hemsworth - ☺RYANPACKv.1☺

.

Ryan Hemwsorth – Still Awake EP

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , , , , ,

Disclosure: “Latch” (DJ Premier Remix)

Disclosure

.

Muita gente dançou ao som de Disclosure em 2013, e para o próximo ano não deve ser diferente. Com previsão de lançamento para o dia 17 de Dezembro, Settle: The Remixes deve revisitar alguns aspectos da obra de estreia do duo britânico, trazendo em um catálogo específico de remixes um novo olhar sobre o bem recebido registro. Com um acabamento que deve funcionar dentro e fora das pistas, o álbum trouxe na produção de Kaytranada e sua curiosa interpretação de January o primeiro exemplar do disco, entretanto, é na versão de DJ Premier para Latch que o projeto mostra de fato a que veio. Um pouco mais lenta que a faixa original, o remix assume nas batidas arrastadas um espaço maior para os vocais de Sam Smith, que confortavelmente ocupa todas as direções da “nova” música. Settle é um dos 50 Melhores Discos Internacionais de 2013 segundo nossa lista de melhores do ano.

.

Disclosure – Latch (DJ Premier Remix)

.

Disclosure – January (Kaytranada Remix)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , ,

Giorgio Moroder: “Tony’s Theme”

Al Pacino

.

Três décadas se passaram desde que Brian De Palma apresentou ao mundo a (hoje) clássica refilmagem de Scarface (1983). Película assumida pela atuação memorável de Al Pacino, ou melhor, o eterno Tony Montana, o trabalho será relançado em breve dentro de uma edição especial para colecionadores. Para celebrar os 30 anos do filme e da trilha sonora que acompanha a obra, o veterano Giorgio Moroder foi convidado para produzir um remix especialmente para a canção tema do personagem interpretado por Paccino. Sombria e ainda assim pronta para as pistas, a canção encontra em recortes do filme, bem como na expressa relação com a música Disco, de Moroder, uma curiosa interpretação. Feita para as pistas, mas capaz de ir além dela, o registro dá sequência ao catálogo de novas composições remixadas pelo produtor, que na última semana presenteou o público com a desconstrução de Forever, do trio Haim.

.


Giorgio Moroder – Tony’s Theme

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , ,

Cults: “High Road” (Baio Remix)

Cults

.

A composição melancólica das canções bem como o caráter de distanciamento do ex-casal Brian Oblivion e Madeline Follin fizeram de Static (2013), segundo álbum de estúdio do Cults, uma obra que dividiu opiniões. Entretanto, o tratamento soturno que decide os rumos do álbum está longe de ser encontrado no cenário tropical que Chris Baio (Vampire Weekend) trouxe para o curioso remix de High Road. Faixa mais dolorosa de todo o disco, a canção deixa de lado o cenário cinza que a define para brincar com um conjunto de soluções ensolaradas. Trazendo para a faixa a mesma composição estética que marca o EP Mira, apresentado há alguns meses, a “nova” canção praticamente transporta o desencontro da dupla para a beira do mar, recheando as tradicionais guitarras e bases da canção por sintetizadores consumidos pelas cores.

.


Cults – High Road (Baio remix)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , ,

Haim: “Forever” (Giorgio Moroder Remix)

Haim

.

Em meio a tantos grandes lançamentos e obras de destaque que ocuparam o ano de 2013, poucos parecem ter se divertido tanto quanto o produtor italiano Giorgio Moroder. Um dos responsáveis pela construção de Random Access Memories, do Daft Punk, o veterano trouxe para uma sequência de projetos atuais um pouco do espírito e da essência da década de 1970 – isso sem contar no primeiro DJ set da carreira do artista. Agora é a vez de Moroder emprestar um pouco do charme empoeirado do período para a obra do Haim. Seguindo a trilha oitentista que sustenta Forever, o produtor acrescenta uma carga significativa de novos sintetizadores e batidas, além, claro, das pequenas vocalizações que imediatamente transportam a obra para o mesmo cenário. Com ares de remix de algum clássico da Eurodisco nos anos 1990, a faixa sai das mãos do italiano diretamente para as pistas.

.


Haim – Forever (Giorgio Moroder Remix)

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , ,

Brown Bells: “Dippin Demos” & “Grown Up Rivals”

Brown Bells

.

E se alguém resolvesse aproximar as rimas velozes de Danny Brown do universo caótico que naturalmente abastece a obra da dupla Sleigh Bells? Pois foi exatamente isso que o selo Fool’s Gold Records, casa do rapper norte-americano, resolveu investir recentemente. Lançado para celebrar uma apresentação em conjunto dos dois projetos, Brown Bells funde as rimas do primeiro com os sons ruidosos do segundo, invertendo essa ordem de forma natural ao longo das canções. São apenas duas faixas, Dippin Demos e Grown Up Rivals, que aproximam tanto os recentes lançamentos dos artistas, como projetos apresentados no último ano – caso do single Grown Up e do álbum Reign Of Terror. O melhor resultado ficou por conta de Dippin’ Demon, canção que funde a urgência da faixa Dip, de Brown, com a avalanche de ruídos de Demons, um acerto que bem poderia ser repetido em um novo projeto colaborativo.

.


Brown Bells – Dippin Demos & Grown Up Rivals

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , ,

Viní: “Every Single Night”

Viní

.

E se alguém misturasse as batidas marotas do Funk Carioca com toda a melancolia alcançada por Fiona Apple em The Idler Wheel (2012)? O resultado “irracional” em um primeiro pensamento parece superado com acerto na curiosa versão que o paulistano Viní trouxe para Every Single Night. Não se trata de um remix, mas uma complete perversão da faixa que marcou o retorno da cantora nova-iorquina no último ano. Valorizando o que a estrutura da composição traz de melhor – as batidas -, a “nova faixa” se esparrama em um jogo hipnótico de vozes e beats em um compasso próprio, ultrapassando sem dificuldades qualquer suposto remix assinado por algum artista gringo desde o último ano. Com ares de Ryan Hemsworth e Ta-Ku, a canção desliza fácil pelos ouvidos, sendo mais um óbvio acerto na recente fase do produtor. Pronto, agora já posso tocar Fiona Apple nas festas.

.

Viní — Every Single Night

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , , , ,