Tag Archives: Resenhas

Disco: “Beauty Behind the Madness”, The Weeknd

The Weeknd
R&B/Soul/Pop
http://www.theweeknd.com/

Seja por pressão da gravadora ou dificuldade de adaptação, uma coisa é certa, perto da sequência de obras apresentadas por Abel Tesfaye em Trilogy (2012) – House of Balloons, Thursday e Echoes of Silence -, Kiss Land (2013) é um trabalho de qualidade inferior. Boas composições e letras fortes aparecem aqui e ali – caso de Live For, Wonderlust ou da própria faixa-título -, nada que se compare ao catálogo de versos e arranjos provocantes dos primeiros registros, elementos responsáveis por catapultar a obra do The Weeknd e sustentar músicas como Wicked Games, The Morning ou mesmo a poderosa The Fall.

Com a chegada de Beauty Behind the Madness (2015, XO / Republic), quinto registro de inéditas e segundo álbum lançado por uma grande gravador, uma grata surpresa. Ao mesmo tempo em Tesfaye que mantém firme a sonoridade explorada desde a estreia, em 2011, difícil não encarar o novo registro como um típico exemplar da música pop. Da estrutura descomplicada ao time de convidados – Lana Del Rey, Ed Sheeran e Kanye West -, o canadense conseguiu transformar o novo álbum em uma verdadeira metralhadora de hits.

Sem necessariamente buscar apoio em um tema ou conceito específico – marca do erótico Kiss Land -, Tesfaye encontra no presente disco um espaço para resolver os próprios conflitos. Faixas marcadas pelo completo desespero, relacionamentos fracassados, desilusões amorosas e boa dose de descrença, como se toda a base do registro fosse orquestrada pela vida amorosa e diferentes tormentos do cantor. “Quem é você para julgar, quem é você para julgar?”, questiona o Tesfaye no refrão de The Hills, uma espécie de resposta e precioso indicativo do aspecto confessional que orienta o trabalho.

De nada adiantaria uma obra tão expositiva se a base instrumental do trabalho não fosse capaz de transmitir o mesmo aspecto emocional dos versos. Não por acaso, grande parte das composições são recheadas de pianos entristecidos, guitarras íntimas do R&B dos anos 1980 e samples resgatados de diferentes campos da música negra. Exemplo do atento diálogo de Tesfaye com o passado está em The Hills. Enquanto a voz triste do canadense sufoca em meio a conflitos amorosos, ao fundo, Can’t Stop Loving You, música gravada em 1976 por Soul Dog serve de estímulo para o crescimento da faixa. Continue reading

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , , , ,

Disco: “Eu Vou Fazer Uma Macumba pra Te Amarrar, Maldito!”, Johnny Hooker

Johnny Hooker
Rock/Alternative/Glam Rock
https://www.facebook.com/Johnny-Hooker/

Exagerado, dramático e cretino. É difícil passar pelo trabalho de Johnny Hooker e sair ileso ao final de qualquer canção. Movido pela catarse, o cantor e compositor pernambucano resume no primeiro álbum de estúdio uma coleção de estilhaços amorosos. Versos que refletem a alma atormentada do artista, provocam arrepios, se afogam em lágrimas e ainda transportam o ouvinte para dentro desse mesmo cenário. Enxugue o rosto, retoque a maquiagem e seja bem vindo ao universo perturbado de Eu Vou Fazer Uma Macumba pra Te Amarrar, Maldito! (2015, Independente).

Imensa colcha de retalhos líricos e instrumentais, o trabalho que vai da música brega (Alma Sebosa) ao samba de gafieira (Volta) e frevo (Chega de Lágrima) sobrevive como um reflexo da versatilidade de Hooker. Nascido de diferentes composições polidas pelo artista ao longo dos anos – caso de Volta, parte da trilha sonora do filme Tatuagem (2013) -, o álbum lentamente se espalha como um gigantesco labirinto de personagens reais, confissões e relatos alcoolizadas de qualquer indivíduo boêmio.

Você não me procura nem mais, pra saber se eu existo / Não responde meus recados, me trata feito lixo”, desaba o cantor em Alma Sebosa, faixa que reserva uma interpretação digna dos trabalhos de gigantes como Alcione e Ellen Oléria. Em Amor Marginal, o completo desespero do artista: “Minha flor não me machuques / Minha dor não me abuses assim / Não tire magoas / Não tire magoa de mim”. A mesma canção fica ainda mais completa com a chegada da dramática Segunda Chance: “Me profanou, me incendiou, pediu a Deus com toda força que o meu corpo fosse teu / Me consolou, justificou, disse: sou teu”.

Mesmo afundado em sofrimento, importante observar que Vou Fazer Uma Macumba… está longe de parecer um álbum orquestrado apenas pela melancolia. Como pequenos respiros instrumentais, durante toda a obra Hooker espalha diversas faixas marcadas pela completa libertação. Da resposta sóbria em Alma Sebosa – “Acha que a sua indiferença vai acabar comigo? Eu sobrevivo, eu sobrevivo” – ao ritmo carnavalesco de Desbunde Geral – “Levantando poeira no maior festival / O futuro é agora e a vida não freia / Tenha fé n’amor, creia na vida futura”, não são poucos os momentos do trabalho em que o cantor “desperta”, alterando completamente a proposta do disco. Continue reading

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , ,

Disco: “M3LL155X”, FKA Twigs

FKA Twigs
R&B/Electronic/Trip-Hop
http://fkatwi.gs/

Pouco mais de dois anos, esse foi o tempo necessário para que FKA Twigs se transformasse na nova queridinha da música pop. Destaque em capas revista, publicações especializadas e até novo “ícone da moda”, a cantora, compositora e produtora britânica parece longe de alcançar uma possível zona de conforto, reformulando a própria imagem a cada trabalho em estúdio. Prova disso está no lançamento de M3LL155X (2015, Young Turks), mais recente registro de inéditas e álbum em que somos apresentados ao novo “personagem” criado pela artista: Melissa.

Alter ego feminista da cantora, a personagem parece ser a forma encontrada por Twigs para discutir diferentes aspectos (e tormentos) do universo feminino. Um catálogo curto, cinco composições que, mesmo orquestradas por arranjos e batidas íntimas do R&B/Pop, mantém firme o discurso e a sobriedade da artista britânica, tão provocativa e comercial quanto no último registro de inéditas, LP1 (2014). Canções marcadas por abusos (I’m Your Doll), sexualidade (In Time) e abandono (Glass & Patron).

Talvez efeito da “máscara” utilizada pela cantora, M3LL155X curiosamente se articula como o trabalho mais intimista, confessional e acessível da curta trajetória de FKA Twigs. A cada nova faixa, uma sequência de sussurros amargurados, versos costurados pelo romantismo e a profunda melancolia da compositora. “Olhe nos meus olhos, nos meus olhos / Completa, estou aqui / Estou aqui, estou aqui / Olhe nos meus olhos / E diga que você também está aqui”, grita a desesperada personagem em I’m Your Doll, música que sintetiza todo o sofrimento explorado no decorrer da obra.

Não são apenas os versos que refletem a completa transformação de Twigs. Com assinatura do produtor norte-americano BOOTS – mesmo responsável pelo último disco da cantora Beyoncé -, M3LL155X é o trabalho em que o som incorporado de forma experimental pela artista britânica é delicadamente derrubado. Do encaixe límpido das vozes, passando pelo uso descomplicados das batidas e bases, diversos são os momentos da obra em que Twigs parece entregue ao grande público. Continue reading

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , ,

Disco: “Depression Cherry “, Beach House

Beach House
Dream Pop/Alternative/Indie
http://www.beachhousebaltimore.com/

Victoria Legrand e o parceiro Alex Scally passaram os últimos dez anos garimpando novidades dentro do mesmo cercado criativo que apresentou o Beach House. Da sonoridade obscura explorada em Devotion (2008), passando pelo ápice melódico em Teen Dream (2010) e o flerte com o pop em Bloom (2012), vozes, versos e arranjos partilham de um mesmo catálogo de referências ancorados no Dream Pop dos anos 1980/1990. Um instável zona de conforto, sempre trêmula e prestes a se romper no interior de Depression Cherry (2015, Sub Pop).

Quinto registro de inéditas da banda de Baltimore, Maryland, o álbum de apenas nove faixas levanta a questão: para onde vamos agora? Fruto da explícita repetição de ideias que abastece a obra do casal, cada faixa do novo disco incorpora e adapta o mesmo catálogo de elementos explorados desde a maturidade alcançada no começo da presente década. Uma rica tapeçaria de sintetizadores, guitarras maquiadas pela distorção, bateria eletrônica e a densa voz de Legrand, da abertura ao encerramento do disco, encarada como um poderoso instrumento.

Isso faz de Depression Cherry é um trabalho “repetitivo”? Muito pelo contrário. Ainda que o casal jogue com o mesmo arsenal de temas explorados desde a estreia, em 2006, difícil encarar o presente álbum como uma obra redundante, penosa. Prova disso está nas guitarras e experimentos que crescem no interior de Sparks. Ao mesmo tempo em que a essência da banda é preservada, nítida é a passagem criada por Scally para o começo dos anos 1990, transformando a canção em um fragmento íntimo de clássicos como Heaven or Las Vegas (1990) do Cocteau Twins ou Loveless do My Bloody Valentine (1991).

A própria base lançada por Legrand nos sintetizadores transporta o ouvinte para um cenário marcado pelo ineditismo. Enquanto a primeira metade do trabalho confirma a busca do casal por um som de natureza (ainda mais) pop – vide Space Song e 10:37 -, para o eixo final do disco, novos ritmos e ambientações nostálgicas alteram os rumos da obra. Tanto Wildflower como Bluebird investem no recolhimento dos vocais e arranjos, posicionando o registro em um meio termo entre o Soft Rock de artistas como The Carpenters e as confissões melancólicas do Mazzy Star. Continue reading

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , ,

Disco: “Paraleloplasmos”, Lê Almeida

Lê Almeida
Indie Rock/Lo-Fi/Alternative
https://lealmeida.bandcamp.com/

Versos descompromissados, melodias que dialogam com a década de 1990 e ruídos, doses colossais de ruídos. Cinco anos após o último grande trabalho em estúdio, Mono Maçã (2010), o carioca Lê Almeida mantém firme o domínio das guitarras e vozes, transformando o segundo registro em carreira solo, Paraleloplasmos (2015, Transfusão Noise Records), em uma obra marcada por ensaios psicodélicos e distorções que explodem a cada nova faixa.

Na trilha do antecessor Pré Ambulatório EP, de 2012, Almeida garante a construção de uma obra que mesmo densa e repleta de canções extensas, mantém firme o caráter dinâmico até o último acorde. Um acervo curto, doze composições inéditas, metade do número de músicas que abastecem o álbum de 2010, porém, um trabalho com o dobro do tempo de duração. Longe da efemeridade testada desde a estreia com REVI EP (2009), o guitarrista encontra em canções como Fuck The New School e Câncer dos Trópicos um espaço aberto para o experimento.

Na primeira faixa, um ato extenso, mais de 11 minutos de duração, tempo suficiente para que as guitarras de Almeida passeiem pela obra de Dinosaur Jr., Sonic Youth e até nomes recentes, caso de St. Vincent, sem necessariamente perder a própria identidade. Ruídos, curvas bruscas e versos entristecidos – “Eu juro eu tentei / Não machucar” – que mantém firme o caráter jovial do trabalho. Já em Câncer dos Trópicos, uma faixa afundada em delírios instrumentais. Distorções e encaixes lisérgicos que sustentam a porção mais criativa, talvez inédita, do guitarrista.

No restante da obra, um jogo de faixas cruas, estimuladas pelas guitarras de Almeida. Logo na abertura do disco, um eficiente resumo de todo o registro na curta duração de Desampar. Pouco mais de um minuto em que arranjos raivosos e a voz característica do músico carioca apontam a direção para o restante da obra. Versos e melodias rápidas, pro vezes nonsenses, como se Almeida, talvez inspirado pelas imagens de capa do próprios trabalho, colasse fragmentos extraídos de diferentes poemas em um mesmo bloco de ruídos. Continue reading

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , ,

Disco: “Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa…”, Emicida

Emicida
Nacional/Hip-Hop/Rap
https://www.facebook.com/EmicidaOficial

Nunca antes Emicida pareceu tão esperançoso e ainda sóbrio quanto nas canções de Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa… (2015). Segundo trabalho em estúdio do paulistano, o registro de melodias descomplicadas e rimas “fáceis” é, como indicado pelo próprio rapper, um verdadeiro “Cavalo de Tróia”. Uma obra de sonoridade acessível, convidativa aos mais variados públicos, porém, ainda forte, agressiva, dona do mesmo discurso conciso que define a obra do artista desde a estreia com a mixtape Pra Quem Já Mordeu Um Cachorro Por Comida, Até Que Eu Cheguei Longe… (2009).

De forte apelo emocional, vide a abertura com a melancólica Mãe – “Uma vida de mal me quer, não vi fé / Profundo ver o peso do mundo nas costa de uma mulher” -, o presente disco, assim como o antecessor O Glorioso Retorno de Quem Nunca Esteve Aqui (2013), nasce como um trabalho em que Emicida ultrapassa os limites da periferia de São Paulo para dialogar com os mais variados grupos de marginalizados. Mulheres, homossexuais, trabalhadores, dependentes químicos e, principalmente, os negros.

Cês diz que nosso pau é grande / Espera até ver nosso ódio”, aponta o rapper na pesada Boa Esperança, décima canção do disco e um eficiente resumo de toda a obra. Análise amarga sobre a situação dos negros no Brasil, a música, uma parceira com J. Ghetto, estreita a relação entre o período de escravidão e o presente cenário nacional. Fragmentos marcados por perseguições (“Por mais que você corra, irmão / Pra sua guerra vão nem se lixar”), desrespeito (“Médico salva? Não! / Por quê? Cor de ladrão”) e morte (“Meu sangue na mão dos radical cristão”).

Ainda assim, Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa… é uma obra marcada pelo forte aspecto “positivo” das rimas. Bom exemplo disso está nos versos doces, pueris, que definem a curtinha Amoras. “Entre amoras e a pequenina eu digo: As pretinhas são o melhor que há”, declama Emicida na metafórica composição escrita para a filha. Quase uma continuação da adorável Sol de Giz de Cera, faixa dividida com Tulipa Ruiz no último disco, a música de versos curtos e sorridentes serve de complemento ao coro de vozes apresentado em Casa – “O céu é meu pai / A terra, mamãe / E o mundo inteiro é tipo a minha casa”, possivelmente a faixa mais acessível (e comercial) do presente disco. Continue reading

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , , ,

Disco: “Abyss”, Chelsea Wolfe

Chelsea Wolfe
Experimental/Gothic/Alternative Rock
http://www.chelseawolfe.net/

Clima denso, doses exageradas de distorção, gritos, uivos e desespero. Bastam os minutos iniciais de Carrion Flowers para perceber que o som explorado por Chelsea Wolfe em Abyss (2015, Sargent House) é ainda mais perturbador do que qualquer outro registro entregue pela musicista. Uma obra controlada por pesadelos, guitarras sujas e a sempre voz melancólica da cantora, ainda íntima do mesmo catálogo de referências líricas que a apresentaram no final dos anos 2000, porém, dona de um material cada vez mais adulto, desafiador.

Longe de parecer uma extensão do último álbum da cantora, o também sombrio Pain Is Beauty (2013), cada faixa do presente disco soa como uma precisa desconstrução da curta trajetória de Wolfe. Nos versos, o mesmo caráter intimista e confessional originalmente exposto em The Grime and the Glow (2010). Entretanto, em se tratando dos arranjos e vozes, uma verdadeira explosão. Sentimentos e ruídos que arrastam o ouvinte até o último grito do trabalho.

Agressivo, Abyss potencializa uma série de conceitos e referências antes restritas dentro do trabalho de Wolfe. Da abertura com Carrion Flowers, passando por faixas como Iron Moon, Dragged Out e Survive, nítido é o interesse da cantora em brincar com diferentes aspectos do Rock Alternativo dos anos 1990 – principalmente Nirvana e PJ Harvey – sem necessariamente abandonar os tradicionais toques de música eletrônica incorporados no disco anterior.

Parte expressiva desse acerto está na escolha de John Congleton como produtor do disco. Mais conhecido pelo trabalho com a banda The Paper Chase, Congleton que já trabalhou com diferentes artistas como Swans, Nelly Furtado, St. Vincent e Sigur Rós assume a responsabilidade por manter a coerência dentro do álbum, amarrando todas as pontas soltas deixadas por Wolfe. Como resultado, o nascimento de uma obra tão íntima dos arranjos sombrios do Sun O))), quanto da eletrônica provocativa de Fever Ray. Continue reading

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , ,

Disco: “Pangea I Palace II”, Lemoskine

Lemoskine
Nacional/Indie/Alternative
http://www.lemoskine.com/

Mais conhecido pelo trabalho ao lado da Banda Mais Bonita da Cidade, além de integrante do grupos como Naked Girls & Aeroplanes e ex-vocalista da extinta Poléxia, o cantor e produtor Rodrigo Lemos – “um artista” como resume no próprio site -, parece ter encontrado no Lemoskine um projeto marcado pela criação. Um espaço criativo pensado para armazenar e reformular grande parte das composições dissolvidas dentro dos diferentes projetos assinados pelo músico.

A cada novo disco, uma espécie de recomeço. Longe da ambientação serena, quase “Folk”, explorada no disco anterior, Toda a Casa Crua, de 2012, Lemos encontra no recém-lançado Pangea I Palace II (2015, Independente) um trabalho em que parece brincar com as possibilidades. Uma obra de dois lados, “parte delas contempla um passado longínquo… Outra parcela trata de forma mais dura a condição humana”, disse em entrevista ao site da Billboard.

Sem necessariamente se valer de uma divisão forçada, como dois caminhos propositadamente distintos, Lemos encontra na constante sobreposição e mescla de arranjos a base para uma obra de possibilidades (quase) ilimitadas. Um verdadeiro acervo de composições existencialistas e urbanas, peças tão íntimas do personagem contestador interpretado pelo músico (Nesse Lugar), como atentas ao presente cenário nacional (Plantado em Fel).

Em um explícito sentido de renovação, Lemos ultrapassa o preciso cercado de arranjos e temas testados até o último disco para provar de novas essências musicais. Ainda que o reggae seja explorado com maior nitidez e destaque, vide o manuseio das guitarras e bases densas que movem o single Pedra Furada, durante toda a obra, diferentes colagens e adaptações instrumentais jogam com a interpretação do ouvinte. Continue reading

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , ,

Disco: “III”, Maglore

Maglore
Indie/Alternative/Rock
http://www.maglore.com.br/

Com o lançamento de Vamos Pra Rua, em 2013, a baiana Maglore deu um salto criativo. Catálogo frenético de vozes e melodias direcionadas com acerto aos mais variados públicos, o registro serviu para aproximar ainda mais o grupo original da cidade de Salvador de todo um novo universo de arranjos e tendências musicais. A busca declarada por uma sonoridade mais pop, radiofônica, conceito que ao esbarrar em diferentes ritmos (e cores) da década de 1970 serve de estímulo para o recém-lançado III (2015, Deck Disc).

Terceiro álbum de inéditas da banda – hoje composta por Teago Oliveira (voz e guitarra), Rodrigo Damati (baixo e voz) e Felipe Dieder (bateria) -, o trabalho produzido por Rafael Ramos é uma verdadeira colcha de retalhos. De um lado, a essência de veteranos como Caetano Veloso, Roberto Carlos, The Beatles e Los Hermanos. No outro, o expressivo reforço de grandes representantes do rock atual, caso de estrangeiros como Tame Impala e Arctic Monkeys, artistas dissolvidos em pequenas doses de psicodelia que borbulham ao fundo do disco.

Para quem acompanha o trabalho da banda desde a estreia, em 2011, com o álbum Veroz, nenhuma novidade de fato “espantosa”. A diferença em relação aos últimos lançamentos do grupo está na completa desenvoltura e dinamismo que rege o álbum até a última canção, a descritiva e cômica Vampiro da Rua XV. Faça o teste: do momento em que tem início a faixa de abertura do álbum, O Sol Chegou, apertar o botão de “pause” é uma tarefa praticamente impossível. Não existe tempo para descanso, fazendo com que hits e versos fáceis apareçam a cada nova curva.

Entre os principais elementos que forçam essa transformação está a escolha de Rafael Ramos quanto produtor do disco, além, claro da pontual troca de integrantes desde o último projeto de estúdio. Enquanto Ramos, personagem que já trabalhou com diversos nomes da cena brasileira, como Pitty, Titãs e Los Hermanos, aproxima o registro de diferentes cenas do rock nacional, a cada nova faixa, evidente é o fôlego renovado e ânsia exaltada por cada membro do grupo. Um contrastado choque de referências que garante movimento e leveza ao trabalho.

É esse mesmo efeito contrastado que amarra os versos e arranjos espalhados por toda a obra. Enquanto letras melancólicas e declarações entristecidas sustentam a lírica confessional do trabalho, em se tratando das melodias alavancadas pelas guitarras, a explícita busca por um som radiante, alegre e sempre entusiasmado. Mesmo nos instantes de maior tristeza do disco, caso de Se Você Fosse Minha, Tudo de Novo e Ai Ai, enquanto os versos sufocam amargurados, os arranjos crescem, explodem e praticamente obrigam o ouvinte a dançar.

Confortavelmente instalado no mesmo cercado criativo de obras lançadas por bandas como Luneta Mágica, Dingo Bells e Pousatigres, III é apenas mais uma prova de que é possível produzir (boa) música pop no Brasil sem necessariamente sufocar pelo excesso de rimas previsíveis e arranjos cobertos de poeira. Uma obra perfumada pelo passado, porém atual, capaz de dialogar com a presente safra de novos representantes (e públicos) da cena brasileira.

III (2015, Deck Disc)

Nota: 8.3
Para quem gosta de: Dingo Bells, Pélico e Luneta Mágia
Ouça: Invejosa, Ai Ai e Se Você Fosse Minha

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , ,

Disco: “Ava Patrya Yndia Yracema”, Ava Rocha

Ava Rocha
Indie/Alternative/Experimental
http://www.avarocha.com/

Fotos: Daryan Dornelles

“Iniciante” é uma palavra que não se aplica ao trabalho de Ava Rocha. Filha do cineasta Glauber Rocha (1939 – 1981), a artista que já se relacionou com diferentes campos da artes, como o teatro, cinema e, em 2011, apresentou o primeiro álbum com a banda Ava, Diurno, encontra no primeiro trabalho em carreira solo um espaço em branco, entregue ao experimento e criação. Uma obra tecida com simplicidade e referências talvez óbvias – como Gal Costa e Cássia Eller -, entretanto, lentamente joga com a interpretação do ouvinte, provocado pelos momentos de caos e acolhido nos instantes de explícita melancolia.

Queria um disco pop, inventivo, quente, político, sensual, um disco que reunisse uma série de elementos com uma linha inventiva, que a gente pudesse pirar”, disse a cantora em entrevista ao G1. Curioso encontrar em cada faixa de Ava Patrya Yndia Yracema (2015, Independente) uma pequena porção de cada um dos temas apresentados pela cantora, também responsável pelos versos que sustentam a presente obra. Sem necessariamente perder o controle, ou tropeçar, o registro que conta com a participação de Pedro Sá, Domenico Lancelotti e os quatro integrantes da banda carioca Do Amor é uma obra que delira, explode e encolhe a todo o instante.

Ao mesmo tempo em que a inaugural Boca do Céu aproxima a artista do mesmo universo “denso” da cena paulistana criada por membros do Metá Metá e Passo Torto, em minutos, o romantismo de Você não vai passar e Transeunte Coração arremessa sem dificuldades o ouvinte para um novo cenário de possibilidades – muito mais pop, descomplicado e acessível. Como indicado logo na capa do disco, uma imagem de temática nonsense, talvez lisérgica, APYY é um trabalho feito para brincar com interpretação do ouvinte, longe de prováveis pontos de apoio e imposições óbvias.

Parte desse resultado surge como um efeito direto da interferência de Jonas Sá, produtor do disco. Convidado para trabalhar com a cantora em estúdio, o cantor e compositor carioca transporta para dentro do álbum parte da estética, sonoridade, excentricidade e referências também exploradas no interior de BLAM! BLAM! (2015), último registro solo do músico. A diferença está na direção assumida por cada artista. Enquanto Sá assume uma trilha marcada pela sexualidade e versos focados na boemia, Rocha mergulha de cabeça na própria intimidade, detalhando relacionamentos fracassados, temas existencialistas e tormentos que bagunçam a mente de qualquer indivíduo. Continue reading

Compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Google Plus
Tagged , , , , , , , , , ,